Categorias
Bauru Basket

Paschoalotto Bauru bate Rio Claro com folgas no NBB e volta a mirar Liga das Américas

Paschoalotto constrói placar centenário, segue tranquilo na liderança e agora viaja para semifinal da Liga das Américas

Era daquelas vitórias certas, em que o time precisava poupar fôlego para mais uma longa viagem. Mas nem tanto fôlego, já que não poderia contar com Carioca e Gabriel, de olho na Liga de Desenvolvimento, e Rafael Hettsheimeir, poupado. Assim, mesmo sobrando contra o vice-lanterna, o Paschoalotto Bauru foi com sua força máxima pra cima de Rio Claro, apenas administrando os minutos. Placar folgado de 106 a 74, vitória consecutiva de número dezessete e liderança absoluta do NBB 7 (20 vitórias em 22 jogos). Agora, é arrumar as malas para Cancún, no México, e encarar o dificílimo grupo E da segunda fase da Liga das Américas.

A partida ainda marcou o toco 200 de Murilo na história do NBB —  primeiro atleta a atingir a marca. E por mais que seja habitual citar, é impressionante a intensidade de Alex Garcia, 21 pontos em menos de 20min em quadra — e que saiu bravo com a arbitragem ao ser excluído, no fim do último período, com cinco faltas. Isso é que é vontade de ganhar.

BOLA QUICANDO
De fato, o time começa com feras em quadra para deslanchar no placar: Ricardo, Larry, Alex, Jefferson e Murilo. Impecável em seus chutes e infiltrações, o Alienígena comanda a folia no primeiro quarto. Igualmente Murilaço puxa a pontuação. Mais comedido nas bolas de fora — apenas uma convertida do Brabo, outra de Jé –, o Dragão abre vantagem de grão em grão. Parcial de 35 a 23.

No segundo período, Larry e Murilo seguem em quadra, enquanto os demais descansam. Day, Gui e Mathias gastam bem seus minutos. Roberdei guarda três triplos, o Batman reforça a marcação e Balothias é dominante nos rebotes. Assim, os visitantes fizeram apenas 12 pontos. O ataque bauruense nem foi tão agressivo (18), mas conduziu tranquilamente e aumentou a diferença: 53 a 35.

Na volta do intervalo, os guerreiros voltam dispostos a deslanchar o placar. Apenas quatro jogadores pontuam, mas como pontuam! Alex (13 pontos), Day (7), Jefferson (6) e Larry (4) levam a diferença para incontestáveis 30 pontos. Importante destacar, como tem acontecido sempre, que o Paschoalotto Bauru sempre respeita o adversário, não menospreza, não faz firula. Segue jogando sério e, jogando sério, esse time atropela… Fração de 30 a 18 e trinta pontos de dianteira: 83 a 53.

No quarto derradeiro, o Dragão acaba recolhendo as asas no começo. Tira o pé, sem ameaça de perder a partida. Rio Claro chega a abrir 7 a 14, mas aí, para buscar o placar centenário, os donos da casa aceleram de novo, com 11 pontos seguidos. O menino Wesley entra, tem tempo de cravar para levantar a torcida e garantir a vantagem em todas as parciais (nesta, 23 a 21) e finalizar o bom placar de 106 a 74.

ABRE ASPAS
Depoimentos colhidos por Arthur Salles (Jornada Esportiva/Auri-Verde)

“De repente, alguns jogadores podem sentir alguns incômodos, então dividimos bem os minutos. Por isso tem que ir poupando para viajar e encarar as três pedreiras em Cancún”, comentou o pivô Murilo Becker.

“Dentro do plano de revezamento que estabelecemos, foi muito bom. Lógico que houve falhas, é normal, o jogador tira o pé do acelerador pensando na Liga das Américas. E foi importante ninguém ter se machucado”, disse o técnico Guerrinha.

NUMERALHA
Robert Day: 23 pontos, 3 rebotes, 2 roubos de bola
Alex Garcia: 21 pontos, 2 rebotes, 3 assistências
Larry Taylor: 19 pontos, 5 rebotes, 3 assistências
Murilo Becker: 13 pontos, 9 rebotes, 1 toco!!!
Jefferson William: 12 pontos, 3 rebotes, 2 roubos de bola
Gui Deodato: 6 pontos, 6 rebotes
Ricardo Fischer: 5 pontos, 5 rebotes, 9 assistências

 

Foto: Paulo Maccarini/Divulgação

camisa-guerrinha-brasil

Quer ganhar a réplica da camisa que o Guerrinha usou na conquista do ouro no Pan de 1987? CLIQUE AQUI e saiba como concorrer

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *