Categorias
Coluna

Memória da Bola: Noroeste e Cruzeiro nos bons tempos da ferrovia

João F. Tidei de Lima relembra época em que as equipes rasgavam o Brasil sobre trilhos, como o Cruzeiro campeão de 1966. Tem Norusca também. Confira!

 

Por João Francisco Tidei de Lima

 

FUTEBOL NOS TRILHOS
O mundo civilizado, como se sabe, em grande parte se comunica pelos trilhos. Os países que têm as principais fábricas de automóveis (Estados Unidos, Alemanha, Japão, Itália, França, Coreia do Sul e China) também oferecem os trens mais rápidos e modernos.

Este subcontinente chamado Brasil, cerca de meio século atrás, em boa parte ainda caminhava pelos trilhos, 37 mil quilômetros de malha ferroviária, bem mais da metade servindo os estados de Minas, São Paulo e Rio de Janeiro.

São Paulo oferecia as composições mais modernas, mas a maior extensão cortava o território de Minas, em direção a Goiás, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo.

À altura de 1966, o melhor time da história do Cruzeiro ganhava títulos estaduais e nacionais viajando principalmente pelos trens da Rede Ferroviária Federal S.A. A foto mostra, em uma das estações, a partir da esquerda o meia Dirceu Lopes, o médio Wilson Piazza e o craque-artilheiro Tostão.

cruzeiro-tostao
Estrelas do campeão Cruzeiro no trem da Rede Ferroviária Federal

ESTAÇÃO DE LINS À VISTA
Maior entroncamento ferroviário do interior paulista, 25 trens de passageiros diários, meia dúzia de carga, cerca de mil pessoas circulando diariamente pela sua majestosa estação, eis Bauru, a maior cidade do centro-oeste paulista.

Naquele 1956, o E.C. Noroeste, na Primeirona, disputou a decisão do Torneio Início com o Guarani. Foi vice-campeão. Presidido por Waldemar de Almeida Vale e Silva, buscou reforços, a começar pelo novo técnico, Armando Renganeschi.

Contratou o goleiro Julião, ex-América e Bonsucesso do Rio de Janeiro, e o centroavante Marinho, ex-BAC, Fluminense e Genoa da Itália.

Disputa do Torneio de Classificação para a escolha dos “dez mais”. Embarquei, com mais 1.200 torcedores, no trem fretado junto à E.F. Noroeste, puxado por uma Maria-Fumaça. Cento e cinquenta quilômetros e algumas horas depois desembarcamos na estação de Lins. Rápida caminhada até o estádio. Norusca em campo, Julião e Marinho estreando, com os novos companheiros. Na foto do topo, em pé, a partir da esquerda; Fernando, Tomazzi, Mingão, Pierre, Julião e Vila; agachados, Nivaldo, Marinho, Wilson, Valeriano e Ismar.

Placar final, Linense 4 a 1. Apesar da vitória, assim como o Noroeste, ficou fora do Paulistão daquele ano. Disputaram a chamada Série B, por sinal vencida pelo Norusca.

 

joao-francisco-tideiJoão Francisco Tidei de Lima é historiador e professor universitário aposentado — passou pelos campi da Unesp de Assis e Bauru e pela USC. Possui especialização no Institut Européen des Hautes Études Internationales, da Universidade de Nice, na França. Organizou o arquivo do Museu Ferroviário de Bauru. Com experiência como  radialista, é autor do livro ‘Alô, Alô, ouvintes: uma história do rádio em Bauru’.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *