Categorias
Bauru Basket

Paschoalotto Bauru vai passar as festas sob desconfianças no NBB

Derrotas para o líder Paulistano e o lanterna Liga Sorocabana escancaram que o Dragão está longe de estar pronto para o título do NBB

retranca-NBBO Paschoalotto Bauru terá merecido descanso para as festas de fim de ano, depois de um 2015 intenso, mas não há como negar que o panetone vai ter um gostinho azedo, depois das duas recentes derrotas no NBB 8, contra o líder Paulistano e o lanterna Liga Sorocabana. O Dragão já soma três derrotas em 13 jogos na competição e está na vice-liderança, com o Flamengo colado.

Não é clichê, perder faz parte, é do jogo. Sobretudo para um time arrumadinho como o do Paulistano, bom no papel e na prática — Caio Torres está fininho e deu uma aula de ‘pivotagem’ a Hettsheimeir. Por outro lado, ser derrotado para o lanterna, um time recém-saído de um W.O. e com nervos sempre à flor da pele… Também acontece, mas o que preocupa é COMO perdeu.

O diagnóstico foi dado pelo próprio time, nas entrevistas pós-jogo ao Chico José (Auri-Verde/Jornada Esportiva):

“Eles deram um banho de disposição em nós”, disse Léo Meindl.

“Faltou atitude de novo. Quem quer chegar na liderança não pode perder esse tipo de jogo”, cravou Ricardo Fischer.

“Vai demorar pra digerir essa derrota, que não estava nos planos. Mas temos que saber lidar com isso e ao mesmo tempo enaltecer a forma como Sorocaba jogou, com coração e disposição. Não entramos focados no que tínhamos que fazer. Serão férias de cabeça inchada para solucionar algumas situações”, lamentou o técnico Demétrius.

Imagino a opinião de Alex Garcia sobre esse momento e o tamanho da bronca que ele deve ter dado no vestiário, mas gostaria de ter ouvido o ponto de vista do CAPITÃO do time. Mas ele foi logo para o vestiário e no material de imprensa do time somente o treinador se manifestou…

Se a cabeça já estava nas miniférias ou não, o que importa é que 2016 vem aí, com Liga das Américas, mas sobretudo com a obsessão do NBB 8 no cangote dos guerreiros — lembrando que a palavra obsessão não surgiu na imprensa, é termo interno mesmo.

Que estejam obcedados pela vitória, pois, em cada partida, em cada bola disputada, em cada arremesso. Hoje, o Paulistano é quem pratica o melhor basquete e o Flamengo, já sabemos, está sempre à espreita, com um bote que costuma ser fatal. A temporada está em xeque.

 

Foto: Caio Casagrande/Bauru Basket

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *