Categorias
Bauru Basket

Sem forçar, Bauru vence Joinville na volta à Panela

Gui, novamente impossível nas bolas de três

A torcida estava com saudade. E animada. Afinal, após 21 dias sem jogar na Panela de Pressão, o Bauru Basket trouxe na bagagem o título brasileiro sub-22 e duas vitórias no Rio de Janeiro (Tijuca e o líder Flamengo!) no NBB5. O time, que tem voado em quadra, nem precisou toda a sua energia para bater Joinville, por 114 a 91. Correu no primeiro tempo, quando os visitantes apertaram, mas o passeio no terceiro quarto garantiu a tranquilidade para fechar o jogo.

No primeiro quarto, lá e cá, Bauru fechou em 28 a 25. Chegou a estar perdendo no segundo, mas esticou no final (parcial de 27 a 20) e levou o placar de 55 a 45 para o intervalo. Na volta, os meninos voaram. Novamente Gui e Ricardo conduziram a pontuação e os 29 a 14 (somando 84 a 59) no terceiro período fizeram os catarinenses caírem na real — com o auxílio do pivô Nandão esteve em quadra ajudando. No último período, foi a vez de Kesley ganhar oportunidade. Quando pontuou, a molecada do sub-19 vibrou. Nesse ritmo de festa dos campeões da Liga de Desenvolvimento, o Dragão desacelerou, jogando o suficiente para atingir o placar centenário e ganhar os merecidos aplausos da torcida, que começa a ficar mal-acostumada…

Até onde vai esse time no NBB, difícil imaginar. Mas nada de sofrer ou sorrir por antecedência. No Paulista, todos se empolgaram e deu no que deu. Em seguida, o início do nacional decepcionou e previu-se um final desastroso. Nada disso, o Dragão ressurgiu. Então, hora de curtir o momento fora da quadra, enquanto eles mantêm o foco do lado de dentro.

Destaco a atuação da dupla Ricardo Fischer e Gui. Os moleques estão voando.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *