Categorias
craques Flamengo Seleção

Zico, uma entidade

(1/10) Sabe aquele desafio nas redes sociais de escolher os dez jogadores que influenciaram seu gosto pelo futebol? Pois é, eu estava salivando para ser convidado — obrigado, amigo Tiago Jokura, pela convocação. Achei um barato, rabisquei rapidamente os meus, de forma criteriosa e cronológica.

Não são necessariamente os melhores que vi jogar, tampouco alcançam os dias de hoje. São os dez que primeiro chamaram a minha atenção, por algum motivo que irei descrever por aqui. O primeiro deles é aparentemente óbvio por eu ser flamenguista, mas vai muito além disso.

O primeiro impacto por Zico tem dia gravado na memória: 21 de junho de 1989, quando o Botafogo deu fim a seu jejum de títulos. Foi o primeiro jogo de futebol que eu assisti na minha vida. Eu tinha nove anos e fazia menos de um que jogava bola. Os amigos da escola, flamenguistas, conversavam sobre a partida daquela noite, uma decisão. Fiquei curioso e, pela influência, decidi torcer pelo Flamengo.

E forjado da melhor forma, sabendo perder, sigo rubro-negro desde então. Daquele universo que eu descobria, ver Zico entrar em campo rodeado de repórteres e câmeras foi a constatação de que ele era o maior ali. E havia uma aura naquele personagem que eu não sei explicar. Mesmo sem entender nada de futebol ainda, sem nunca tê-lo visto jogar — vagamente a memória de comentários sobre a Copa de 1986 —, foi amor à primeira vista.

O jeito de correr, de bater na bola, a maneira como o uniforme lhe caía bem — por esse casamento visual, o manto da Adidas de 1988 a 1992 é e sempre será o mais bonito —, Zico era uma entidade desfilando no Maracanã.

Só isso explica como admirar o que se desconhece, mas ter certeza de estar diante de algo grande. Sem saber ainda de seus tantos feitos, sem ter tido a oportunidade de saborear seus melhores momentos. Hoje é fácil viajar no tempo (obrigado, YouTube), mas foi Placar quem me norteou a partir daquela quarta à noite, quem meu contou cada fábula do herói rubro-negro.

Ainda tive a chance de ver seu último semestre, em especial os desempenhos contra o Corinthians (na Copa do Brasil) e o Vasco (aquela tarde de Bujica, pelo Brasileirão), a despedida em Juiz de Fora e a festa contra aquele combinado do “resto do mundo”. Meio ano para compensar uma era. E mais uns golinhos: na “Copa do Craque”, torneio de masters organizado por Luciano do Valle, nos golaços que chegavam do Japão e ainda no início do futebol de areia. Foi pouco para justificar que fosse meu maior ídolo no futebol, mas o bastante para prestar eterna reverência.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *