Categorias
Coluna

Neymar no PSG: transferência foi uma aula dos advogados envolvidos

De um lado, a notícia de que Neymar se transferiu para o Paris Saint-Germain por espantosos € 222 milhões, a transferência mais cara da história. De outro, a regra do “fair-play financeiro” estabelecida pela Uefa em 2011, visando evitar que um clube que disputa competições internacionais gaste mais do que ganha.

Diante desses dois cenários, como o PSG contratou Neymar?

Simples: o próprio Neymar comprou os seus direitos econômicos junto ao Barcelona, não havendo qualquer negociação direta entre os clubes. Isso mesmo. Neymar celebrou um contrato de prestação de serviços com um fundo de investimentos do Catar, vendendo seu direito de imagem como embaixador da Copa do Mundo de 2022 por € 222 milhões.

Com o dinheiro em mãos, foi até o Barcelona, depositou o valor da multa rescisória e se tornou um jogador livre. Nessa condição, assinou um novo contrato com o PSG, que apenas pagará as luvas e salários ao jogador (€ 30 milhões anuais), não efetuando qualquer pagamento ao Barcelona. Aliás, apenas a título de curiosidade, Neymar ainda não será o jogador de futebol mais bem pago do mundo, pois continua perdendo para Carlitos Tevez, que embolsa € 38 milhões por ano no Xangai Shenhua, da China.

A operação criada pelos advogados de Neymar e do clube francês foi digna de tirar o chapéu. Além de driblar o mecanismo do “far-play financeiro”, a não contratação direta pelo PSG reduziu drasticamente a carga tributária incidente na operação, que, segundo alguns jornais, poderia inclusive inviabilizar o negócio.

Além disso, com o pagamento da multa rescisória diretamente pelo jogador, em tese o Paris não teria que pagar ao Santos o percentual de clube formador (4% do negócio, quase R$ 33 milhões) pelo mecanismo de solidariedade da Fifa. Sabe-se, porém, que Neymar já teria solicitado ao PSG que arque com o valor devido ao clube paulista, que, inclusive, enviou notificação ao clube francês acerca do ocorrido.

Trata-se, portanto, de uma verdadeira tacada de mestre. Resta-nos saber se a Uefa, após a prometida investigação da operação, a manterá intacta, sem qualquer penalidade aos clubes e ao jogador. Enquanto isso não terminar, quem aprecia o Direito ligado ao esporte acompanha ansiosamente as próximas etapas do caso.

 

CARLOS ALBERTO MARTINS JÚNIOR é advogado, especialista em direito desportivo e atua no Freitas Martinho Advogados

 

Foto: C. Gavelle/PSG

Categorias
Esportes

O que esperar de Neymar no Barcelona?

Tenho uma birra muito grande dessa obsessão criada sobre o título de melhor jogador do mundo. Tudo culpa do Robinho — o ídolo de Neymar. Quando saiu do Santos para jogar no Real Madrid, citava esse objetivo em todas as entrevistas. Não falava em ganhar títulos ou estabelecer-se na Seleção Brasileira. Queria estar no topo da boleirada.

Pois é, Robinho não conseguiu. Resultado? Há quem pense que sua passagem pela Europa é um fracasso. Tudo por conta da imensa expectativa que ele mesmo criou. E o Rei das Pedaladas não foi um fiasco por lá. Teve seus momentos de auge no Real Madrid, no Manchester City e, sim, também no Milan, contribuindo com uma conquista do Italiano. E, vale lembrar, nos quatro anos de Dunga na Seleção, ele foi quem mais atuou e também um dos artilheiros do time. Mas vai ficar essa mancha.

Agora é a vez de Neymar. Mais calejado, preparado para o estrelato, o menino mandou bem logo em sua apresentação. Disse querer ajudar Messi a continuar sendo o melhor do mundo. Esperto, o garoto. Afinal, quem pode conquistar o mundo é seu desempenho jogando, e não falando. E se não levar esse troféu individual para casa, tanto faz. Vale muito mais uma Copa do Mundo. E ele já provou ser capaz de protagonizar jogos de alto nível com a amarelinha, na conquista da Copa das Confederações.

Então, hora de deixar o menino à sombra de Messi. Quando menos esperarem, seus golaços estarão pipocando nas redes sociais — até porque, as defesas dos times espanhóis são muitíssimo generosas… Penso que Neymar fará o mesmo estrago por lá que fizeram Romário, Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho. É só ter um pouco de paciência.

Categorias
Esportes

Parabéns, Peixe!

O Santos Futebol Clube comemora 100 anos e o futuro jornalista Marcio Martinele comemora a data, na seção FALA, UNIVERSITÁRIO!, homenageando seu time de coração. Vale a pena ler.

Tributo ao Centenário

Por Márcio Martinele

Tentar entender alguém que nasce nos anos 80 e escolhe um time como o Santos para torcer não é tarefa fácil, por mais influência que o pai exerça sobre ele. Por que vou seguir aquele que a minoria segue, que pouco conquistava desde então? Questões complexas quando falamos de futebol, esporte que envolve muito o fator títulos. Talvez ser santista é fruto de uma vontade natural em ser subversivo à sociedade; o diferente, o “do contra”, juntamente com um pouco daquilo de desejar a vitória do lado mais fraco, para que a alegria venha redobrada ao final da partida e a gozação mais prazerosa nas mesas de bares.

Para exemplificar esta situação, citarei um domingo nublado de clássico no Paulistão 2006, dia 12 de mês carnavalesco; a alegria comia solta entre corintianos que acabavam de comemorar o Brasileirão do ano anterior, além de terem um timaço com jogadores em seus melhores momentos: Marcelo Mattos, Ricardinho, Roger, Nilmar, Tevez e MSI… Já o Santos tinha Júlio Manzur e Domingos na zaga, Neto na esquerda, Tabata vestindo a 10 e Reinaldo como “homem gol”. A expectativa era de um novo 7 a 1 para o Timão, por mais que a imprensa escrevesse que “clássico é clássico…”. Eis que o arquiteto Luxa “superlota” o meio de campo com volantes, coloca três zagueiros e não deixa o Corinthians evoluir. Vanderlei faz propositalmente o jogo ficar tão feio quanto o time que tinha em mãos. O melhor do “nó tático” surge quando Reinaldo sente dores e é substituído por aquele que ninguém sabe que fim levou: Geílson, que aos 33 minutos do segundo tempo recebe lá do campo de defesa um grande tijolo de Fabinho, ganha no corpo de Betão, deixa Marinho pra trás e com uma categoria além de sua pessoa “toca” no canto esquerdo de Marcelo. Santos 1 x 0 Corinthians. Só o bíblico Davi sabe o que sentiram os santistas naquele dia; a partir daquele jogo nada poderia tirar o título do Peixe.

Com o perdão do pulo cronológico, voltemos ao passado mais distante. Iniciei minha paixão pelo Santos de uma maneira estranha: perdendo… Foi no Brasileirão de 1995, quando vi aquele time “bem arrumado” chegar às finais. Eu era pequeno demais pra lembrar de detalhes dos jogos, mas impossível não guardar em mente “o cara” que reunía velocidade, habilidade, técnica e classicismo em uma mesma jogada; o legítimo “camisa 10”, o G10, cujo apelido serviria perfeitamente para o momento alvinegro: Giovanni, o Messias. Sem dúvida, era ele o homem que traria de volta a fé praiana. Infelizmente, na final, contra o Botafogo, Márcio Rezende de Freitas era fariseu, romano e Pôncio Pilatos em um só juiz, condenando o nosso salvador e todo time a mais sete anos de jejum de títulos importantes. Um ano depois, Giovanni foi vendido ao velho continente e a vida de um santista continuava…

Há quem diga que esse fracasso foi o mais triste na vida de um peixeiro. Aliás, com certeza foi, mas somente para aqueles que já tinham certa idade na época, o que não era o meu caso. Para mim, não foi pior do que o Paulistão de 2001. Depois de empatar o jogo de ida contra o Corinthians na semifinal, o Peixe dependia de outro empate para jogar a decisão contra o Botafogo de Ribeirão Preto. Isso até Gil receber na esquerda, deixar André Luiz no chão e cruzar. Na sequência do lance, Marcelinho Carioca fez uma finta de corpo e deixou Ricardinho livre para definir o marcador, aos 48 minutos do segundo tempo! Corinthians 2 x 1 Santos. Inexplicável para um garoto que dessa vez tinha 12 anos e já sabia raciocinar a ligação entre tragédia e a angústia dos dias seguintes.

E por falar em angústias, só delas vivemos de 1985 a 2001. Neste período, o Peixe ganhou um Torneio Rio-São Paulo em 1997 e uma Commebol em 1998… Quase nada para um time como o Santos. Eis que surge uma nova era: 2002. O ápice na minha vida como admirador do futebol. Como explicar um time montado pra brigar, no máximo, por uma vaga na Mercosul (hoje Sul-Americana) ser campeão brasileiro atropelando todos na fase mata-mata? Mais uma vez, o Santos estava vestido de Davi, de onze Davis. Um santista jamais esquecerá da tarde de 15 de dezembro de 2002, com Fábio Costa; Maurinho, André Luiz, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Robinho e Alberto e o Rei da Selva no comando. A nação alvinegra perde a virgindade com estilo; Léo, Elano e Robinho estavam dopados de Viagra e, como disse no começo do texto, a glória aparece de maneira redobrada. Os Meninos da Vila estavam de volta.

Hoje, 14 de abril de 2012, a praia de Santos está imprópria para outro escudo. São 100 anos de história que ultrapassa a área futebolística. Temos um himeneu perfeito: técnico vencedor, equipe aprazível e, de lambuja, como diria LAOR, um champanhe borbulhante e explosivo (Neymar) com um vinho Bordeaux quieto e introspectivo (Ganso). Irônico que há 10 anos formava-se este embrião que iria esmerilhar somando arte e eficiência em véspera de centenário. Tem algo no DNA deste time que, vira e mexe, eles ficam bons. Irônico também esta equipe ainda manter sua tradição de eterna inovadora, resistindo ao conservadorismo, com seus moleques inquietos e infantis, tratando a bola como um simples brinquedo. Como escreveu Alberto Helena, o Santos vive “na contraposição das duas ideias básicas do futebol, quiçá da vida: a rebeldia contra o estabelecido; o ataque contra a defesa; o novo e o velho, ambos sempre eternos”. Parabéns, Nação Alvinegra.

Márcio Martinele é estudante de Jornalismo da Universidade do Sagrado Coração e atua na rádio Auri-Verde 760AM

Categorias
Coluna

Coluna da semana: o passeio do Barcelona sobre o Santos

Texto publicado na edição de 19 de dezembro de 2011 no jornal BOM DIA fala sobre como o Santos assistiu à final de dentro do campo

Geração videogame

De tudo o que vi e ouvi durante a transmissão da final do Mundial de Clubes, a informação que não saiu da minha cabeça foi a de que Neymar é fã do zagueiro Puyol. Não por sua qualidade como zagueiro no gramado, mas no videogame! E a partida entre Santos e Barcelona pareceu mesmo uma disputa virtual, no modo “hard” (difícil), quando você joga contra a máquina e não consegue tocar na bola… Pareceu também que os jogadores do Peixe estavam admirando, dentro de campo, aqueles que protagonizam sua diversão no quarto do hotel, os heróis do joystick. A verdade é que todos nós admiramos – e o menino Neymar mostrou maturidade ao reconhecer a aula de futebol que recebeu.

Assim que o Brasil perde uma partida de Copa do Mundo, começa o esforço coletivo para explicar a derrota. Para entender o vice santista, não é preciso tanto. O Barcelona é de outro planeta, de uma perfeição no trato com a bola jamais vista nas últimas décadas. Não vi a seleção holandesa de 1974, mas imagino que era algo próximo disso: uma dinâmica troca de posições e entrega em campo até o apito final. O Barça vence por 4 a 0 e continua marcando pressão, incomodando a saída do adversário. Messi é tão operário quanto o cascudo Mascherano, não para nunca.

Se faltou mais atitude ao Santos, foi nas poucas vezes em que esteve com a posse de bola. Porque roubá-la do Barcelona é mesmo missão quase impossível. A impressão é de que se fica zonzo com tamanha movimentação. Nada é previsível, não se sabe para onde correr, quem marcar. Os próprios jogadores alvinegros reconheceram em entrevistas pós-jogo o quanto se desdobraram em vão.

Há o que criticar? Claro que há. E não é na base da corneta, como muitos cronistas fizeram nas redes sociais. O Santos Futebol Clube, tricampeão da América, merece todo o respeito.

O equívoco do Muricy
O Santos entrou em campo com um esquema tático equivocado, com três zagueiros em linha. O segredo estava em pressionar lá na frente e não aguardar que o Barcelona chegasse, com toda sua qualidade, na cara do gol santista. Com isso, ficou com um meia a menos para tentar criar com a migalha de tempo de posse de bola que teve (29%). Quando Elano entro no lugar de Danilo, o esquema ficou torto e os zagueiros continuaram lá…

Vacilão
Durval foi de uma apatia irritante. Eu sempre defendi o zagueiro santista em conversas, pelo ótimo histórico no Sport Recife e pela temporada 2010 irretocável ao lado de Edu Dracena. Este ano, mesmo com alguns vacilos, fez uma honesta Libertadores. Ontem, entretanto, o camisa 6 santista parecia um poste. No primeiro gol, a bola desviou nele antes de chegar a Messi. Não houve reação, ele parou para admirar a conclusão do argentino. No segundo, o cruzamento de Daniel Alves passou por ele, que ficou caminhando enquanto Xavi concluía. Preferiu pedir impedimento (duas vezes!) no terceiro gol a tentar roubar a bola. O último golpe catalão também contou com a caminhada durvalina enquanto Messi arrancava sobre Rafael. Não que seja o vilão da derrota – há sim heróis grenás –, mas certamente foi o maior destaque negativo.

3-7-0
Sempre me irritaram as definições táticas fatiando o gramado em quatro setores, como o famoso 4-2-3-1 que a Espanha consagrou na última Copa do Mundo. Temos defesa, meio-campo e ataque, certo? Enquanto não inventarem um nomo para esse “quarto setor”, para mim a Fúria ganhou o Mundial no 4-5-1. Mas até na tática o Barcelona dá um nó nos analistas. Muricy falou em 3-7-0, mas como dizer que um time que faz quatro gols não tem atacantes? Na verdade, é uma espécie de 3-4-3, mas sem peças fixas. A cada ataque, são três jogadores diferentes na frente. E como botar no papel? Tem que escolher… Os que mais ficaram avançados foram Daniel Alves, Messi e Fàbregas.