Categorias
Bauru Basket

O Alienígena voltou! E Bauru venceu São José…

Larry x Fúlvio, o grande duelo da noite. Foto: Sergio Domingues/HDR Photo

Não curto papo de revanche. Bauru só vai vingar São José num playoff. O que valeu nessa noite em que o Dragão bateu a Águia por 87 a 82 foi vencer um duelo que já se tornou um clássico do basquete brasileiro. Foi ver Bauru entrar no G-4 (ocupando de forma isolada a quarta posição) e, principalmente, ver Larry Taylor em noite de Alienígena.

Não que o camisa 4 viesse jogando muito aquém de seu enorme talento. Mas havia diminuído a responsabilidade, agora dividida com a juventude de Ricardo Fischer e Gui. Entretanto, quando o time precisou que ele voltasse a ser o homem decisivo, ele botou a bola embaixo do braço e resolveu, com 12 pontos no último quarto — pois São José havia virado o placar a 2min do fim da partida.

“Eu tique que chamar a responsabilidade, sou líder do time e tive a chance de fechar o jogo para a gente”, resumiu o camisa 4 ao repórter Marcelo Rocha (Jornada Esportiva). E é líder mesmo. Ele é um dos capitães do time, ao lado de Fernando Fischer — no campeonato Paulista, eram Mosso e Fischer. Provavelmente Guerrinha confiou a Larry esse posto para diminuir a timidez do gringo-brasuca, que não é de falar alto, tampouco discutir com colegas — um tipo de vibração que às vezes faz falta.

O Alienígena fechou a partida com 25 pontos, 11 rebotes (duplo-duplo) e cinco assistências.

O jogo
O primeiro quarto foi de São José, que se deu melhor no duelo de chutes de três (quatro acertos contra três) e não errou lances livres, o que colocou o visitante na frente, 26 a 22. No segundo período, Bauru reagiu, fazendo parcial de 22 a 15 (dez pontos de Coleman e cinco de Detrick) e indo para o intervalo na frente: 44 a 41.

No terceiro quarto, o Dragão administrou bem o placar e conseguiu ampliar a vantagem, inclusive deslanchando logo de cara, com dez pontos seguidos. Com 66 a 58 (parcial de 22 a 17), tudo parecia tranquilo, até que dois dos melhores armadores do NBB começaram a duelar. Fúlvio liderou uma reação de São José, que virou o placar nos instantes finais. O camisa 11 de amarelo fez nada menos do que 14 pontos no último quarto. Larry não deixou por menos, com 12 pontos decisivos, inclusive as últimas cestas que decretaram a vitória bauruense.

E se o Alienígena voltou, igualmente o Dragão se impõe de novo na Panela e alcança um quarto lugar que poucos imaginavam no início dessa caminhada no NBB5. Essa equipe soube se reinventar, superar as dificuldades e voltar a fazer o torcedor sonhar.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *