Categorias
Esportes

O vexame do Brasil na Copa América de basquete

Seleção Brasileira de basquete volta da Copa América sem vencer

Quatro derrotas em quatro jogos. Tropeços para adversários teoricamente “batíveis”. Não se imaginava tomar 29 pontos do Canadá, perder para o Uruguai e eu nem sabia que se jogava basquete na Jamaica. Depois do quinto lugar na Olimpíada de Londres, a Seleção Brasileira deu um gigante passo para trás — e terá que recorrer a um humilhante convite se quiser estar presente no Mundial de 2014.

Nem vale tocar no assunto das ausências de Nenê, Splitter, Leandrinho, Varejão e cia… Por contusão ou problema burocrático com a NBA, é cenário repetitivo e o técnico Rubén Magnano deveria saber lidar com isso. Se faz bem ou não de convocá-los mesmo assim para expor suas negativas, cada um que avalie. O certo é que o grupo, mesmo sem essas feras, deveria ter feito melhor papel na Venezuela.

O que ficou evidente foi a fragilidade física, sobretudo no garrafão, que resultou numa defesa vulnerável. E o ataque, com poucas variações e muito dependente de Marcelinho Huertas, teve pontuação baixa nesses quatro jogos.

Que o fracasso sirva, pelo menos, para expor as feridas da CBB, que hoje existe quase que exclusivamente para gerir a Seleção — já que os clubes criaram ligas para organizar seus campeonatos nacionais (até na base masculina!) — e mesmo assim não consegue fazer um trabalho de excelência. Apostou todas as fichas em Magnano e ele se mostrou, como qualquer um, falível. E fica ele também exposto, seus métodos autoritários que criaram antipatia na comunidade basqueteira nacional.

Não é o caso de demitir o treinador, com contrato até 2016. Mas o trabalho de avanço que ele havia conquistado escorreu pelos dedos. Terá que começar tudo de novo.

Larry Taylor
O gringo-brasuca do Paschoalotto Bauru sucumbiu junto com os colegas. Era evidente seu esforço, sua dedicação se desdobrando na defesa, mas seus números foram tímidos: médias de 6,8 pontos, 5,5 rebotes e 2,3 assistências. A minutagem aumentou em relação à Olimpíada: 29min em quadra, contra 11min em Londres.

Seu retorno a Bauru é imediato, já que teve férias antes de se apresentar a Magnano. Terá um tempo para se “reprogramar”, como disse Guerrinha, mas o fato de voltar com mais ritmo de jogo e com uma atuação menos burocrática do que a de 2012 deve ajudar.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *