Noroeste já tem time, mas falta esclarecer parceria

Depois de semanas de silêncio após a eliminação na Série A3, o Noroeste voltou a se movimentar desde a última  semana, enterrando a dúvida sobre a participação na Copa Paulista. Desembarcou em Bauru o treinador Adriano Kanaã (à direita, na foto de Bruno Freitas/ECN) e seu auxiliar, Gilmar Minelli (à esquerda), juntamente com um pacote de jogadores que haviam disputado a segunda divisão paranaense pelo Paranavaí. Pacote esse fruto da parceria de uma empresa com o Norusca.

Paralelamente, a diretoria alvirrubra manteve bons nomes do elenco remanescente (Jean Pierre, Gava, Felipe Merlo, Igor Pimenta, Diego Souza, John Egito, Chico e Pedro), além de trazer Arthur e Blade, dois destaques do Barretos, algoz noroestino na terceirona.

Sendo assim, surgem algumas interrogações. Se a base é noroestina, por que arriscar-se com um treinador desconhecido que traz consigo jogadores que, a princípio, serão reservas? A não ser que a empresa parceira vá remunerar todo o elenco. Do contrário, como Kanaã vai dar visibilidade aos atletas a ele atrelados sem parecer forçar a barra?

Preocupa também: se eventualmente a parceria não pagar salários, a bronca (mais dívidas trabalhistas…) recai sobre o clube, que assina o contrato do jogador.

Em recentes entrevistas aos colegas da 87FM/Jornada Esportiva e da Jovem Pan News, Kanaã limitou-se a falar que a parceria a princípio é para a Copa Paulista. E que trata-se de uma empresa que “tem condições de tocar e, se possível, comprar”, disse à 87. (Comprar o clube? Não ficou claro.) Esquivou-se de detalhes, até mesmo dizer o nome da empresa, e afirmou que tudo será explicado pelo clube. “Não posso falar sobre a empresa, parceria, salários… Por enquanto, só campo. O presidente é quem vai explicar em uma coletiva”, afirmou à JP News.

O que se sabe é que Kanaã é ligado a uma empresa de material esportivo (Kanaã Sports), que inclusive vestiu o Paranavaí recentemente. E o nome da parceira do Paranavaí é M10 Brasil. Lá, ele começou como gerente de futebol (e nas súmulas aparecia como auxiliar técnico) e assumiu a beira do campo na reta final (dois jogos, uma vitória e uma derrota). Na imprensa local, era chamado de “técnico-investidor”.

Aguarda-se, portanto, e ansiosamente, o pronunciamento do presidente Estevan Pegoraro. A comunidade noroestina está animada por ver a participação do clube viabilizada na Copinha, mas não basta otimismo. O fantasma Larangeira está fresco na memória. À época, este CANHOTA 10 também publicou interrogações, e deu no que deu. Que agora seja diferente, a começar pela transparência.

Procurado, o Noroeste informa que irá realizar a entrevista, mas não tem uma data definida.

Fernando Beagá