Categorias
craques Seleção

Bebeto, muito mais do que um voleio

(2/10) A imagem está bem ruinzinha, mas estou sendo criterioso até nisso, na série de jogadores que influenciaram meu gosto pelo futebol. Ela representa o que minha memória afetiva alcança. Bebeto era uma das figurinhas mais difíceis do álbum do Campeonato Brasileiro de 1989. Deu um trabalhão consegui-la.

Bebeto era o jogador mais badalado no país: artilheiro da Copa América recém-conquistada pela seleção, em casa, e pivô da transferência mais conturbada da época: do Flamengo para o rival Vasco. Como contei, comecei a acompanhar futebol em junho daquele ano. Enquanto me encantava por suas atuações ao lado de Romário com a amarelinha, não tinha nenhuma referência dele como jogador rubro-negro.

A virada de casaca, portanto, não me comoveu. E um flamenguista de primeira viagem acompanhou com especial atenção a campanha do Vasco, para ver Bebeto jogar — como sempre digo, gosto mais de futebol do que do meu time.

Quando ele reencontrou seu ex-clube, caramba, ele contra Zico, foi um duelo dos meus dois heróis àquela altura. Como o futebol adora ironias, brilhou Bujica, com a camisa 9 que era de Bebeto — a referência à camisa 7 é pela seleção, e o próprio Flamengo se confundiu em seu retorno, em 1996, oferecendo o número errado naquela passagem curta e frustrante.

As lembranças sobre Bebeto, aliás, muitas vezes se limitam à parceria com Romário ou a sua especialidade, o chute de voleio. Mas ele foi muito mais do que isso. Foi craque, um dos grandes atacantes da história do futebol brasileiro. Fundamental no tetra, em 1994. Na Copa de 1998, todos lamentamos o corte do Baixinho, ele assumiu a titularidade ao lado de Ronaldo e teve uma participação honesta, com três gols na campanha do vice. E foi ele, ao lado de Mauro Silva, quem mudou o Deportivo La Coruña de patamar na Espanha.

 

ASSISTA: jornalista esportivo tem time do coração?
Visite o canal do CANHOTA 10 no YouTube e inscreva-se!
Categorias
craques Flamengo Seleção

Zico, uma entidade

(1/10) Sabe aquele desafio nas redes sociais de escolher os dez jogadores que influenciaram seu gosto pelo futebol? Pois é, eu estava salivando para ser convidado — obrigado, amigo Tiago Jokura, pela convocação. Achei um barato, rabisquei rapidamente os meus, de forma criteriosa e cronológica.

Não são necessariamente os melhores que vi jogar, tampouco alcançam os dias de hoje. São os dez que primeiro chamaram a minha atenção, por algum motivo que irei descrever por aqui. O primeiro deles é aparentemente óbvio por eu ser flamenguista, mas vai muito além disso.

O primeiro impacto por Zico tem dia gravado na memória: 21 de junho de 1989, quando o Botafogo deu fim a seu jejum de títulos. Foi o primeiro jogo de futebol que eu assisti na minha vida. Eu tinha nove anos e fazia menos de um que jogava bola. Os amigos da escola, flamenguistas, conversavam sobre a partida daquela noite, uma decisão. Fiquei curioso e, pela influência, decidi torcer pelo Flamengo.

E forjado da melhor forma, sabendo perder, sigo rubro-negro desde então. Daquele universo que eu descobria, ver Zico entrar em campo rodeado de repórteres e câmeras foi a constatação de que ele era o maior ali. E havia uma aura naquele personagem que eu não sei explicar. Mesmo sem entender nada de futebol ainda, sem nunca tê-lo visto jogar — vagamente a memória de comentários sobre a Copa de 1986 —, foi amor à primeira vista.

O jeito de correr, de bater na bola, a maneira como o uniforme lhe caía bem — por esse casamento visual, o manto da Adidas de 1988 a 1992 é e sempre será o mais bonito —, Zico era uma entidade desfilando no Maracanã.

Só isso explica como admirar o que se desconhece, mas ter certeza de estar diante de algo grande. Sem saber ainda de seus tantos feitos, sem ter tido a oportunidade de saborear seus melhores momentos. Hoje é fácil viajar no tempo (obrigado, YouTube), mas foi Placar quem me norteou a partir daquela quarta à noite, quem meu contou cada fábula do herói rubro-negro.

Ainda tive a chance de ver seu último semestre, em especial os desempenhos contra o Corinthians (na Copa do Brasil) e o Vasco (aquela tarde de Bujica, pelo Brasileirão), a despedida em Juiz de Fora e a festa contra aquele combinado do “resto do mundo”. Meio ano para compensar uma era. E mais uns golinhos: na “Copa do Craque”, torneio de masters organizado por Luciano do Valle, nos golaços que chegavam do Japão e ainda no início do futebol de areia. Foi pouco para justificar que fosse meu maior ídolo no futebol, mas o bastante para prestar eterna reverência.

Categorias
futebol europeu YouTube

Bundesliga e a volta do futebol: diferente, esquisito, mas ainda bom

O dia 16 de maio é histórico. Não somente por matar a saudade do futebol durante o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, mas por inaugurar uma época que ainda não tem previsão para terminar. A Bundesliga deve ditar como será o comportamento de mais de 300 pessoas (entre profissionais dos times, da estrutura do jogo e da imprensa) em um estádio fantasma.

Os primeiros jogos deste sábado evidenciaram a rigidez de protocolos, como a distância dos jogadores reservas. Todos fora de campo, exceção aos treinadores (que precisam orientar), usavam máscaras. Entrevistas pós-jogo com microfones presos a longos bastões.

A expectativa sobre as comemorações é justificável. Houve que respeitasse aglomerações na hora de vibrar. O Borussia Dortmund, em sua categórica vitória (4 a 0) no clássico com o Schalke 04, merece aplausos. Já a turma do Hertha Berlim, no placar clássico (3 a 0) sobre o Hoffenheim, mereceria vaias, caso houvesse público. Houve abraços efusivos e beijo no rosto — o brasileiro Matheus Cunha tentou evitar a euforia dos colegas, mas levou o dedo à boca (para homenagear o filho). A testagem pode justificar, contato há durante todo o jogo, gotículas voam sem parar, mas a Bundesliga é a vitrine o exemplo. O contato evitável deve ser… evitado! Ficou devendo, portanto, no item isolamento.

Matheus Cunha, brasuca na Bundelisga: tire esse dedo da boca!
Matheus Cunha, brasuca na Bundelisa: tire esse dedo da boca!
O Hertha ganhou o troféu aglomeração da rodada na Bundesliga
O Hertha ganhou o troféu aglomeração da rodada na Bundesliga

Quanto à qualidade do jogo, era de se esperar menor intensidade – exceção aos contra-ataques do Dortmund. E a percepção é comprometida, pela ausência da vibração do público e até mesmo pela “limpeza” da imagem. Parece que estamos assistindo a um jogo-treino. Mas é o que temos pra. É diferente, é esquisito, mas ainda é bom. Ainda é futebol.

A saudade era tanta que Fox Sports e ESPN Brasil lideraram a audiência da TV paga durante a transmissão dos jogos das 10h30 — à frente da GloboNews, líder absoluta em tempos de pandemia.

Assista abaixo ao vídeo sobre o retorno do futebol na Alemanha:

Visite o canal do CANHOTA 10 no YouTube e inscreva-se!

 

Fotos: Reprodução

Categorias
YouTube

Júnior Baiano foi craque!

O vídeo é sobre o zagueiraço que foi Júnior Baiano, mas também é sobre o conceito de craque, seja por memória afetiva ou recorte de tempo. Por falar em tempo, preparem-se (os que contam pelo menos três décadas) para relembrar outros nomes dos anos 1980 e 1990. E postem nos comentários suas lembranças!

E, claro: curta o vídeo, INSCREVA-SE e ative o sininho para receber notificações. Obrigado!

ASSISTA: jornalista esportivo tem time do coração?
Visite o canal do CANHOTA 10 no YouTube e inscreva-se!
Categorias
YouTube

Coronavírus: 10 jogos históricos para assistir na quarentena

Precisamos ficar em casa (e somos gratos aos que não podem ficar, por prestarem serviços essenciais) para conter a disseminação do novo coronavírus e temos que nos distrair. Neste vídeo, sugiro 10 jogos históricos. Os links das partidas estão na descrição do vídeo, lá no YouTube.

ASSISTA: jornalista esportivo tem time do coração?
Visite o canal do CANHOTA 10 no YouTube e inscreva-se!