Categorias
Bauru Basket

Nathan Thomas: perfil de guerreiro?

A interrogação do título é só porque ainda não o vi jogar – logo vou a um treino. Ao que tudo indica, por ter um histórico nas ligas que disputou de forte homem de defesa, Nathan Thomas deve mesmo lutar pela bola com garra. Mas teoria e prática – e encaixe ao estilo de jogo dos prováveis novos colegas – podem não dar liga. O norte-americano que passa por testes no Itabom/Bauru está empolgado, tem o perfil que Guerrinha precisa, mas é preciso confirmar isso com a bola quicando.

E quando falo em perfil que Guerrinha precisa, o fator extraquadra pesa forte. Ele já se misturou à torcida Fúria, já rolou no chão com crianças e foi atencioso com a imprensa. Tem, aparentemente, o estilo “sussa” de Larry que conquistou o treinador – e toda Bauru. Guerrinha e o grupo rechaçariam uma estrelinha estilo Lamonte.

Na internet, encontram-se algumas estatísticas de Nathan, mas é preciso se debruçar um pouco mais para não distorcer números (de colegial, daqueles camps que ranqueam atletas e de conferências universitárias). O que se sabe, pelos vídeos, é que marca forte, dá tocos, tem boa infiltração e, além de saber fazer todo esse “serviço sujo”, ainda tem bom chute de fora.

No domingo, após a vitória do Itabom/Bauru sobre Mogi, o norte-americano deu breve (e exclusivo) depoimento ao Canhota 10, quando gastei meu enferrujado inglês. Boa sorte ao gringo e, se agradar, tomara que não exagere na hora de negociar salário.

“Jogo na posição 3 e gosto de jogar tanto fora quanto dentro do garrafão. Estou animado, adorei o time, a torcida, o técnico é muito bom. Espero ficar aqui até o final da temporada, depende do treinador. Adoraria ficar… Fui muito bem recebido pelos jogadores, eles são uma família.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *