Categorias
Bauru Basket

Bauru 2, Brasília 0: Dragão pega embalo

Paschoalotto Bauru faz outra partida convincente e está a uma vitória da final

retranca-NBBChego à Panela e o grande colega Sergião Pais, o GE.com de Bauru: “Será que vai ser três a zero?”. Eu eu digo ah, tudo indica, mas lembra do vacilo contra o Pinheiros?… Mas estou achando que aquela derrota foi a lição de que não se desacelera em playoffs. Que é sangue nos’oio o tempo inteiro. E foi com essa intensidade que o Paschoalotto Bauru venceu o Brasília por 100 a 80 e abriu 2 a 0 na série. Na próxima terça (10/mai), às 21h15, a chance de passar a vassoura e comemorar a vaga na final, a segunda seguida.

O jogo coletivo flui bem demais, mas não há como não destacar a partidaça de Paulinho Boracini, que dá a impressão de ter chegado ao seu auge físico e técnico na melhor hora, com a onça à beira do lago. Além de sua já conhecida agressividade a caminho da cesta, arrancou aplausos com assistências de efeito e ainda guardou três triplos. Sobre esse momento, ele falou com o Canhota — ouça logo mais abaixo. Antes, confira algumas notinhas sobre a partida, com impressões e bastidores.

ISPRISSIONANTE
Pra deixar o Gil Barros orgulhoso: o logo de cara, uma façanha interessante dos guerreiros. Os 15 primeiros pontos em cinco bolas de fora, uma de cada titular: Hett, Alex, Jefferson, Day e Paulinho, nessa ordem e em consequência de defesa forte e bom trabalho pra encontrar o melhor chutador.

EXCEÇÃO
O único momento de vacilo do Dragão no jogo foi na primeira metade do segundo quarto. Após quase cinco minutos com só um pontinho marcado, Bauru permitiu a virada de Brasília. Mas logo o gigante acordou, Murilo entrou bem na partida e ajudou a recolocar o time na frente. Alías, bom ver o camisa 21 vibrar com uma cesta, ele que já passou tanto perrengue nesta temporada.

DEIXA ARDER
Palavras do auxiliar técnico André Germano: o menino Gui Santos tem que entrar mesmo é com o jogo pegado. E assim foi. Ele bateu bola contra a marcação, invadiu o garrafão e acertou bandeja, fez outra em velocidade sofrendo falta. Assim, vai pegando cancha. Até o molequinho Stefano guardou seus dois pontinhos, igualmente encarando a marcação. Bom de ver.

ARRASADOR
Voltando do intervalo com apenas cinco pontos na frente, o Paschoalotto administrou boa parte do terceiro período e nos quatro minutos finais dessa parcial atropelou. Ao volante desse trator, Hettsheimeir.

CARISMA
A torcida pediu Labbate, ele entrou, fez uma bela cesta e foi pra galera. Interessante como uma homenagem que mistura o jocoso e o carinhoso incendeia a Panela. Todos amam o Superman.

EM MARÍLIA
Está definido. Se o Dragão passar à decisão, irá mandar seus jogos em Marília. Brasília migraria do ginásio da Asceb para o gigante Nilson Nelson. Mogi, claro, tem o seu Hugão. Já o Flamengo ganhou uma colher de chá do Comitê Olímpico e, se passar, vai transformar a final do NBB em evento teste da Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca.

ABRE ASPAS
Interrompi a discussão entre Jefferson e Paulinho, na cara dura, e perguntou sobre o que debatiam. E aproveitei para falar com o Magic Paulo sobre sua melhor fase com a camisa bauruense:

 

Papo com o figura Hettsheimeir, que tem voado rumo à cesta, tirando aquele canelão do chão:

 

E o técnico Demétrius avaliou a partida e comentou a boa fase de Paulinho:

 

NUMERALHA
Canelaimeir: 22 pontos, 2 rebotes
Jé, o Definidor: 19 pontos, 4 rebotes
Magic Paulo: 15 pontos, 5 rebotes, 5 assistências, 1 roubo
Capitão América: 11 pontos, 7 rebotes, 5 assistências, 1 roubo, 1 toco
Murilaço: 9 pontos, 3 rebotes, 1 roubo
Léo Monstro: 9 pontos, 1 rebote
Roberdei: 6 pontos, 8 rebotes, 2 assistências
Gui Santos: 5 pontos, 1 rebote, 1 assistência
Boludinho: 2 pontos, 1 rebote
Labbate: 2 pontos e muitos aplausos

 

canhota-zapzap-perfilQuer ser avisado(a) quando houver texto novo no CANHOTA 10? Basta salvar o número +55 14 98109.6388 na agenda do seu celular e enviar um recado via WhatsApp solicitando a inclusão na nossa lista. É rápido!

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *