Categorias
Bauru Basket

Bauru 3, Mogi 2: o campeão voltou

Paschoalotto Bauru derrota Mogi no jogo 5 da semifinal do NBB 7 e está na decisão contra o Flamengo

NBB(Direto da Panela) O jogo não foi um primor, mas quem se importa. Valia vaga na decisão do NBB 7, depois de tanto sufoco. O Paschoalotto Bauru bateu Mogi, em casa, por 77 a 65 e conquistou a inédita vaga na final do NBB. Por mais que seja campeão das Américas, campeão da América do Sul, a ambição maior sempre foi o nacional. Então, nessa noite valia vencer nem que fosse com um pontinho a mais arrancado no soar do cronômetro. Mas ainda bem que, na segunda metade do último quarto, o time abriu vantagem e administrou. Algo raro nos últimos jogos e que voltou a acontecer na hora certa. Na hora em que tem que ressurgir o campeão. E ele voltou: um Dragão mordido, cheio de energia, mordendo cada bola, jogando-se no chão, brigador.

OS CARAS
Difícil, nesse grupo de feras, apontar um herói da noite. Porque foi bom demais ver Robert Day ressurgir em casa, depois das duas boas partidas em Mogi. A Panela sentia falta de uma atuação categórica do Especialista: quatro triplos em cinco tentados. Bom também ver a canseira que Gui Deodato e Larry Taylor deram Shamell e Tyrone, que sumiram. De quebra, ainda guardaram umas bolinhas. Melhor ainda ver Ricardo Fischer puxar a pontuação com boas infiltrações e dois chutes de fora preciosos na hora de desafogar o placar. Mas, sejamos justos: Murilo Becker destoou. Foi o reboteiro da noite, roubou duas bolas e foi quem mais sofreu faltas — sendo perfeito nos lances livres, a exemplo de todo o time, aliás. Escrevi no texto passado: o cara é MVP, não esqueceu como se joga. Vai ser fundamental contra o Flamengo, na decisão.

O ENXADRISTA
Guerrinha foi cirúrgico dessa vez. Promoveu um revezamento intenso, até parecia vôlei — o cara entra, faz uma jogada e sai. Tirou Murilo e Hett para respirarem preciosos segundos, otimizou os minutos de Gui e Day — qualidade em pouca quantidade de tempo. Parecia que estava sempre o melhor quinteto em quadra.

ALEX TÁTICO
Apenas dois pontinhos em 38min em quadra. De fato, o Brabo ficou devendo no ataque, mas pegou três rebotes, deu oito assistências, roubou duas bolas. Era ele a cadenciar o ataque, orientar o companheiro, ser o líder de sempre. Na decisão, precisará voltar a fome de cestas. Mas hoje foi discretamente importante.

EXCEÇÃO
Difícil ver Hettsheimeir jogar mal. Mas aconteceu. A bola teimou em não cair, perdeu divididas que não costuma perder na briga do garrafão, enfim, uma exceção. Que ele mesmo admitiu, quando eu perguntei em tom de corneta porque a mão estava ruim. Mas funcionou na bolinha de três no último período, ainda bem. Tem crédito, o Canela.

FLAMENGO
A varrida sobre Limeira mostrou que o clube carioca reencontrou seu melhor basquete, Marquinhos está voando e o arsenal ofensivo do elenco é do mesmo nível de Bauru. Vai ser pau a pau. Jogo 1 no Rio, terça (26/mai), às 21h30. Depois, Marília, quem diria, será a casa bauruense. Que seja uma invasão, para fazer barulho num ginásio em que cabem sete mil pessoas. Jogo 2, sábado (30/mai), às 10h. No sábado seguinte (6/jun), se necessário, também às 10h. Promessa do jogos 2 e 3 na TV Globo.

ABRE ASPAS
Nesta quinta subo o áudio das entrevistas, que ficaram bacanas.

NUMERALHA
Ligeirinho Seleção: 20 pontos, 3 assistências, 2 roubos de bola
Murilaço, MVP: 17 pontos, 12 rebortes, 2 roubos de bola
Roberdei, Especialista, detonador: 14 pontos
Hett: 9 pontos, 7 rebotes (mesmo mal, quase duplo-duplo…)
MC Alienígena: 8 pontos, 6 rebotes, 7 assistências, 3 roubos
Gui, o carrapato: 7 pontos (e apenas 7 de Shamell!)
Brabo: 2 pontinhos, 3 rebotes, 8 assistências, 2 roubos

Pra finalizar (por enquanto), um videozinho dos instantes finais da partida:

https://youtu.be/n4CgP4b7jgY

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *