Categorias
Esportes

As lições de um bicampeão da Libertadores

Internacional colhe frutos de projeto que começou com o vice brasileiro de 2005

A maioria dos grandes clubes brasileiros depende, pedantemente, do dinheiro da TV para sobreviver. Tanto que muitos deles pegam adiantadas cotas de anos seguintes para taparem seus buracos financeiros.

Enquanto isso, o Sport Club Internacional tem receita com sócios-torcedores (que já ultrapassaram a barreira dos 100 mil) equivalente ao que recebe da TV por direitos de transmissão. Vem modernizando seu estádio para receber bem os torcedores. Estimula a alternância de poder na presidência do clube.

Tudo isso dá resultado em campo. Ganhar campeonatos importantes no atropelo, com salários atrasados e departamento de futebol desoganizado, hoje, somente exceções como o Flamento no Brasileirão 2009. Os últimos brasileiros campeões da América são, não por acaso, São Paulo e Internacional.

Nem tudo é perfeito, claro, e o próprio Colorado correu um risco muito grande ao trocar de treinador no meio da competição, provando que seus dirigentes ainda se comportam como cartolas amadores em algumas ocasiões – o Tricolor paulista também andou dando mancadas nos últimos tempos. O trunfo dessa troca foi que Celso Roth teve tempo, durante a parada para a Copa do Mundo, de colocar a casa em ordem. Manteve o time entre os melhores do Brasileirão e conquistou a América.

Que os adversários se espelhem nos muitos acertos do Inter, que vem chegando forte nas competições nacionais e internacionais desde o vice-campeonato brasileiro de 2005: mais dois vices nacionais (2006 e 2009), duas Libertadores (2006 e 2020), um Mundial (2010), uma Sul-Americana (2007) – além dos caça-níqueis Recopa (2007) e Suruga (2009). Além disso, em seu terreiro, o time do Saci ganhou seis dos dez estaduais.

Parabéns ao Colorado, sobretudo aos seus torcedores, que agora se igualaram aos rivais gremistas em títulos continentais e poderão passar no quesito Mundial, em Abu Dhabi, em dezembro.

Internacional bicampeão Libertadores América 2010
Que bom que lembraram de colocar o contundido Alecsandro na pose para a foto que foi eternizada ontem. O artilheiro (e bauruense) foi importantíssimo na campanha.

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *