Categorias
Bauru Basket

Bauru 2, Limeira 1: lustrem a taça, rápido!

Paschoalotto Bauru vence por 36 pontos de diferença, chega a segunda vitória na série e pode definir o campeonato nesta sexta

(Direto da Panela) Em esporte não tem campeão de véspera e é preciso respeitar o adversário. Que fique claro. Mas o Paschoalotto Bauru deu uma prova irrefutável de que o grito de campeão já está no gogó. Mandar 36 pontos de diferença em uma final de campeonato é um aviso para reservar o chope. Foi categórico demais, sem perder a intensidade, a ponto de a maior diferença em uma parcial ser no último quarto. O placar de 92 a 56 pisca o alerta: deve pintar campeão paulista nesta sexta-feira, na Panela. Mas fiquemos com as palavras de Ricardo Fischer aos colegas, no centro da quadra, reunidos ao final do jogo: “Esqueçam esse placar!” Os jogadores de Limeira, entretanto, dificilmente esquecerão. Vão dormir contando carneirinhos laranjas por um bom tempo.

O JOGO
A vista ficou até turva no começo do jogo. Correria na quadra, galera se abanando fora dela. Um mosaico calorento. Deve ter dilatado o aro bauruense, não é possível… Tudo espirrava e Limeira ia abrindo vantagem. Jefferson errou três chutes do perímetro antes de, finalmente, tirar a uruca. Mas já era tarde e o Bauru terminou o primeiro quarto cinco pontos atrás: 12 a 17.

O segundo período foi daqueles inspirados. O show começou com duas assistências seguidas de Larry Taylor. Na primeira, achou Alex para chute equilibrado de fora. Na segunda, ponte aérea de Gui. Àquela altura, eram só dois pontinhos atrás. Deixaram chegar… Aí o Brabo foi lá e guardou mais uma de três, virando o jogo. Dominantes, os guerreiros chegaram a fazer 19 pontos seguidos! Os visitantes ainda reagiram com Rafael Mineiro para diminuir o prejuízo, que era grande – fração de 23 a 10 e oito pontos na frente, 35 a 27.

O Paschoalotto recomeçou a partida ainda em ritmo forte. E capitaneado por Alex. Totalmente entrosado, sua liderança já é nítida. Ele cobra, orienta e também sabe ouvir os colegas. Tecnicamente, também se impõe. Carrega a bola, desarma, pega rebote, assiste. É completo. Mas po craque não jogou sozinho. Gui levantou a galera com chute certeiro, Jefferson acertou a mão de vez. Nova parcial com boa vantagem (25 a 16) e vitória encaminhada: 60 a 43.

Apesar da boa vantagem, ninguém relaxou. Ricardo acertou dois triplos, Day entrou no jogo, Alex seguiu destruindo. Hettsheimeir, discretamente, foi acumulando tentos. Do outro lado, nada digno de nota. Estavam atordoados com o banho de bola, embalado por gritos de olé. Mesmo assim, Bauru fez seu papel de time grande, não fez firula porque sabe da força de Limeira. Mas que foi um passeio, foi. Parcial de 32 a 13 e impressionantes 92 a 56. Lustrem a taça, rápido!

NUMERALHA
Jefferson William: 21 pontos, 11 rebotes
Rafael Hettsheimeir: 19 pontos
Ricardo Fischer: 14 pontos, 4 rebotes, 3 assistências
Alex Garcia: 13 pontos, 9 rebotes, 7 assistências, 5 roubadas de bola!
Gui Deodato: 11 pontos
Robet Day: 10 pontos6 rebotes
Larry Taylor: 4 pontos, 4 rebotes, 7 assistências, 3 roubadas de bola

ABRE ASPAS
“Novamente começamos mal, um início fraco defensivamente. Mas conseguimos melhorar e dificultar o ataque deles, o que favoreceu o nosso ataque, mais solto e consciente. Deu certo. Vamos tentar fazer isso de novo, esquecer essa vitória. Deixa a festa para a torcida. Temos que ter os pés no chão, pois falta mais uma vitória”, comentou o ala Alex Garcia, grande nome do jogo, que falou sobre sua liderança no elenco: “Cada um tem sua função na equipe. O Ricardo gosta de falar muito, mas é jovem e vai adquirir experiência. Eu, por ser mais vivenciado, tento ajudá-lo a segurar o ímpeto da equipe. Nós dois estamos fazendo isso bem, conversando com os companheiros para tentar não perder o foco na defesa e fluir no ataque.”

“Desde que o Alex chegou, a gente conversa muito. Quando eu canso ou a marcação tenta me apertar, eu coloco a bola nele e lá na frente recebo de volta e organizo o time. O Alex é um grande líder. Estamos dividindo esse papel e está dando certo”, complementou Ricardo Fischer, outro líder nato, que sabe que o jogo 4 começa zero a zero. “Não adianta achar que vai ser fácil. Vai ser mais difícil do que hoje. Precisamos melhorar o começo de jogo, iniciamos mal os três jogos da série e desgasta correr atrás nesse calor.”

“O time se manteve muito concentrado, na defesa e no ataque. Tivemos erros e precipitação no começo, mas fomos envolvendo o time de Limeira. Nosso combustível foi a defesa, tanto que tiramos o Jackson do jogo, que fez apenas dois pontos”, avaliou o técnico Guerrinha.

 

As fotos são de Natália Dário, que está fazendo seu Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo sobre a história do Bauru Basket. Mais alguns cliques da minha colega de Alto Astral abaixo.

 

Alex foi o destaque da noite. Day anotou dez pontos
Alex foi o destaque da noite. Day anotou dez pontos
O Brabo orienta os colegas
O Brabo orienta os colegas
Não cabia mais ninguém na Panela
Não cabia mais ninguém na Panela

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *