Alex Garcia deixa o Bauru Basket rumo ao Minas

Alex Garcia

Alex Garcia não defenderá o Sendi Bauru Basket na próxima temporada. O anúncio foi feito na manhã desta quinta, quando a diretoria do Dragão reuniu a imprensa para detalhar a saída — dando continuidade ao propósito de discutir abertamente os assuntos da associação. O atleta foi convidado a comparecer,  mas preferiu não se pronunciar nesse momento.

Após encontro ontem, o Brabo comunicou o desejo de mudar de ares, informando que aceitou a proposta de outra equipe — não precisando, assim, ouvir uma contraproposta. A diretoria bauruense vinha articulando um  grupo de empresas para bancar o salário do camisa 10 e afirmou que ele, ao lado do argentino Faggiano e de mais um reforço, seria um dos pilares do elenco. O tabuleiro da montagem do elenco, portanto, parte para um plano B. É provável que seja procurado um estrangeiro para seu lugar no elenco — e o nome de Léo Meindl volta a ser cogitado.

Com contrato até o final de julho, Alex e seu futuro clube ainda não podem se pronunciar sobre o acerto — a não ser que haja uma rescisão amigável antes desse prazo. O destino é o Minas Tênis Clube, como antecipou, ontem, o Café Belgrado.

Alex Garcia + Leandrinho

Como em toda temporada, Alex foi procurado por vários clubes e fez uma escolha coerente. Afinal, sempre se comentou nos bastidores que ele e a família não morariam no Rio de Janeiro ou em São Paulo, por isso as negativas nos últimos anos a Flamengo, Paulistano e Corinthians. Em Belo Horizonte, poderá viver no pacato e nobre bairro de Lourdes, onde fica a sede do Minas. O Brabo irá realizar o sonho de jogar ao lado do grande amigo Leandrinho, parceiro de seleção brasileira, em um clube.

Alex Garcia e Leandrinho
Amizade com Leandrinho pesou na decisão de Alex Garcia pelo Minas. Foto: David Abramvezt/Globo Esporte.com (foto topo: Victor Lira/Bauru Basket)

Resta demonstrar toda gratidão ao jogador, virar a página e deixá-lo nas anteriores, cheias de glórias. O patamar que o Bauru Basket alcançou no basquete internacional se resume a antes e depois de Alex Garcia, o grande líder das conquistas recentes

Fernando Beagá

Vitinho Jacob tira dúvidas sobre Bauru e o mercado basqueteiro

Vitinho Jacob

retranca-bauru-basketComo prometido, após a proveitosa entrevista com o presidente Beto Fornazari, chegou a vez do papo com o diretor técnico Vitinho Jacob. Já há algumas temporadas acompanhando a rotina dentro da quadra, o dirigente traz um relevante olhar sobre o desempenho do time, elucida questões da Liga Nacional (onde também é diretor) e revela algumas curiosidades — pedi a ele para elucidar especulações de anos anteriores. E ainda revelou alguns desejos para o novo elenco, enfatizando que não necessariamente estão em conversas. Enfim, boa leitura garantida!

Como de costume, começamos com o balanço da temporada.
A temporada foi planejada para ser construída aos poucos. Fizemos um primeiro turno muito bom. Da Liga das Américas saímos precocemente, poderíamos estar no Final Four. Ainda mais da maneira que foi: vencemos o Guaros, melhor time do grupo, e acabamos perdendo dois jogos ‘ganháveis’ contra os times argentinos. O primeiro contra os donos da casa, mais empolgados, mas não eram tudo isso; e contra o Estudiantes, estávamos com o controle do jogo e acabamos perdendo. Essa eliminação foi muito dolorida, sentimos muito. Provavelmente, até arrastamos isso um pouquinho pra cá, nosso segundo turno no NBB foi muito abaixo da expectativa, a mudança de calendário foi ruim, as lesões… O sexto lugar [na fase de classificação] foi abaixo das nossas expectativas.”

Aí o trabalho do Demétrius foi de novo contestado. E de novo ele deu a virada nos playoffs e se tornou unanimidade.
As mídias sociais são ingratas. Quando a gente ganha, tudo certo; quando perde, tudo errado. Sempre disse isso, ‘vamos esperar o fim da temporada.’ São três finais consecutivas de NBB e um quase, na última bola. Temos que aprender a absorver as críticas, afinal, os torcedores querem o melhor do time. Mas quando durante os jogos reclamam de uma substituição, por exemplo, não entendem que existe uma estratégia que o treinador monta. Não dá para cinco jogadores atuarem quarenta minutos sem descansar nem fazer faltas. Mas paixão é isso aí. Temos que ouvir o que é bom para ser melhorado e não deixar os elogios subirem à cabeça.”

Dema: permanência mostrou a força do Dragão. Foto: Paulo Fernandes/Vasco

Você é de dentro do vestiário, viaja junto. O que pode falar do perfil desse grupo?
A saída do patrocinador máster [Gocil] atrapalhou muito a montagem do time. Alguns acabaram saindo e houve uma reformulação maior do que normalmente se faz num time campeão. Mas a equipe foi bem montada, dentro das circunstâncias. No início, não ganhou nenhum jogo-chave, mas sabíamos que ia encaixar, mas demorou um pouquinho e gerou certa desconfiança. O grupo se fechou e, com o trabalho da comissão técnica, muita conversa, muito treinamento, as coisas foram se engrenando. Perdemos o Alex…”

Houve situações que o plano de jogo foi alterado em cima da hora…
Num jogo contra Franca, aqui, ficamos sem o Rafal [Hettsheimeir] e o Alex no treino da manhã. Depois jogamos Liga das Américas sem eles. Fomos castigados por isso. Mas o perfil do grupo é vencedor e mostraram isso quando foi preciso. O playoff contra o Vasco foi muito difícil, eles queriam reverter a situação da temporada ruim. Conseguimos nos impor. Contra Franca, tivemos a felicidade de ir bem nos três jogos. E contra o Paulistano, conseguimos jogar no nosso limite, passando dele, até.”

Minha percepção é que o Rafa assumiu a liderança técnica do time, o Duda assumiu riscos (errando ou acertando, não se omitiu) e o Jaú já é uma realidade. Foi por aí?
O Rafa e o Jaú foram bem consistentes mesmo. O Kendall [Anthony] teve mais volume nos playoffs — e assim ele rende mais —, e o Duda e o Isaac fizeram bons jogos alternadamente. A defesa encaixou bem a zona. O Stefano ajudou bem quando entrava. O Shiltão, quando entrava embaixo, resolvia nosso problema na defesa. Ele pontua nos playoffs, é uma característica dele chamar o jogo. O Matulionis é que acabou não rendendo muito.”

Essa ‘experiência lituana’ foi pioneira não só em Bauru, mas na Liga. Mas foi uma adaptação difícil. Europeu nunca mais?
Pelo contrário.”

Pergunto porque já não havia funcionado o Jason Detrick…
A adaptação ao jogo é realmente um problema. Na Europa, é mais cadenciado, cinco contra cinco. Mas nunca mais, não, só temos que ter mais cautela nas próximas escolhas.”

Em relação à Liga, onde você é diretor técnico: qual a tendência para NBB 11, em relação a quantidade de times?
Eram quinze clubes, caíram dois, sobe o campeão da Liga Ouro. Então, a princípio serão quatorze. A Liga vai ter um período, normalmente até o final de julho, para os clubes apresentarem as garantias financeiras. Quando há duas divisões, não pode mais haver convites.”

E como o Caxias, rebaixado no NBB 9, pôde disputar?
Isso aconteceu naquele momento em que a CBB [Confederação Brasileira de Basketball] havia pedido para organizar a segunda divisão. A Liga cedeu, mas a CBB acabou não organizando. Foi uma sorte tremenda do Caxias nesse meio tempo. Como a Liga iria deixar um filiado disputar um campeonato que era um incógnita?”

Então, não haverá convites no NBB 11?
Convite não pode. Veja bem: a Liga pode decidir que o campeonato terá vinte times, por exemplo. Mas existe um critério: a classificação da Liga Ouro, do primeiro ao nono, depois Campo Mourão e Liga Sorocabana [os rebaixados do NBB 10]. Tem que seguir essa ordem. Como entrar outro clube? Comprar uma franquia que está no NBB.”

Então a Universo (que estava com o Vitória) é a bola da vez?
Exatamente! Tem a vaga e vive uma indefinição. Se eu tivesse um time e quisesse disputar o NBB, procuraria a Universo.”

Alguma chance de mudança em relação a ajuda de custo da Liga para os clubes?
A Liga foi criada há dez anos já com o intuito de dar subsistência aos clubes, pagar todas as despesas operacionais e os clubes só arcarem com a folha de pagamento. Isso é um sonho e um objetivo da Liga que até hoje não foi possível. A cada ano aumenta a receita, mas não é suficiente. Se a Liga fosse dar um milhão de reais para cada um dos quinze clubes, o que dá menos de cem mil por mês, daria quinze milhões de orçamento só para isso. Mas num futuro próximo isso poderá acontecer e poderemos evitar que clubes acabem. Esse é o objetivo.”

Voltando ao Bauru Basket. A final, se chegasse, seria em Araraquara. Por pelo menos mais um NBB o Gigantão continua na manga?
Araraquara nos acolheu muito bem, assim como Marília. A vantagem lá é que não é preciso transportar piso, o ginásio está pronto. Para as próximas oportunidades, sempre temos que conversar, enviar nova solicitação.”

Sobre o ginásio do Sesi em Bauru, há mais alguma história de bastidores? Como você soube da novidade?
Fiquei sabendo na apresentação do Skaf [presidente do Sesi], lá na sede da OAB. É fantástico ter um ginásio de alto nível, até mesmo para receber seleção brasileira, jogos internacionais, até amistosos da NBA… E finais nossas, finalmente!”

Demétrius deve ter balançado com a proposta do Flamengo, certo? Mas o mais importante disso foi mostrar o tamanho do Bauru Basket. O Dema já estava em um time grande.
Exato. O Flamengo está no Rio de Janeiro, tem torcida gigante e tem poder financeiro monstruoso. Deve ter seduzido muito, financeiramente e pela proposta de trabalho, envolvendo categorias de base. Mas nos alegra muito saber da credibilidade que conquistamos, a evolução ao longo dos anos.”

E o Dema dialoga com a base aqui também, através do Germano. Lançou Jaú, Maikão… O que esperar dos meninos na próxima temporada?
Normalmente montamos o time com oito a dez adultos e completamos com o sub-19. Temos uma molecada boa subindo, Pará, André, João Marcos, que já estão no principal, o Emanuel, o Rafael e o Malaquias…”

Mais uma vez começará o Paulista com a molecada? Ou a Sul-Americana em setembro muda esse planejamento?
Como saímos precocemente do NBB, podemos começar os trabalhos antes e iniciar o Paulista com o time principal. Mas seremos novamente ‘atrapalhados’ pela seleção: o Jaú, o Maikão e o Samuel foram convocados para a sub-21 para o Sul-Americano, que acaba no meio de julho. E na seleção principal, seguramente jogadores do nosso elenco serão convocados.”

Você mencionou o Maikão. Em que pé está essa relação?
Houve contratempos, imaturidade dele e falha de comunicação de ambos os lados. Ela agora está na Itália, no camp em Treviso, mas quando voltar vamos sentar e conversar. Eu acredito que o Maikão vai ficar por aqui. É um feeling meu, não posso cravar porque não depende só de mim. Confio muito que fique e tem tudo para fazer uma temporada exemplar.”

Stefano e Maikão: chances de permanecer no Dragão. Foto: Divulgação Fiba

Você ainda participa das negociações com os jogadores?
Eu, Beto e Demétrius conversamos sobre as opções para o time, planos A, B, C… Agora, as negociações financeiras são somente com o Beto. ”

Para esclarecer para o público que gosta de acompanhar o mercado: qual a diferença entre sondagem e proposta?
É bem diferente. Fale um jogador aí…”

Betinho e Renato Carbonari.
Betinho não existiu nem sondagem. Já o Renato estava em Bauru. Perguntei ‘Qual sua intenção para o próximo campeonato? Interessaria jogar em Bauru?’ Ele disse que sim, eu disse que ia conversar internamente e fazer uma proposta. Mas não deu tempo [nota do editor: Renato deve ser anunciado no Pinheiros quando seu contrato com o Vasco acabar]. Essa é a diferença de sondagem e proposta. Você pergunta para o jogador quais os planos dele, se ele pretende mudar, se não tem mais contrato. Temos por costume aqui não abordar jogador que tem contrato em andamento.”

É nessa hora que entra a sondagem? Tipo, quando acabar o contrato a gente conversa…
Isso. O primeiro contato do Flamengo com o Demétrius foi perguntar quando acaba o contrato com o Bauru. Ele respondeu ‘Está acabando agora’ e o Flamengo: ‘Podemos conversar?’. Assim que funciona. Eu sondo o jogador e passo o contato do agente para o Beto, que começa a negociação financeira.”

Topa matar a curiosidade de especulações do passado, se Bauru realmente negociou ou não?
.”

Fúlvio.
“Sempre!

Danilo Siqueira, ano passado.
Esteve muito próximo. Esse menino tem um talento muito grande.”

Aquela história curiosa do Laprovittola, para inflacionar o mercado…
Foi uma sondagem.”

O trio do fim de Limeira: David Jackson, Ronald Ramon e Deryk.
Nunca houve conversa. O Deryk foi uma vontade, mas não houve nada, nenhuma negociação. Daquele time, o Rafael Mineiro, sim, tivemos a intenção de trazer.”

E sempre se falava de gringos famosos de times da América Latina. Trey Gilder, Marcos Mata, Justin Keenan…
Esses estrangeiros sempre foram tiro n’água. Nunca houve conversas.”

É outra realidade salarial?
Tem de tudo. Alguns dentro da realidade, mas em dólar não dá nem pra conversar.”

Vitinho e Larry
Celebrando título com Larry, “roubado” de Bauru por Shamell. Foto: Caio Casagrande

Shamell: sempre houve o fator Larry. Verdade que ele já se ofereceu para o Bauru?
Via Larry. Mas faz tempo. O Larry dizia ‘Vamos trazer o Shamell, quero jogar com ele.’ Aconteceu mais de uma vez. Eu conversei uma vez com o Shamell, acho que estava no Pinheiros. Ele perguntou quanto eu ia pagar, eu disse que não ia falar de dinheiro com ele naquele momento. ‘Então não vamos conversar’, ele disse. Levantei e saí. Mas hoje ele é um grande amigo, até brincamos sobre isso. Foi questão de montagem de equipe na época, não tenho nada contra. Mas eu não imaginava que ele ia roubar o Larry!

Robert Day tentaram todo ano, até conseguir?
Foram vários anos seguidos. Boracini também, Valtinho, vários…”

O Day cativou demais, né? Ainda mantém contato?
Está no grupo de WhatsApp do time ainda! Converso bastante com ele. Dia desses ele jogou um campeonato de veteranos, deu show. Os filhos estão competindo, são esportistas natos.”

O amigo Day matou recentemente a saudade de competir. Foto: Reprodução

Se o Corinthians subir, essa conversa de seduzir os jogadores corintianos faz sentido?
Pode ser um critério de desempate entre propostas boas financeiramente e de qualidade das equipes. A camisa, jogar para a fiel, essas coisas… Mas não acredito que isso seja critério para jogador abrir mão de salário ou de qualidade de equipe. Pelo contrário, é segundo plano.”

Todo ano o Hettsheimeir fica em evidência, vira novela, mas o fator Bauru pesa. Será que dessa vez vai ser diferente?
É uma opção dele. Obviamente temos muito interesse, mas é uma questão de sobrevivência da equipe. Mais uma vez ele vai ter que avaliar a comodidade de estar instalado por aqui. O time vai fazer o máximo que estiver ao alcance para que ele permaneça.”

Ricardo Fischer e Jefferson William têm portas abertas no Bauru Basket ou ficou alguma rusga?
“Os dois têm portas escancaradas. Nenhum jogador saiu de Bauru com as portas fechadas. O caso do Ricardo foi imaturidade na época. Mas é um moleque bom, esforçado. E craque de bola! Tanto com ele quanto com o Jé temos bom relacionamento, muita resenha. Teriam espaço no time sem sombra de dúvidas. Aí seria questão técnica e financeira. De resto, portas abertas.”

Jé e Ligeirinho: portas escancaradas. Foto: João Pires/LNB

O Beto admitiu (ao Basquete 360) interesse no Lucas Mariano. E o ala francano Pedro, que também tem sido comentado?
Ambos são jogadores que têm espaço no Bauru, sim. Não vou falar sobre proposta, mas sem dúvida eu gostaria de ter no elenco.”

Mais uma vez o calcanhar de Aquiles da montagem do time será o ala 3 pontuador?
Não tem, né?”

O caminho será novamente um gringo?
Depende da montagem, das características do time. Mas o Jaú está se desenvolvendo para ser um pontuador. Se pudermos trazer um arremessador nato, ok, mas não é sangria desatada.”

O Gui Santos teve contrato renovado durante a recuperação, para se recuperar com tranquilidade?
Sim, está tudo certo.”

A história dele lembra a do Felipe Vezaro. Um enorme potencial atrapalhado por lesões.
Foram situações diferentes, mas infelicidade enorme de ambos. O Felipe também é um menino muito bom, esforçadíssimo. O Gui também. Ele é muito forte, um cavalo. Um mini Alex! Ele ainda vai jogar e muito bem pra gente. Ouvimos muita besteira, de que machucou de novo porque é fraco ou por cirurgia malfeita. Os exames estavam perfeitos, musculatura equilibrada. Foi uma fatalidade, levou uma pancada e estourou o ligamento. A expectativa é que possa voltar em alto nível, porque é um moleque talentosíssimo e muito forte fisicamente. ”

Por falar em moleque talentoso, eu torço muito pelo Stefano. Não há possibilidade de ele se naturalizar e assim abrir uma vaga de estrangeiro?
O pai dele trabalha nisso faz tempo. Existe uma regra do Mercosul de Residência Permanente que pode ajudar. Mas, independentemente disso, ele tem espaço no nosso time ainda. Depende da montagem do elenco. Se trouxermos dois armadores, nem ele vai querer ficar. Pela idade dele, precisa jogar. Mas é um menino em quem investimos faz tempo e já começou a dar resultado. E que tem um potencial muito grande. Está em desenvolvimento, um armador amadurece com 24 anos. Sem dúvida será um jogador de ponta.”

Mas uma saída não seria mais empréstimo?
Hoje ele é profissional. Já passou o momento da transição da base para o adulto. Vai depender da composição do elenco. Eu gostaria de contar com ele.”

A comissão técnica pensa no Gui Santos na posição 1 ou 2?
Dois-um. Segundo lateral ou terceiro armador, algo assim. Na formação do elenco, conta como um dos três armadores.”

Diante disso, tanto Anthony quanto Stefano ainda não dá para cravar a permanência.
Qualquer situação. A espinha dorsal do time ainda é pequena, três atletas. Esperamos ter novidades logo, fechar com alguns jogadores, justamente para ter tranquilidade nesse planejamento.”

A intenção é ir colando as figurinhas? Nada de anunciar pacotão e matar a torcida de ansiedade…
Isso. Ir completando o álbum o quanto antes!”

Bauru x Franca: é só o começo!

Bauru x Franca - Campeonato Paulista 2017

retranca-bauru-basket(Direto da Panela) Que jogo, amigo, diria o poeta ao microfone. Na emoção, certamente. Quem foi à Panela de Pressão, mesmo a maioria que saiu com o gosto da derrota, não se arrependeu. Com o cronômetro marcando menos de dois segundos para o fim, a certeza da vitória após a épica cesta de três de Alex Garcia se transformou na perplexidade de ver Alexey anotar uma bandeja nessa pequena fração de tempo e decretar a vitória de Franca no segundo clássico desta temporada, por 65 a 64.

Desfeita a emoção, a constatação: o que se viu nessa quente noite de domingo está longe do que ainda veremos nos encontros entre essas duas equipes nesta temporada. O placar baixo do primeiro tempo comprova o déficit técnico do jogo: 28 a 25! Muitos erros dos dois lados e jogadores que deveriam ser protagonistas (como o agora francano Jefferson e o bauruense Anthony) tiveram atuação apagada.

Numa situação de maior entrosamento e com todos no mesmo nível físico, o Dragão não deverá depender tanto de Alex Garcia. O Brabo, em atuação monstruosa, carregou o time nas costas — principalmente porque Anthony  ficou precocemente pendurado em faltas e ainda está aprendendo jogadas com Alex e o estreante Hettsheimeir.

No meio disso tudo, um saldo positivo: a atuação de Stefano. Com cada vez mais personalidade, o Boludinho tem encarado as defesas adversárias — o que foi aquela bandeja no último quarto?! Há semanas, na Live do Canhota (hoje tem!), o pessoal tem me perguntando sobre um reserva para Anthony. E venho falando: confiemos no argentino. Não se traz um garoto de outro país quando tinha 16 anos se não for para essa maturação trazer resultado. Chegou a hora da colheita.

Sobre os últimos instantes, épicos, vale ressaltar a frieza de Alex na bola de três e, principalmente, o fato de que ele foi do céu ao inferno e admitiu o erro no lance derradeiro, a cesta de Alexey. Entretanto, por mais que o basquete seja decidido assim, em um lance, a somatória do placar é que leva a esses momentos. E ficar sem pontuar nos primeiros três minutos do quarto período foi o que decretou a derrota bauruense.

Se alguém está preocupado com a derrota no clássico, é cedo, minha gente. Franca estava sem Léo Meindl e João Pedro, enquanto Bauru está em pré-temporada com a bola quicando, digamos assim. A medição de forças até aqui foi com a balança em desnível, isto é, ainda não conhecemos a real dos dois times. Porque Rafael Mineiro e Gruber jogam muito mais do que esses rascunhos que estiveram na Panela ontem, igualmente Jaú e Shilton podem ajudar muito mais do que o pouco que fizeram no clássico.

 

Bauru x Franca - Campeonato Paulista
Alex Garcia: partidaça. Fotos: Victor Lira/Bauru Basket

Abre aspas

A seguir, áudios de algumas entrevistas colhidas no pós-jogo.

Alex fala dos instantes finais e do momento do time:

 

Hettsheimeir comenta seu retorno e o confronto com o amigo Jefferson William:

 

Demétrius avalia a partida e avisa que há muito a fazer:

 

Jefferson: “Tenho uma história aqui que não dá pra apagar”

 

Numeralha

Alex Garcia: 28 pontos, 13 rebores, 5 assistências, 1 toco
Hettsheimeir: 8 pontos
Stefano: 7 pontos, 3 assistências
Renan Lenz: 6 pontos, 4 rebotes, 2 tocos
Anthony: 5 pontos
Maikão: 4 pontos, 5 rebotes
Isaac: 4 pontos, 2 rebotes, 2 assistências
Jaú: 2 pontos
Shilton: 3 rebotes

Gocil Bauru Basket e o desafio de jogar sem Alex Garcia e Léo Meindl, contundidos

retranca-bauru-basketEles saíram durante a partida contra o Paulistano, foram direto para o gelo, mas nenhuma cautela poderia evitar o que foi confirmado nesta quinta: Alex Garcia e Léo Meindl vão ficar fora por um bom tempo. O capitão teve uma ruptura ligamentar no dorso do pé direito. Já o camisa 23 sofreu uma entorse no tornozelo direito, também com ruptura de ligamentos. Meindl volta primeiro, em quatro semanas — deve perder de cinco a seis partidas, voltando até a nona rodada. Já o Brabo, só em 2017, após seis semanas de recuperação — pelas contas, voltaria na 12ª rodada, contra Franca, dia 7/jan.

Justamente na temporada em que o Dragão se mostra mais dependente de Alex. O camisa 10 chamou a responsabilidade nas finais do Paulista, contra Mogi, e na estreia deste NBB, contra o Flamengo, anotou 30 pontos. No estadual, alías, ele pontuou acima de sua média história. E Léo Meindl vê adiada a oportunidade de assumir o protagonismo como ala pontuador, o que tanto se espera dele.

Gui: responsa pra ele
Gui: responsa pra ele. Foto: Caio Casagrande/Bauru Basket

E para quem sobra a responsabilidade de suprir essas ausências: Gui Deodato. Claro, ele não vai jogar pelos dois, mas ainda bem que voltou a Bauru. E bem. Está com excelente média de 17,3 pontos nos três primeiros jogos e todos sabem que tem fôlego para jogar uns 60 minutos direto. Outro nome que ajudaria nesse enfraquecido revezamento seria Léo Eltink, mas a lombalgia do camisa 8 é séria.

Sendo assim, é provável que o técnico Demétrius em alguns momentos escale Gegê na escolta, ao lado de Valtinho; ou, mais ousado, use Jefferson na posição 3, deixando o garrafão para Hettsheimeir e Shilton. Isso considerando apenas os adultos. A molecada vai ter que jogar, não tem jeito. Tanto que mais dois foram inscritos, exatamente alas: Gui Bento e Henrique Cerimelli.

EM SOROCABA

O primeiro degrau dessa penosa subida com o time desfalcado será nesta sexta (18/nov), às 20h, fora de casa contra a Liga Sorocabana — que, acredite, está invicta em dois jogos. Já foi o tempo que era jogo ganho. E tudo isso depois da derrota feia para o Paulistano, que irritou a torcida. Os bauruenses terão que ser mais guerreiros do que nunca.

 

Fotaça do topo: Reprodução/Torcida Fúria

Real Madrid campeão, mas Paschoalotto Bauru arranca aplausos e ganha respeito

retranca-intercontinental(Direto do Ibirapuera) Assim que assumi meu posto, fui dar aquela circulada pelos bastidores. Vejo o estafe bauruense concentrado, sem euforia e pergunto ao gestor Vitinho Jacob como estava o time no vestiário. “Com os pés no chão”, resume. E assim jogaram. Depois de um início vacilante, logo os guerreiros entraram no jogo e não saíram mais, como evidenciaram as parciais dos últimos três períodos. Do outro lado, estava a maior equipe do mundo Fiba, mordida com a derrota de sexta-feira — quebraram o vestiário, soube-se. O abatimento ao fim dos 91 a 79 para o campeão Real Madrid era nítido nos rostos dos jogadores do Paschoalotto Bauru, exatamente porque perceberam que dava pra vencer. Que Golias virou Dragão faz tempo.

BOLA QUICANDO
O já esperado início mordido do Real Madrid se concretiza. Buscando o embate físico e dificultando o chute bauruense, os merengues abrem 12 a 0 na metade do primeiro quarto — o Dragão só pontua a 4min55, em lance livre de Alex. Léo Meindl e Rafael Mineiro entram para dar mais força e o jogo começa a fluir: bolas de fora do Ligeirinho e do Canela colocam os campeões da América, finalmente, no páreo. Mas, quanto mais franco é o jogo, mais o Madrid explora a transição, comandada por Carroll. Assim, os merengues fecham o primeiro quarto com boa vantagem, 24 a 15.

Quem esperava que a diferença seria ampliada, o Paschoalotto equilibra, empatando a exatos 5min do intervalo numa cravada de Rafael Mineiro que balança o Ibirapuera. A vantagem madrilenha virou fumaça a partir de uma boa defesa do Brabo que ele mesmo concluiu bandejando, depois Mineiro deu tapinha, Léo Monstro guardou de fora e, aí sim, a enterrada do camisa 15. Nervosos e cometendo muitas violações, os campeões europeus não param de reclamar da arbitragem, sobretudo o barbudo Sérgio Rodríguez, eliminado com duas faltas técnicas. Isso faz o time de Pablo Laso acordar, ser dominante nos rebotes e empatar a parcial (25 a 25), mantendo os nove pontos de vantagem (49 a 40).

A volta não poderia ser melhor, com bola de três de Alex. Ricardo aparece para o mundo do basquete conduzindo o time bem demais, ora infiltrando, ora encontrando o chute equilibrado, como o de Day a 4min do fim. Tudo empatado a 2min, a galera em êxtase, empurrando os guerreiros. E minha mão suando no teclado, pois basta bobear e os caras abrem seis pontos… (61 a 55). A bola que Hett perde embaixo da cesta é sintomática do mal momento no fim do período. Outra parcial igual (17 a 17) e o Madrid administra a dianteira (66 a 57).

Chegada a hora da verdade, aumenta a tensão, aumentam os choques. Hettsheimeir explora bem o semicírculo dentro do garrafão e atropela Nocioni. Alex fica mais Brabo e se impõe embaixo da cesta. E também guarda triplo! A 7min do fim, cinco pontos atrás e muito jogo pela frente. Mas… Thompkins e Llul acertam a mão de fora também e obrigam o Dragão a pedalar. Surgem chutes afoitos, Ayón segue absoluto nos rebotes. Ouve-se inclusive com mais volume a colônia espanhola na arquibancada. O Dragão tenta, Ligeirinho se entrega o quanto pode, o homem da tarde ao lado de Alex Garcia. Valorosos, os guerreiros são aplaudidos. O Real dá um sprint, fecha a fração em 25 a 22 e partida em 91 a 79.

NUMERALHA
Ricardo Fischer: 26 pontos, 5 rebotes, 6 assistências
Rafael Hettsheimeir: 17 pontos, 6 rebotes
Alex Garcia: 14 pontos, 4 rebotes, 3 assistências, 2 roubos de bola
Léo Meindl: 9 pontos
Rafael Mineiro: 8 pontos
Robert Day: 3 pontos, 2 rebotes
Paulinho Boracini: 2 pontos

 

Entrevistas e bastidores logo vêm! Valeu, Dragão!