Categorias
Noroeste

Será uma quinta-feira maravilhosa, Norusca!

Noroeste vence o clássico contra o Marília. A quinta-feira vai ser dia de acordar de alma lavada, dar bom dia de sorriso largo na padaria e de vestir o manto alvirrubro! Confira a crônica do CANHOTA 10

Escrevi mais cedo o que significava o clássico para os torcedores alvirrubros: “Ser zoado ou não amanhã é o que está em jogo. Dormir de alma lavada e sair à rua amanhã vestido orgulhosamente com o manto noroestino”. Pois bem. O Noroeste venceu o Marília por 1 a 0. A quinta-feira, 22 de fevereiro, será invadida pela camisa do Norusca nas ruas, aqueles sorrisos de orelha a orelha vão estampar o bom dia na padaria, na banca de revistas, no trabalho. Os jogadores devem estar orgulhosos por proporcionarem essa alegria à cidade, sobretudo aos 4.919 pagantes, recorde de público desta Série A3.

Foi sofrido, bateu a dúvida, o medo de brotar um gol celeste, mas fez-se justiça à equipe que se jogou mais ao ataque. Que aparentemente sabia que a rede iria balançar. Nem que fosse com a contribuição do zagueiro adversário, que queria desviar para escanteio, mas no meio do caminho apareceu Alef, para entrar para a história do clássico e quebrar o jejum de oito anos sem vencer o MAC — lembrando que há quase seis o confronto não acontecia no Alfredão e houve anos sem encontros.



Agora com três partidas no comando do Noroeste, Alberto Félix soma duas vitórias e um empate. De fala mansa e objetiva, parece já estar com o elenco nas mãos, faz mudanças pontuais. Pela frente, duas partidas fora de casa contra adversários de G-8 (São Carlos e Portuguesa Santista). O time dá esperanças de que não volta de mãos vazias. Tem gordurinha (inha… está em quarto, com 21 pontos, quatro a mais do que o nono) até para perder um jogo, mas tem bola para ganhar também.

O Noroeste venceu o clássico jogando com Ferreira; Pacheco, Marcelo Augusto, Marcelinho e Lucas Hipólito; Maicon Douglas, Alex Silva (Alef), Leandro Oliveira (Romão) e Vilson; Wellington e Gindre (André Rocha).

Ídolo no clássico, com a galera

O ex-zagueiro Bonfim, que estava em campo e fez gol há exatos dez anos (naquele 3 a 2, pelo Paulistão), foi torcer para seu Norusca:

Bonfim no clássico Noroeste x Marília
Ex-zagueiro e ídolo do Noroeste, Bonfim estava no meio da galera. Foto: Reprodução Facebook

 

Leandro Oliveira no clássico Noroeste x Marília
Leandro Oliveira perdeu pênalti, mas teve boa atuação. Ao fundo, a bela presença da torcida. Fotos: Bruno Freitas/Noroeste

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *