Categorias
Esportes

Fala, universitário: Renato Diniz analisa 1º GP da F1

Para o comentarista, Vettel venceu, mas a Red Bull ainda não convenceu

Melbourne: deu Vettel, mas…

Por Renato Lopes Diniz

Vettel na frente: rotina em 2011?

Fim da angústia dos fanáticos pela velocidade. A Fórmula 1 começou depois de uma escapada na grama causada pela política.

A temporada 2011 teve início com 15 dias de atraso, não exatamente por causa das revoltas no Bahrein, mas por causa do grande atraso ético da categoria, que tem longo histórico de convivência amistosa com ditaduras e opressão (cito como exemplos o general Franco na Espanha e o regime de apartheid na África do Sul). Sem condições para a realização do GP, o jeito foi cancelá-lo.

Concentrando-nos apenas nas pistas: as mudanças no regulamento implorando por ultrapassagens deixam claro que as corridas não estavam agradando. Na Austrália, as disputam foram razoáveis. Se formos considerar que Melbourne praticamente não permite ultrapassagens, digamos que a missão foi cumprida.

Não dá para afirmar com certeza que a Redl Bull está um degrau acima. Vettel ganhou com facilidade, mas seu companheiro Mark Webber, correndo em casa, fez uma corrida apagadíssima. Talvez possamos concluir o óbvio: Vettel é gênio, Webber não.

Já o russo Vilay Petrov foi a grata surpresa. O seu lugar no pódio – primeiro da Rússia na categoria – deixa claro que a Lotus Renault (a preta e dourada) será uma das grandes de 2011. Imagine se Kubica estivesse lá…

Já o caso dos brasileiros não abre espaço para o “se”. Massa resistiu 11 voltas aos ataques de Button. Perdeu a posição e, logo em seguida, foi ultrapassado por Alonso, sem qualquer resistência. Desse jeito, não passará de um escudeiro.

E enquanto Marussia Virgin, Hispania e Team Lotus (a verde e amarela) se consolidam como equipes pequenas, não há mais dúvida de que a Force India se estabelece como equipe mediana (no bom sentido). Seus dois carros pontuaram na Oceania.

Fica dica:
Para quem não tem mais paciência com Galvão Bueno, Reginaldo Leme e Luciano Burti, a dica fica para a ótima transmissão da Rádio Bandeirantes. Além de precisa, é agradável e divertida. De madrugada então, ajuda a não perder o sono.

Renato Lopes Diniz é estudante do quarto ano de Jornalismo da Unesp/Bauru, estagiou na 94FM e irá assumir novo desafio na rádio Auri-Verde.
twitter: @russologoexisto
blog: www.russologoexisto.blogspot.com


Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

1 resposta em “Fala, universitário: Renato Diniz analisa 1º GP da F1”

É parceiro, sorte que gostamos muito disso já que não anda sendo muito MASSA torcer pro BRASIL na F1…salvo a revolta de RUBINHO que está correndo parece com a DELOREAN de Michael j. fox “De volta para o futuro” ,vendo que perto da aposentadoria está com uma audácia que nunca teve,mas nas posições em que sempre esteve…Abraço;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *