Alex Garcia deixa o Bauru Basket rumo ao Minas

Alex Garcia

Alex Garcia não defenderá o Sendi Bauru Basket na próxima temporada. O anúncio foi feito na manhã desta quinta, quando a diretoria do Dragão reuniu a imprensa para detalhar a saída — dando continuidade ao propósito de discutir abertamente os assuntos da associação. O atleta foi convidado a comparecer,  mas preferiu não se pronunciar nesse momento.

Após encontro ontem, o Brabo comunicou o desejo de mudar de ares, informando que aceitou a proposta de outra equipe — não precisando, assim, ouvir uma contraproposta. A diretoria bauruense vinha articulando um  grupo de empresas para bancar o salário do camisa 10 e afirmou que ele, ao lado do argentino Faggiano e de mais um reforço, seria um dos pilares do elenco. O tabuleiro da montagem do elenco, portanto, parte para um plano B. É provável que seja procurado um estrangeiro para seu lugar no elenco — e o nome de Léo Meindl volta a ser cogitado.

Com contrato até o final de julho, Alex e seu futuro clube ainda não podem se pronunciar sobre o acerto — a não ser que haja uma rescisão amigável antes desse prazo. O destino é o Minas Tênis Clube, como antecipou, ontem, o Café Belgrado.

Alex Garcia + Leandrinho

Como em toda temporada, Alex foi procurado por vários clubes e fez uma escolha coerente. Afinal, sempre se comentou nos bastidores que ele e a família não morariam no Rio de Janeiro ou em São Paulo, por isso as negativas nos últimos anos a Flamengo, Paulistano e Corinthians. Em Belo Horizonte, poderá viver no pacato e nobre bairro de Lourdes, onde fica a sede do Minas. O Brabo irá realizar o sonho de jogar ao lado do grande amigo Leandrinho, parceiro de seleção brasileira, em um clube.

Alex Garcia e Leandrinho
Amizade com Leandrinho pesou na decisão de Alex Garcia pelo Minas. Foto: David Abramvezt/Globo Esporte.com (foto topo: Victor Lira/Bauru Basket)

Resta demonstrar toda gratidão ao jogador, virar a página e deixá-lo nas anteriores, cheias de glórias. O patamar que o Bauru Basket alcançou no basquete internacional se resume a antes e depois de Alex Garcia, o grande líder das conquistas recentes.

Noroeste já tem time, mas falta esclarecer parceria

Depois de semanas de silêncio após a eliminação na Série A3, o Noroeste voltou a se movimentar desde a última  semana, enterrando a dúvida sobre a participação na Copa Paulista. Desembarcou em Bauru o treinador Adriano Kanaã (à direita, na foto de Bruno Freitas/ECN) e seu auxiliar, Gilmar Minelli (à esquerda), juntamente com um pacote de jogadores que haviam disputado a segunda divisão paranaense pelo Paranavaí. Pacote esse fruto da parceria de uma empresa com o Norusca.

Paralelamente, a diretoria alvirrubra manteve bons nomes do elenco remanescente (Jean Pierre, Gava, Felipe Merlo, Igor Pimenta, Diego Souza, John Egito, Chico e Pedro), além de trazer Arthur e Blade, dois destaques do Barretos, algoz noroestino na terceirona.

Sendo assim, surgem algumas interrogações. Se a base é noroestina, por que arriscar-se com um treinador desconhecido que traz consigo jogadores que, a princípio, serão reservas? A não ser que a empresa parceira vá remunerar todo o elenco. Do contrário, como Kanaã vai dar visibilidade aos atletas a ele atrelados sem parecer forçar a barra?

Preocupa também: se eventualmente a parceria não pagar salários, a bronca (mais dívidas trabalhistas…) recai sobre o clube, que assina o contrato do jogador.

Em recentes entrevistas aos colegas da 87FM/Jornada Esportiva e da Jovem Pan News, Kanaã limitou-se a falar que a parceria a princípio é para a Copa Paulista. E que trata-se de uma empresa que “tem condições de tocar e, se possível, comprar”, disse à 87. (Comprar o clube? Não ficou claro.) Esquivou-se de detalhes, até mesmo dizer o nome da empresa, e afirmou que tudo será explicado pelo clube. “Não posso falar sobre a empresa, parceria, salários… Por enquanto, só campo. O presidente é quem vai explicar em uma coletiva”, afirmou à JP News.

O que se sabe é que Kanaã é ligado a uma empresa de material esportivo (Kanaã Sports), que inclusive vestiu o Paranavaí recentemente. E o nome da parceira do Paranavaí é M10 Brasil. Lá, ele começou como gerente de futebol (e nas súmulas aparecia como auxiliar técnico) e assumiu a beira do campo na reta final (dois jogos, uma vitória e uma derrota). Na imprensa local, era chamado de “técnico-investidor”.

Aguarda-se, portanto, e ansiosamente, o pronunciamento do presidente Estevan Pegoraro. A comunidade noroestina está animada por ver a participação do clube viabilizada na Copinha, mas não basta otimismo. O fantasma Larangeira está fresco na memória. À época, este CANHOTA 10 também publicou interrogações, e deu no que deu. Que agora seja diferente, a começar pela transparência.

Procurado, o Noroeste informa que irá realizar a entrevista, mas não tem uma data definida.

Fernando Beagá

Faggiano, novo armador do Bauru: “Desejava me desafiar em outro país”

Lucas Faggiano

O tão esperado primeiro anúncio de reforço do Sendi Bauru Basket para a temporada 2018/2019 veio na última quinta (6/jun), com sotaque: o armador argentino, 30 anos, vindo do San Martín, de seu país — informação antecipada pelo colega Lucas Rocha, da Jovem Pan News Bauru. O jogador já havia negociado com o Dragão em 2015, quando atuava no Boca Juniors. Chega à Cidade Sem Limites com médias de 12,8 pontos, 4,4 assistências e 3,2 rebotes em 30min em quadra, nas 42 partidas que disputou na última liga argentina.

Nesta sexta-feira, o CANHOTA 10 falou com exclusividade com Faggiano sobre o que o motivou a vir para o Brasil — sua primeira experiência profissional fora de seu país. “Eu desejava me desafiar em outra liga, em outro país. E o interesse que o Bauru demonstrou me convenceu”, conta  o camisa 3.

Faggiano se informou com colegas que tiveram experiência no Novo Basquete Brasil: “Conversei com Enzo Ruíz, Franco Balbi e Nicolás Laprovittola, que me deram boas referências da organização das equipes e da força da liga brasileira”.

Lucas Faggiano
Caiu bem o manto bauruense? Foto: Comunicação Bauru Basket. (Foto topo: FIBA)

Sobre sua chegada a Bauru, el base argentino acredita que estará aqui no início de julho — a não ser que haja uma convocação da seleção argentina para disputar uma Copa do Mundo. “Aí não sei ainda como será. A convocação é o ponto máximo de um jogador. Vamos ver o que vai acontecer”, comenta Faggiano, que já teve contato com o técnico Demétrius Ferracciú. “Falei com ele de forma breve, uma conversa de boas-vindas. Disse que estava contente com a minha chegada.” O gringo finalizou a conversa se desculpando por falar espanhol, afirmando estar disposto a aprender o português.

Faggiano chega com currículo pesado para causar impacto no NBB. Para conhecer um pouco mais sobre o novo armador do Dragão, sugiro ler esse perfil publicado no site da FIBA.

Fernando Beagá

Em ação inédita, Bauru Basket faz reunião de transparência

Reunião Bauru Basket

Quebrei a cabeça para encontrar termo melhor. “Lavagem de roupa suja” seria um exagero — apesar de que, de fato, houve diálogo sobre temas polêmicos —, então parece-me de bom tamanho que houve uma reunião de transparência. Afinal, foi uma iniciativa do Bauru Basket convidar imprensa, torcedores, colaboradores e apoiadores a falar sobre o que pensam da associação e sobre que rumos ela pode tomar para ser um produto ainda melhor para seu público e, consequentemente, para patrocinadores. “Estamos humildemente pedindo a opinião de vocês”, disse o ainda presidente Beto Fornazari, que compôs a mesa com o gestor Vanderlei Mazzuchini e o futuro presidente, André Goda.

Elogiável movimento, é necessário destacar — algo inédito em agremiações bauruenses. A palavra foi dada a todos. Só não se manifestou quem não quis. Eu mesmo falei sobre a construção de um time simpático (que independe de troféus), a função do comitê gestor e preços de ingressos e sócio-torcedor. Nenhum questionamento ficou sem resposta. Foi uma conversa bastante franca, inclusive sobre bastidores que, de fato, não caberiam no noticiário, mesmo em alguns casos que poderiam diminuir impressões negativas sobre o clube.

O Dragão queria mais ouvir do que falar, mas era inevitável que o encontro se tornasse um tira-dúvidas. A promessa é que haja outros, para que os envolvidos tragam impressões da comunidade basqueteira. Tomara. Boas ideias devem sempre prosperar.

Bauru Basket reunião
Reunião contou com diretores, colaboradores, apoiadores, imprensa e torcedores. Fotos: Fernando Beagá/Canhota 10

Fernando Beagá

Eleições do Bauru Basket: o que diz o estatuto

Com o fim  da temporada 2018/2019 para o Bauru Basket, o cenário político do clube já emergiu, por conta das eleições da diretoria executiva. Pela primeira vez, há a possibilidade de não haver uma escolha por aclamação. Duas chapas se organizam para o pleito. Uma delas, capitaneada pelo vereador Roger Barude, segundo noticiou Emerson Luiz, na 94FM; outra, provavelmente pelo advogado André Goda, segundo Lucas Rocha, da Jovem Pan News Bauru — ambos nomes não divulgados oficialmente.

Diante dessa novidade, fala-se de antecipar as eleições para que o planejamento da próxima temporada não seja prejudicado. O atual presidente, Beto Fornazari, disse ao Jornal da Cidade que “até gostaria de antecipar a eleição, mas o estatuto não permite“.  Disse ainda: “a princípio não devo ser candidato. Como o Campeonato Paulista começa no dia 13 de julho, ele já trabalha na montagem do elenco da próxima temporada e na renovação e prospecção de patrocinadores.

Diante desse cenário, consultei o estatuto (neste link, é um documento público). Para as duas questões cruciais, a resposta é NÃO, mas… Confira:

É possível antecipar as eleições?

NÃO, porque o Artigo 15 do estatuto diz que a Assembleia Geral Ordinária do Conselho Deliberativo deve ocorrer na primeira quinzena de julho de anos ímpares. É nessa reunião que o Conselho Deliberativo é eleito (pelos associados com pelo menos um ano de filiação adimplente) e empossado. E novo conselho tem até cinco dias úteis, após a posse, para escolher a diretoria executiva.

O presidente Beto Fornazari pode se reeleger?

NÃO, porque o parágrafo 3 do Artigo 29 diz que só é permitida “a recondução dos dirigentes por apenas uma vez consecutiva” — ele assumira o posto de Sandro Fabiano em 2016 e foi eleito em 2017. Como o texto fala em “recondução” e não em reeleição, não há brecha de interpretação nesse caso. Tampouco Beto pode ser vice-presidente, tesoureiro ou suplente, pois o parágrafo 4 do mesmo artigo diz que não podem ser eleitos “membros da Diretoria imediatamente anterior”.
Atualizado: o presidente Roberto Fornazari se manifestou na caixa de comentários (logo abaixo), afirmando que não pretende se reeleger, mesmo se houvesse a possibilidade.

MAS…

… para ambas as questões, há uma saída: reformar o estatuto. Como? Em uma Assembleia Geral Extraordinária, que pode ser convocada pelo Conselho Deliberativo ou pelo próprio presidente da diretoria executiva. O novo estatuto passa a valer a partir do momento em que a ata dessa reunião for registrada e ele for revisado e publicado. Isto é: na prática, é possível redigir um novo texto que permita antecipar eleições e também autorize pleitear um terceiro mandato.

Entretanto, um processo que sugere celeridade (para antecipar o que aconteceria um julho) pode ser demorado. Uma comissão formada  para revisar o estatuto reformado tem prazo de seis meses para essa tarefa — prazo que também pode ser alterado. Isto é: tal artifício só ocorrerá sob forte consenso. Do contrário, fica para julho mesmo.

IMPORTANTE: a versão do estatuto consultada é a mais recente que consta nos arquivos digitais de transparência da prefeitura de Bauru.


Fernando Beagá