Categorias
Esportes

Eu, corredor

No último domingo (11/12), tive uma importante conquista. Completei uma prova de 5km (quarta etapa da Eco Runner, em Bauru). Foi o resultado de dois meses de academia depois de looongo – bota longo nisso – período de sedentarismo. Nesse tempo (com algumas faltas por causa da correria, confesso), meu objetivo era o condicionamento físico. Fôlego, saúde, nada de vaidade, busca de corpo marombado. Por isso mesmo escolhi uma clínica de fisioterapia, não uma academia convencional. Em meu horário, apenas eu, então meu professor Plínio se tornou um personal e me preparou para correr, com treinamento bastante específico.

A semana que antecedeu a prova foi meu teste de fogo: finalmente fiz 30 minutos de corrida na esteira. Numa velocidade baixa, é verdade, mas compatível com minha condição de “iniciante”. Assim, meu objetivo na corrida era completar, mantendo um ritmo e sem caminhar. Caminhar jamais! Fui no que considero “trote constante”, lá no fundão, e completei a prova em tempo alto: 37min44s. O ideal para um amador bem preparado é correr abaixo dos 30min – minha irmã, que corre há mais de dois anos, completa na casa dos 27min. Ainda vamos correr juntos! Ela e meu irmão que caminha diariamente me inspiraram a sair do sedentarismo.

Detalhe: foi a primeira vez que corri na rua! Havia treinado apenas na esteira. Portanto, tudo era novidade: o asfalto, o sol, o vento contra, a paisagem… Como era de se esperar, a perna pesou no início, senti o trecho de subida, mas conduzi bem a respiração. Quando completei 4km, estava inteiro e pintou a tentação de apertar o ritmo, alargar a passada, mas não era meu propósito. Uma coisa de cada vez. Por ora, está muito bom. Em 2012, vou encher o calendário de provas (em Bauru, há pelo menos uma dezena). De carona, espero emagrecer um pouquinho (secar a “pochete” e diminuir o percentual de gordura). Para os que gostam de correr, eventualmente usarei esse espaço para compartilhar minha experiência – na verdade, minhas descobertas nesse novo hábito.

Na corrida, não é clichê: todos são vencedores

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

3 respostas em “Eu, corredor”

Que legal! Parabéns!… Estou muito feliz por estarem correndo atrás da saúde e bem estar.
E a mammy aqui está “apertada”… precisa seguir o exemplo de vcs. Mas acredito que não demorará muuuuuuuuuuito. Mas só no ano que vem. Rsrsrssssssss!

Nando, Parabéns!!!
Em breve correremos juntos!!!
Como vc comentou, correr no asfalto e mesmo muito mais dificil!
Mas vira um vicio! Graças a Deus, saudável!!!!!!
Bjs, Fran.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *