Categorias
Coluna

Coluna Memória da Bola estreia no Canhota 10. Bem-vindo, professor Tidei!

Confira texto do historiador João Francisco Tidei de Lima sobre o Santos, de presidente novo, na coluna Memória da Bola

A partir desta semana, o Canhota 10 passa a publicar a coluna Memória da Bola, que há anos agrega conteúdo ao jornal Bom Dia e ao Blog do Norusca, do grande Reynaldo Grillo. O autor autorizou e passo também a amplificar esse belo trabalho de resgate da história do nosso futebol. Bem-vindo, professor!

 

VINTE ANOS DEPOIS
Novo presidente tomando posse, o Santos na ordem do dia. Estimula uma viagem até pouco mais da metade do século passado. Corinthians, São Paulo e Palmeiras reinavam, repartindo religiosamente entre si os títulos do Paulistão. Até que, naquele 1955, o Santos F.C. deu um chega-pra-lá… 20 anos depois da conquista do campeonato paulista de 1935.

Agora em 1955, e colado ao Corinthians, o Peixe não perdeu a chance, decidindo o Paulistão na última rodada, com a vitória (2 a 1) sobre o pequeno E.C. Taubaté, na Vila Belmiro. Marcaram, pela ordem, Alvaro, Berto e o ponta Pepe, já com o apelido de “canhão da Vila”. O Peixe somou 40 pontos, contra 39 do vice Corinthians.

O técnico Luís Alonso, o popular Lula, escalou o time da foto acima: em pé, a partir da esquerda, Ramiro, Urubatão, Hélvio, Formiga, Manga e Feijó; agachados, Tite, Negri, Alvaro, Del Vécchio e Pepe.

 

modesto-roma-santos
Modesto Roma e Athiê Jorge Cury

QUEM BANCOU O CAMPEÃO
Agora quem dá bola é o Santos… o Santos é o novo campeão, são os primeiros versos da marchinha Leão do Mar, cantada a partir do título de 1955, autoria de Mangeri Neto e Mangeri Sobrinho. Em 1957, é composto o Hino Oficial, autoria de Carlos Henrique Roma, filho do dirigente Modesto Roma.

Modesto Roma (1907-1986), pai do atual presidente, dono de navios e empresas de navegação, fazia dupla com o então presidente do clube, deputado Athiê Jorge Cury (1904-1992). Responsáveis pela montagem do melhor Santos da história, daí a pouco tricampeão paulista, campeão brasileiro, bicampeão da América, bicampeão mundial, base da seleção brasileira, prolongadas excursões pela Europa, Ásia, Africa, e América do Norte, a magia e a genialidade em campo para encantar os corações e as mentes…

 

joao-francisco-tideiJoão Francisco Tidei de Lima é historiador e professor universitário aposentado — passou pelos campi da Unesp de Assis e Bauru e pela USC. Possui especialização no Institut Européen des Hautes Études Internationales, da Universidade de Nice, na França. Organizou o arquivo do Museu Ferroviário de Bauru. Com experiência como  radialista, é autor do livro ‘Alô, Alô, ouvintes: uma história do rádio em Bauru’.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *