Categorias
Bauru Basket

Bauru 1, Pinheiros 0: Dragão vai se ajustando com a bola em jogo

Dragão supera Pinheiros na abertura das quartas; ouça entrevistas

retranca-bauru-basket(Direto da Panela) Quem imaginava um passeio bauruense, precisou esperar até o último segundo para comemorar a vitória por 83 a 80 sobre o Pinheiros, na abertura da série quartas de final do Campeonato Paulista. Foi até bom para aquecer a noitinha chuvosa e extrair barulho da galera — em número tímido para a importância do jogo, sinal de que a majorada no preço em fim de mês não funcionou.

Com 1 a 0, agora o Gocil Bauru tem duas chances na capital para fechar o playoff e avançar à semifinal. A primeira delas na sexta-feira (7/out), às 19h30, no ginásio Henrique Vilaboim. Capaz de os bauruenses por lá fazerem mais barulho do que a diminuta torcida local. Apesar de ser reta final do estadual, é nítido que o time ainda está se ajeitando. O que confere ainda mais importância a essa vitória, a sexta em nove jogos desde que os adultos passaram a agregar a campanha.

Expectativa para o retorno de Alex Garcia, que ficou fora após sofrer um trauma no músculo posterior da coxa esquerda durante o treino de domingo — uma paulistinha do Maicão, sem querer, claro, porque o menino tem amor à vida.

Meindl: asas nos pés. Jé (ao fundo), destacou-se nos triplos e nos roubos
Meindl: asas nos pés. Jé (ao fundo) destacou-se nos triplos e nos roubos

DESTAQUES DA PELEJA
Todos de olho na estreia de Roy Booker, o escolta que tem estatura de Larry, estilo de jogo de Larry e também se chama Júnior. Era claro que ainda corria de freio de mão puxado e tentando entender os movimentos táticos, mas era nítido também que sabia o que fazer com a bola. Errou dois passes, depois se soltou, arriscou infiltrações e deu trabalho para a defesa pinheirense. Pode render muito mais, é só o começo.

Vale ressaltar demais a atuação de Valtinho. Pontuou em dois dígitos, o que não é sua obrigação, assistiu como sempre e brindou a torcida com uma infiltração garrincheira, mostrando estar fininho e com fôlego de um menino de 39 anos.

A mão quente de Hett, cestinha do jogo, o bom reflexo de , roubando bolas importantes — uma delas nos segundos finais —, e a velocidade de Meindl também marcaram a vitória. A impressão é que o camisa 23 poderia jogar mais 40min.

EU QUERO
A bela camisa rosa, confeccionada pela Aktion — a mais bonita desde que o Bauru Basket faz essa ação no Outrubro Rosa —, teve venda prometida para a partida, mas houve um problema de logística. Fica a expectativa de ser disponibilizada em loja física, afinal, o preço está convidativo (R$ 60). Por enquanto, a fornecedora está utilizando o site Mercado Livre.

ABRE ASPAS

Falei com Jefferson William, o ladrão de bola do jogo:

 

Léo Meindl falou do seu esforço da partida e da dificuldade da vitória:

 

A avaliação da vitória pelo técnico Demétrius, que comentou a estreia de Booker:

 

Falei também com Roy Booker, mas vou poupá-los de ouvir meu inglês maravilhoso. Transcrevo: “Foi difícil pra mim, porque não falo português, então é complicado entender o que estão tentando me dizer, mas é um processo de aprendizado. Meus colegas e os treinadores tiveram atenção comigo, vão me ajudar a aprender o mais rápido possível. Vai levar um tempo para eu me sentir mais confortável. Mas vou te dizer uma coisa: estou confiante, mais do que estava ontem e menos do que estarei mais amanhã”. Falou e disse, o novo gringo bauruense.

NUMERALHA
Canelaimeir: 25 pontos, 9 rebotes, 2 assistências, 2 roubos
Léo Monstro: 17 pontos, 6 rebotes
Maestro Valter: 14 pontos, 8 assistências, 2 roubos
Jé: 13 pontos, 6 rebotes, 3 roubos (!)
Roy Booker: 7 pontos, 2 rebotes, 1 assistência
Eltink: 4 pontos, 1 rebote
Gui Santos: 3 pontos, 4 rebotes

 

Fotos: Caio Casagrande/13 Comunicação/Bauru Basket

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *