Categorias
Noroeste

Com emoção, Noroeste empata e garante acesso!

Noroeste empata com Fernandópolis e volta à Série A-3 no saldo de gols. Confira crônica e fotos exclusivas

retranca-bezinha(Direto do Alfredão) A torcida atendeu à convocação: mais de 7 mil pessoas foram à Vila Pacífico empurrar o Noroeste de volta à Série A-3. Não foi nada fácil. Aliás, para o Norusca tem que ser assim, sofrido. O empate em 2 a 2 com o Fernandópolis, aliado à vitória da Internacional de Bebedouro sobre o Lemense (5 a 1), deixaram ECN e Inter com 17 pontos e o clube bauruense levou o segundo lugar do grupo 4 no saldo de gols (sete contra cinco), abandonando a lama onde nunca deveria ter pisado, mas de onde sai com dignidade.

Não foi fácil. O Fefecê, melhor em campo, deu um calor danado na defesa noroestina, mirando a vaga na final da competição — além da busca da taça, uma evidente receita extra com a bilheteria da decisão. Apesar de inferior tecnicamente, o Alvirrubro não se entregou em nenhum momento e ainda contou com uma torcida paciente (e consciente!), que não vaiou as dificuldades do time, apoiando e acreditando no acesso.

Após a comemoração no gramado do Alfredão, equipe e torcida saíram em carreata pela cidade, antes da merecida resenha na churrascaria. O buzinaço serve para avisar Bauru que seu gigante caiu, mas não está adormecido. Segue mexendo com o coração de muita gente e tem folego para repetir outros tantos domingos como este. Pra seguir escrevendo sua história com garra e amor.

Lance do jogo: torcida atendeu ao chamado e pintou o Alfredão e vermelho
Lance do jogo: torcida atendeu ao chamado e pintou o Alfredão e vermelho

O JOGO
Logo de cara dá pra perceber que o Fernandópolis vem disposto a garantir sua vaga na decisão da Bezinha. Nada de moleza. Os visitantes ocupam muito mais o campo de ataque, sobram em campo. Aos 10min, uma boa troca de passes encontra Billy entre os zagueiros, o camisa 9 fica na cara de Aranha e só toca no canto esquerdo, abrindo o placar.

_noroeste-hygor-silvaO sufoco continua, o Noroeste não consegue passar do meio-campo, envolvido pela troca de passes. As falhas na saída de bola irritam o capitão Marcelinho, que paga geral – Makelelê e Sávio ouvem bastante… Aos 26, sufoco. Diego recebe sozinho na marca do pênalti, mas finaliza fraco e Aranha pega. Um minuto depois, o alívio: o Alvirrubro consegue achar um escanteio, cobrado com carinho por Sávio e finalizado, de cabeça, pelo artilheiro. Abençoado Hygor Silva, obrigado. Empate bem na hora em que chega a notícia de que a Inter já vencia em Bebedouro.

A torcida se inflama novamente, mas não respira tranquila. Como um ponta das antigas, Gabriel faz uma fumaça danada pelo lado direito. Numa descida em velocidade, o camisa 11 azul consegue falta próxima à área, que Valter cobra sobre a barreira e recoloca o Fefecê na frente… Em seguida, Gabriel, de novo, judia das coronárias bauruenses, avança com perigo, cruza, mas Billy fura. Imagine o tamanho da bronca do Vitão no vestiário.

O Noroeste volta com Marcelo Santos no lugar de Luiz Azevedo, para dar tranquilidade à molecada e melhorar o passe, a grande deficiência do primeiro tempo. O Fernandópolis já não domina como antes, apesar de ainda perigoso nas investidas de seu trio de ataque. Tanto que os laterais alvirrubros não conseguem descer. Aos 8, quando Pirinha vai, deixa uma avenida e quase sai o terceiro, não fosse a recuperação de Makelelê. Cinco minutos depois, Aranha tem que trabalhar em chute de Gabriel. Em Bebedouro, a Inter abre 3 a 0, mas o Lemense diminui, 3 a 1. Boa…

Ainda com dificuldades para criar, a Maquininha só chega mesmo na bola parada, nos escanteios cobrados por Sávio. A situação melhora com a entrada de Léo Freitas, que faz duas boas jogadas – sobretudo aos 27, quando ele chuta no cantinho e Camilo espalma. É o suficiente para empolgar o time e a galera.

_noroeste-gustavo-henriqueAos 33min – bendita idade de Cristo, amém –, Sávio recebe em velocidade na esquerda e dá preciosa assistência para Gustavo Henrique, que sutilmente escora e vai para a festa! Em Bebedouro, 4 a 1… Machucado, Sávio, o garçom do acesso, sai ovacionado pela torcida.

A partir daí, com a Inter tendo dificuldades de ampliar sobre um guerreiro Lemense, o ritmo diminui no Alfredão. Noroeste subindo, Fefecê indo para a final, o toque de bola dá lugar à correria. Mas o sofrimento não termina. Afinal, a partida em Bebedouro vai até os 50min, a Inter faz mais um e todos só soltam o grito pra valer quando a partida acaba por lá. Aí, a festa começou sem hora pra terminar.

O Noroeste empatou e subiu jogando com Aranha; Alisson Pirinha, Rafael Pontoli, Marcelinho e Sávio (Ian); Makelelê (Léo Freitas), Alisson José, Luiz Azevedo (Marcelo Santos) e Léo Cunha; Hygor Silva e Gustavo Henrique.

ABRE ASPAS
Logo posto o áudio de muitas entrevistas da festa noroestina!!!

ABAIXO, alguns cliques desta bela manhã de domingo:

_noroeste-torcida
Festa com a torcida: paixão sem limites
_noroeste-vitor-hugo
O técnico Vitor Hugo: depois da queda em 2014, o banho lavou a alma
Abraço do presidente (Emilio) e do vice (Rafael): devolvendo o Noroeste a Bauru
Abraço do presidente (Emilio) e do vice (Rafael): devolvendo o Noroeste a Bauru

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *