Categorias
Bauru Basket

Bauru 2, Pinheiros 1: aí, sim, surpreendidos

Paschoalotto Bauru é derrotado pelo Pinheiros na Panela de Pressão e terá que voltar à capital para fechar a série

retranca-NBB(Direto da Panela) Não que tenha sido zebra, o Pinheiros já havia ganhado na Caverna do Dragão nesta temporada. Mas o Paschoalotto Bauru foi, sim, surpreendido, porque vinha embalado para fechar a série quartas de final deste NBB 8 em casa — que garantiria um bom período de descanso e preparação. Depois desta derrota por 92 a 88, os guerreiros terão que voltar a São Paulo.

Foi uma partida indigesta, a começar pelo horário (de almoço). Domingão, 12h30, e o reflexo foi visto nas arquibancadas, que não lotaram. Nem o setor das cadeiras, todo vendido para sócios-torcedores, estava cheio… Pelo menos, o calor foi suportável, bola dentro do Clima Tempo, que previa sol entre nuvens.

BOLA QUICANDO
Como franco-atiradores, os meninos do Pinheiros jogaram soltos e com confiança desde o início. Ou alguém apostaria que o pivozão Renan Lenz guardaria dois triplos logo de cara? O aviso de que dariam trabalho veio na primeira parcial, vencida por 30 a 27.

No segundo período, Demétrius insistiu com o menino Gui Santos na armação, pois Paulinho fizera precocemente duas faltas. Na prática, entretanto, a condução do time estava com Alex. O Brabo chamou a responsabilidade para a virada, seja dando bronca na defesa ou guardando as bolas lá na frente. Com fração de 19 a 24, o Paschoalotto foi para o intervalo na frente: 49 a 51.

No retorno, um personagem-chave construiu a vitória pinheirense: Humberto. Lembrando Leandrinho tanto física quanto tecnicamente, o camisa 19 (até a camisa…) estava on fire. Seja infiltrando, guardando de fora, ele anotou nove dos 27 pontos que anotou — cestinha do time. O gringo Bennett também foi fundamental. A parcial de 24 a 18 abriu a diferença preciosa de quatro pontos que definiria a partida.

No quarto derradeiro, foram as cestas de Jefferson William quem seguraram o quanto foi possível a diferença a favor dos paulistanos. Com Alex e Léo Meindl revezando na condução da bola, o repertório ofensivo do Dragão ficou comprometido. E vale mencionar que Robert Day saiu zerado, errando os seis triplos que tentou. Ironicamente, coube ao ex-bauruense Andrezão selar o placar nos lances livres — e olha que errou dois dos quatro. Mas não dava mais para alcançar. Quarta-feira (27/abr, 19h) tem mais.

Jefferson bem que tentou, mas o Pinheiros levou a melhor
Jefferson bem que tentou, mas o Pinheiros levou a melhor

“AUXILIAR”
Ricardo Fischer, com o mesmo uniforme da comissão técnica, ficou no banco apoiando os colegas, dando instruções e trocando ideias com o técnico Demétrius. E respeitando seu cronograma de fisioterapia, fez gelo assim que pôde se livrar da calça jeans.

MEXE COM QUEM TÁ QUIETO…
Uma passagem curiosa, ao final do primeiro tempo: algum membro da comissão técnica do Pinheiros, esquentado com as cornetagens da turma das cadeiras, virou-se para algum torcedor de olhos puxados e saiu-se com essa: “Abre o olho, japonês!”. Pra que… Desceu toda a colônia nissei para a boca dos vestiários para tirar satisfação…

ABRE ASPAS

O técnico Demétrius valoriza a atuação do rival:

O ala Léo Meindl avalia a derrota:

O ala-pivô Jefferson William fala da partida e do filhote que está a caminho:

 

NUMERALHA
Alex: 28 pontos, 8 rebotes, 6 assistências
Jefferson: 27 pontos, 4 rebotes
Rafael: 12 pontos, 4 rebotes, 2 assistências
Leonardo: 8 pontos, 7 rebotes, 2 assistências
Guilherme: 6 pontos, 2 rebotes, 2 assistências
Wesley: 3 pontos, 2 rebotes
Paulo: 2 pontos
Murilo: 2 pontos, 3 rebores
Robert: 4 rebotes

canhota-zapzap-perfilQuer ser avisado(a) quando houver texto novo no CANHOTA 10? Basta salvar o número +55 14 98109.6388 na agenda do seu celular e enviar um recado via WhatsApp solicitando a inclusão na nossa lista. É rápido!

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *