Categorias
Bauru Basket

Vaga pertinho: Paschoalotto Bauru mostra sua força em vitória sobre o Defensor

(Direto da Panela) A vitória dos uruguaios sobre Brasília na terça-feira foi um aviso: vinha jogo encardido pela frente. Foi um primeiro tempo estudado, com alternâncias e a superioridade técnica e física do Paschoalotto Bauru só deslanchou, mesmo, a partir da metade do terceiro quarto. O Dragão venceu o Defensor por 94 a 80 e só não se classifica para a segunda fase se acontecer uma catástrofe na quinta-feira: perder por 20 ou mais pontos para os candangos.

Ao contrário da partida da estreia, os donos da casa jogaram com intensidade, com  raros cochilos e só não venceram com mais folga porque a mira estava descalibrada no primeiro tempo. Quando as feras resolveram jogar, o jogo encardido se transformou em vitória tranquila. entre os tantos destaques do jogo (cinco jogadores pontuando em dois dígitos), Larry Taylor merece menção especial por mostrar que ainda tem magia em sua cartola de outro planeta.

O Dragão fecha o grupo D da Liga Sul-Americana 2014 contra Brasília, nesta quinta, 23/out, às 20h. Promessa de Panela cheia.

O JOGO
Com paciência na troca de passes e aproveitando a mão descalibrada do Dragão, o Defensor conseguiu abrir vantagem no placar, achando o homem certo para chutar ou deixando por conta da individualidade expolosiva do ala Anthony Danridge. Com Larry e Day no lugar de Ricardo e Gui — até então zerados –, uma tímida reação no final já foi suficiente para diminuir o preju: 15 a 22.

No segundo período, a defesa funcionou, o contra-ataque encaixou e os bauruenses conseguiram virar a partida, com Larry e Jefferson principalmente. Não fosse o baixo aproveitamento de chutes de fora (3-16 no primeiro tempo, 19%), seria possível abrir vantagem. Novos chutes errados e a reação uruguaia no final resultaram no empate: 45 a 45 (parcial de 30 a 23).

O terceiro quarto começou amarrado e marcava apenas 4 a 2 a 6min do fim. O Defensor cadenciava e errava, o Dragão corria e encontrava o aro. Mas, aos poucos, soube explorar as faltas, acertar os lances livres e, principalmente, confiar a Alex o protagonismo do período. Ao diferença de oito pontos foi fundamental para abrir o caminho para a vitória: 67 a 59 (22 a 14).

O último ato começou com espetáculo de Hettsheimeir. O camisa 30 infiltrou, cobrou lance livre, guardou de fora. Jefferson e Day ajudaram a estabelecer a diferença para encaminhar a vitória, a ser administrada nos 4min finais — por mais que os uruguaios não desistissem, com Cabot e Dobbins ajudando Danridge nos tentos. O Alienígena fez o que quis no garrafão uruguaio e o saldo construído valerá muito para uma quinta-feira tranquila.

NUMERALHA
Rafael Hettsheimeir: 21 pontos, 9 rebotes
Alex Garcia: 19 pontos, 7 rebotes, 3 roubadas
Larry Taylor: 18 pontos, 4 rebotes, 5 assistências
Jefferson William: 15 pontos, 8 rebotes
Robert Day: 10 pontos, 3 rebotes, 3 assistências

ABRE ASPAS
“A gente sofreu um pouco no começo. O time deles é organizado e mexe bastante a bola. Mas a partir do terceiro quarto jogamos nosso jogo, acertamos contra-ataque e fizemos tudo bem. Foi uma boa vitória. Eu estava focado na defesa que a gente treina bastante e os pontos vêm naturalmente”, disse o cestinha Rafael Hettsheimeir.

“Amanhã vai ser complicado, pois os jogadores de Brasília nos conhecem. Nós os conhecemos também. Acho que vai ser igualado. Pra mim está difícil ficar de fora, é terrível, fico no cantinho, quieto, vendo o jogo. Mas todo o meu esforço para me recuperar vai compensar depois”, comentou o “torcedor” Murilo Becker, que confirmou que só deve voltar mesmo no NBB, para se recuperar bem, sem precipitação.

“Poderíamos ter feito uma vantagem maior, se tivéssemos mantido uma defesa mais agressiva. Mas o importante foi a vitória. Agora é pegar Brasília. Nossa equipe conhece os jogadores deles. Estão jogando diferente do que jogavam comigo e com o Nezinho e a comissão já filtrou para passar informações pra gente”, disse o ex-candando Alex Garcia, craque do jogo.

“Foi bem diferente do primeiro jogo. Quando conversei com os jogadores, o Alex até comentou que os colombianos não exigiam pegada. Mas comissão técnica temos que alertar sempre. São jogadores que sabem de suas responsabilidades e têm de onde tirar. Hoje enfrentamos um adversário duríssimo e só vencemos por ter minado o adversário com revezamento. O Alex fez uma função tática muito importante para descansar o Jefferson. O time inteiro trabalhou muito e construímos essa vitória, inclusive com uma pontuação decisiva do Larry”, avaliou o técnico Guerrinha.

Categorias
Bauru Basket

Paschoalotto Bauru estreia com vitória tranquila, até demais…

(Direto da Panela) A princípio, tudo dentro do combinado: abrir vantagem, descansar as feras, dar minutos aos meninos. Foi assim que o Paschoalotto Bauru venceu o Guerreros-COL por 88 a 63 e saiu na frente no grupo D da Liga Sul-Americana 2014. Mas o técnico Guerrinha não gostou nada do que viu… “Não estou satisfeito. Pelo placar, sim, pelo descanso dos jogadores, sim. Tivemos só alguns momentos, mas não aproveitamos o jogo. Entendo e respeito que é difícil jogar contra um adversário muito fraco do outro lado, mas o torcedor não tem nada a ver com isso. Nós treinamos duas vezes por dia. Tem que jogar forte”, cravou o treinador.

De certa forma, a fala do ala Robert Day corrobora a opinião do chefe. “Queremos ganhar para a torcida, houve momentos em que jogamos certo, mas temos que melhorar, ficar mais organizados. Hoje estava bagunçado”, comentou o camisa 31.

Por “momento em que jogamos certo”, entenda-se o primeiro quarto. Um atropelo de 30 a 14, com o cinco contra cinco bem construído, troca rápida de passes e defesa atenta. O segundo período foi arrastado, com placar baixo (15 a 9) e clima de amistoso. Na volta do intervalo, os bauruenses aceleraram novamente para garantir uma diferença confortável, fazendo boa fração em 28 a 19 – mas os 19 pareceram demais. Para finalizar, grande parte do último quarto foi jogado pelo quinteto Carioca, Gui Deodato, Léo Eltink, Gabriel e Wesley Sena. Com exceção do Batman, era o time sub-22 que logo estreia na Liga de Desenvolvimento. Eles perderam o período (15 a 21), mas ganharam experiência.

NUMERALHA
Ricardo Fischer: 19 pontos, 4 rebotes, 7 assistências
Gui Dedodato: 19 pontos, 4 assistências, 3 roubadas de bola
Rafael Hettsheimeir: 11 pontos, 7 rebotes
Alex Garcia: 10 pontos, 6 rebotes, 4 assistências

ESTREIA DE GENTE GRANDE
O jovem pivô Wesley Sena finalmente estreou no time principal do Bauru, depois de se recuperar de uma fratura no pé. Ele cravou, errou, se precipitou e acertou, tudo dentro do universo de uma estreia. “Entrei meio nervoso, mas fui me soltando. Acho que pude ajudar o time e espero entrar e ajudar bastante nos próximos jogos. É importante começar num torneio desses, é uma visibilidade muito grande”, comemorou o camisa 19, que fechou a partida com seis pontos, um rebote, duas assistências e duas roubadas de bola, em 17min32 em quadra.

RECADO DE GUERRINHA
A baba colombiana passou, a vitória veio sem entusiasmo, agora é encarar as pedreiras do restante desta semana e, claro, da próxima. “Sou da teoria que segunda-feira de manhã é final de campeonato, é guerra. Vou passar isso pra eles, mas eles são experientes, sabem disso. Poderiam ter feito mais. A gente está num momento de decisão, temos que nos preparar mentalmente para o Paulista”, avisou Guerrinha.

DECISÃO CONTRA O DEFENSOR
O Defensor venceu Brasília no jogo de abertura por 107 a 99, na prorrogação, e faz nesta quarta, em Bauru, um jogo crucial para o Dragão, pois claro que os candangos deverão vencer os colombianos e chegar no terceiro dia em condições de classificação – e o Defensor chegará no mínimo a duas vitórias, pois também deverá bater o Guerreros na quinta. Excluído o “café com leite do grupo”, a decisão começa hoje para Bauru.

QUE BANCO É ESSE?
Clique sugerido pelo Gilmar Barros, pedi ao assessor Henrique Costa (a foto do topo também é dele) a gentileza e aí está um registro incrível: essas seis feras no banco de reservas. E ainda havia Murilo, contundido, na plateia…

Categorias
Bauru Basket

Paschoalotto Bauru estreia na Sul-Americana 2014, primeiro passo para as ambições internacionais

É hoje. Às 20h, no ginásio Panela de Pressão, começa a trajetória internacional do timaço que o Paschoalotto Bauru montou para as próximas quatro temporadas. Contra o Guerreros, da Colômbia, os comandados por Guerrinha iniciam uma caminhada que, sem exageros, pretende chegar à decisão intercontinental e, por que não, participar da pré-temporada da NBA. Se o lema do time é cabeça nas alturas — com os pés no chão –, o caminho é esse mesmo e com esse elenco é possível sonhar.

Do grupo D, sediado na Cidade Sem Limites, sairão os últimos dois classificados para a próxima fase da LSB 2014. Já estão classificados os brasileiros Mogi e Limeira e Malvim-URU, Comunikit-EQU e os argentinos Boca Juniors e Argentino de Junin.

Os outros componentes da chave abrem os trabalhos às 17h45: o reformulado Brasília enfrenta o Defensor, do Uruguai. Os candangos, novamente treinados por José Vidal, contam com Giovannoni e Arthur como principais remanescentes e têm o reforço do armador Fúlvio e do pivô Cipolini. Os uruguaios são outro time em relação ao que visitou Bauru ano passado, mas seguem dependendo de gringos.

FOCO NA ESTREIA
O ala Gui Deodato alerta para que a estreia contra o time mais fraco do grupo não atrapalhe os planos do elenco. “Independentemente do adversário, nosso ritmo tem que ser o mesmo. Jogar com um time teoricamente mais fácil pode trazer coisas boas e ruins. Podemos começar o jogo muito forte, abrir vantagem e deixar de testar algumas coisas por causa da facilidade. Mas temos que aproveitar para rodar quem está jogando menos”, comentou o Batman.

BOLA DIFERENTE
Durante essas duas semanas de trabalho, o Dragão treinou com a bola da Sul-Americana, da marca Molten, que é bem diferente daquela usada no Paulista (Penalty) e mais parecida com a que será usada no NBB (Spalding). Não é frescura, o material faz toda a diferença. “Faz muita diferença, por causa do peso da bola. A Penalty é mais pesada e maior, a Molten é menor e o couro é diferente. A Spalding tem o mesmo peso da Molten, mas muda o couro. Essa foi a primeira vez que eu treinei muito tempo com a Molten para um torneio e isso ajuda bastante. Acho que vamos sentir a diferença na hora de mudar para o Paulista, porque a Molten é uma excelente bola e a Penalty deixa a desejar. Mas jogador tem que se adaptar rápido e passar por cima de tudo”, disse o ala-pivô Jefferson William.

PAULISTA LOGO ALI
O técnico Guerrinha quer foco total dos jogadores na competição continental, mas o planejamento dele envolve a decisão estadual. E isso passa pela competência em quadra para construir placares e diminuir os minutos das feras. “A gente espera ter um bom desempenho na Sul-Americana para revezar nesses três jogos. Precisamos ganhar os jogos e, se abrirmos diferença, vamos revezar. Claro que o saldo interessa para o último jogo, mas principalmente temos que jogar pensando nas finais do Paulista. Jogando em casa, com a equipe que nós tempos, temos que passar em primeiro”, avaliou.

A partida entre Bauru e Guerreros terá transmissão ao vivo do Jornada Esportiva (e na Auri-Verde 760AM) e no SporTV3 – o canal fechado também transmitirá Brasília e Defensor.

 

Foto: Henrique Costa/Bauru Basket

Categorias
Bauru Basket

Após vencer amistoso, Paschoalotto Bauru está pronto para a Sul-Americana

Depois de duas semanas de “intertemporada” e treinamento intenso, o Paschoalotto Bauru encerrou sua preparação para a Liga Sul-Americana (e a final do Paulista) vencendo a Liga Sorocabana em amistoso na Panela de Pressão, por 90 a 75. A partida serviu para o técnico Guerrinha testar formações e a equipe executar as jogadas combinadas nos últimos dias.

A equipe jogou com intensidade, simulando de fato uma partida disputada, apesar da fragilidade dos sorocabanos, que dominaram apenas o último quarto, quando os guerreiros desaceleraram. Robert Day foi o cestinha, com 17 pontos, seguido de Alex Garcia (13), Jefferson (11), Hettsheimeir e Mathias (9).

ABRE ASPAS
“Nos treinos da semana, a gente colocou bastante intensidade, como se fosse jogo. E no amistoso colocamos na prática para testar algumas formações. Dividimos bastante o tempo de quadra, o que é importante, pois todos vão precisar desse tempo. Foi uma ótima simulação do que vamos encarar na Sul-Americana”, comentou o ala Gui Deodato.

“Foi muito positivo, depois de vários dias de treinamento forte, esse ritmo de jogo pra gente soltar e ver como o time está. O time se comportou superbem e agora é cabeça na Sul-Americana. Dentro de casa, vamos forte para a classificação”, disse o ala-pivô Jefferson William.

“A gente pôde trabalhar, pela orientação do Bruno na parte física, no máximo 25 minutos alguns jogadores e outros, 20. Então, jogamos com limitadores. Dentro disso fomos revezando, isso às vezes mexe quando está indo bem. O último quarto foi em função do calor e do placar. Achei que eles jogaram muito forte para um amistoso. A única coisa que não consegui fazer foi colocar o Jefferson na função 3, mas deu para revezar, inclusive os meninos”, avaliou o técnico Guerrinha.

RINALDO, SEMPRE ELE
O treinador da Liga Sorocaba é sempre uma atração à parte. Durante os pedidos de tempo, soltou algumas pérolas. A melhor delas: “Façam de conta que é Pinheiros ou São José. Vocês estão se borrando para os caras!”. No intervaldo da partida, Rinaldo ainda protagonizou um tombo de cinema, ao escorregar na poça de suor dos jogadores.

#TAMOJUNTO
Ele ainda não tem condições de jogo, mas veste uniforme e fica junto dos colegas no banco. O pivô Murilo Becker segue sua recuperação de uma inflamação no tendão patelar do joelho esquerdo. Durante a partida, ele fez trabalhos de alongamento e fortalecimento, sob orientação do fisioterapeuta Rogerinho Lourenço. O camisa 21 segue lutando para conseguir voltar nas finais do Paulista.

OUTUBRO ROSA
A equipe disputou o amistoso com o uniforme especial, na cor rosa, retomando a tradição de temporadas anteriores. A roupa, entretanto, só deverá voltar a ser usada no jogo 3 das finais do Paulista — e no jogo 4, se houver. Em Limeira, nos jogos 1 e 2, o time deverá jogar de azul, pois normalmente o mandante joga de uniforme claro. Para a Liga Sul-Americana, há uma vestimenta específica, pois só é permitido um patrocinador estampado, a Paschoalotto (máster).

Guerreiros engajados no Outubro Rosa. Foto: Henrique Costa/Bauru Basket
Guerreiros engajados no Outubro Rosa. Foto: Henrique Costa/Bauru Basket
Categorias
Bauru Basket

Limeira estreia na Sul-Americana: decisão do Paulista começa hoje

Acabou o recesso pós-semi do Campeonato Paulista para o primeiro dos finalistas: o Winner Limeira estreia hoje na Liga Sul-Americana, no grupo C, contra o Argentino de Junin-ARG, em Montevidéu. Apesar de o foco de limeirenses estar na competição continental, é inevitável pensar nas consequências dos próximos 15 dias para a decisão estadual — o Paschoalotto Bauru estreia semana que vem no grupo B, sediado na Sem Limites. Há alguns fatores que influenciarão:

Nível internacional: enfrentar adversários de outro país sempre acrescenta, seja pela catimba, pela diferença de ritmo. Ninguém sai indiferente de uma competição internacional. E Limeira vai enfrentar o caldeirão do Aguada, que Bauru conhece bem, do Final Four do ano passado… Terá dificuldades num grupo com três forças e a partida de hoje será a decisão. Já o Dragão conhece bem o Defensor-URU, batido ano passado também aqui, e Brasília vem como incógnita após reformulação, mas ainda forte. Dois ótimos termômetros de força também.

Ritmo de jogo: se o recesso criou uma bem-vinda “intertemporada”, a falta de ritmo de jogo pode atrapalhar um pouquinho na Sul-Americana. Daí a influência positiva no Paulista, pois os finalistas chegarão à decisão readaptados fisicamente.

Contusões: todos vão se entregar ao máximo na quadra por uma vaga na próxima fase da Sul-Americana, mas com o risco de uma contusão à sombra. Afinal, ninguém quer ficar de fora da decisão — como já está o limeirense Nezinho. Por outro lado, Murilo poderá voltar, segundo o Jornal da Cidade publicou hoje.

Confiança: o desempenho no torneio continental, se positivo, irá aumentar a confiança. Uma desclassifação precoce, igualmente, atiçará os ânimos. É como disse: impossível sair indiferente de um torneio Fiba.

Entrosamento: este item vale para Bauru. Alex Garcia e Rafael Hettsheimeir ainda têm poucas partidas com a camisa do Dragão. Robert Day e Larry oscilam e Gui, depois de uma primeira fase brilhante, ficou devendo contra Franca. Com duas semanas de treinamento e os três jogos da LSB, as peças vão se encaixar mais.

 

Limeira na Sul-Americana, grupo C
14/out, 18h45, Argentino de Junin-ARG
15/out, 18h45, Importadora Alvarado-EQU
16/out, 21h, Aguada-URU

 

Bauru na Sul-Americana, grupo D
21/out, 20h, Guerreros-COL
22/out 20h, Defensor-URU
23/out 20h, Brasília

 

Final do Campeonato Paulista
27/out, 20h, em Limeira
28/out, 20h, em Limeira
30/out, 20h, em Bauru
31/out, 20h, em Bauru (se necessário)
2/nov, 18h, em Limeira (se necesssário)

 

Foto: Henrique Costa/Bauru Basket