Categorias
Bauru Basket

Abre aspas: Bauru 67 x 62 Pinheiros

A seguir, declarações pós-jogo da importante vitória bauruense.

“É muito emocionante estar aqui pela primeira vez. Vê-lo jogar… Larry está mesmo feliz com minha presença. Ficarei sete dias na cidade”, contou a mãe do Alienígena, IRIS TAYLOR.

“Com a mãe aqui, tinha que jogar bem para ela! Chegou hoje, três da tarde, e disse que ela teve sorte, que veria um bom jogo. Ela me deu inspiração”, comemorou LARRY. “A gente sabe que teve dificuldades em jogos decisivos. Mas acho que, nesse campeonato, mudamos totalmente. Estamos sabendo jogar contra times difíceis. Ganhamos do Flamengo lá no Rio… Estamos fazendo o caminho certo. Hoje foi importante, porque precisávamos dessa vitória”, finalizou o camisa 4.

“O campeonato agora está mais difícil. Parece que escorregamos contra o Palmeiras, mas é um time que se acertou. Todos os times estão assim, uma hora perdem. Com exceção do Brasília, que encaixou uma sequência grande”, comentou PILAR, que avaliou a vitória sobre o Pinheiros: “Esse jogo foi de placar baixo, com muitos erros, mas erros porque as defesas pressionaram. Conseguimos a vitória num jogo decisivo”. O Cavalo também falou da reviravolta do time na temporada. “Estamos trabalhando forte para chegar no G-4. A gente vem amadurecendo desde a derrota no Paulista. Foi um aprendizado e o time cresceu muito”, concluiu.

Já o técnico GUERRINHA deu muita bronca no time durante a partida. E explicou por que: “Eu estava cobrando, porque senti a equipe cansada. Contamos com poucos jogadores, que estão sentindo”. O treinador disse estar tentando recuperar Jeff Agba, que, recuperado fisicamente, vive mal momento técnico. “O Jeff tem que voltar no nível que ele é. Mas não dá para colocar ele no fim do jogo, em momento decisivo… Tem que dar uma minutagem no primeiro tempo, se for bem, volta. Quem determina o tempo de quadra é o jogador. Ele está tentando”, contou. Sobre “descansar” alguns dias se ficar no G-4, Guerra pondera. “No sentido de recuperar fisicamente, é positivo ficar no G-4. Mas a gente perde um pouco de ritmo. O mais importante agora não é nem ficar entre os quatro, mas chegar forte no playoff. E não estamos prontos ainda. Se jogarmos com essa equipe hoje, vai ser difícil passar à semifinal. A gente está preocupado em ganhar os jogos e melhorar o time. Hoje, mesmo não jogando bem, valeu pela defesa e pelo espírito”, comentou, com sua sinceridade habitual.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *