Dema: “Grandeza do Bauru Basket motiva os jogadores”

Demetrius, o Dema, ao lado de Larry Taylor

retranca-bauru-basketO Sendi/Bauru Basket inicia a temporada 2018/2019 neste sábado, estreando no Campeonato Paulista contra o América, em São José do Rio Preto, às 17h. Com elenco praticamente reformulado, que mistura o retorno de ídolos com a aposta em jogadores que vestirão a camisa mais pesada em suas carreiras. E com a manutenção de um dos treinadores mais badalados do basquete brasileiro, Demétrius Ferracciú, que conversou com o CANHOTA 10 durante a festa de apresentação do novo time. Dema, que está animado com o desafio de encarar, pela primeira vez, o estadual com ambição de título (com “pé embaixo desde o início”, reforçou o presidente Beto Fornazari), falou sobre a boa impressão nos treinamentos, o trabalho com Larry Taylor e sobre a sua “semana do fico“.

Cada time, cada temporada, tem a sua história. O que esse time 2018/2019 vai render em empenho e qualidade para sonhar com títulos?
A entrega deles no dia a dia já me diz muita coisa. É o que todo técnico espera de uma equipe. Principalmente dos jogadores que vieram sabendo da importância de representar o Bauru Basket, de sua grandeza. Isso dá mais motivação para eles evoluírem. Espero uma equipe bem coesa defensivamente, fortalecida fisicamente, com contra-ataque forte.”

Como você está trabalhando com essa mescla de ídolos, de qualidade inquestionável, com jogadores que estão no maior espaço da carreira deles (como Renato e Marcão)?
Quando trouxemos esses jogadores, visualizamos também o crescimento pessoal e técnico deles. Não foi somente porque fizeram uma campanha boa anteriormente. Vejo possibilidade de evolução em cada jogador, mesclado com a experiência do Larry, do Jé e do Alex, que está voltando, que são os líderes. Se cada um souber a sua função e sua importância, vai fortalecer muito a equipe.”

Quando você chegou ao Bauru Basket, o Larry já não estava mais. Obviamente, sabia do tamanho dele na história do time, mas como foi entrar em contato com essa história viva?
Quando você ouve falar, é uma coisa. Quando vê a realidade, é outra. Uma apresentação como a dele [na Panela] eu ainda não tinha visto no Brasil. O carisma que ele tem, todos o adoram… Com 38 anos de idade, é um dos que mais correm durante o treinamento. Esse carinho da cidade é um combustível, ele se entrega mais porque tem certeza de que aqui realmente é a casa dele.”

E aquela semana decisiva da sua vida? Como foi? Na segunda à noite você estava falando comigo [no programa ENTREVISTA 10], foi ao Rio de Janeiro no dia seguinte, voltou e deu o sim na sexta-feira. O que o fez decidir ficar aqui?
Foi uma longa semana. Tensa para mim, profissionalmente, para minha família, por ser uma decisão muito importante, que não envolve só o profissional, envolve esposa, filhas e três anos de uma cidade que me abraçou. Analisei e pesei tudo isso e acabou sendo fácil, pelo esforço que a diretoria fez para eu permanecer. Fui ao Rio, conversei, depois que voltei conversei com o Beto [Fornazari, presidente do Dragão] e conseguimos alinhar a minha renovação. Não foi uma decisão fácil, mas foi prazerosa, pela cidade, pela estrutura e pelo Bauru Basket, e por saber que vou ficar por mais dois anos aqui com esse projeto.”

DESFALQUE
Para a partida de estreia no Paulista, além de Alex Garcia, Gui Santos e Jaú (que fez cirurgia esta semana e só volta em 2019), o Dragão não irá contar com Larry Taylor, com desconforto na panturrilha. A partida terá transmissão da rádio Jovem Pan News Bauru, da Federação Paulista e do canal da Web TV Sem Limites.

 

Foto: Victor Lira/Bauru Basket

Entrevista 10, edição 7: Maria Amelia e o handebol feminino de Bauru

handebol

Esta sétima edição do ENTREVISTA 10 foi muito especial. Nela, fechamos o ciclo de já ter trazido ao programa todas as modalidades coletivas do esporte de Bauru que disputam  competições de elite. E como Bauru é privilegiada neste sentido: Futebol, basquete, vôlei, polo aquático, futsal e handebol! O destaque da vez foi a AABB/Semel/FIB/Bauru Handebol, representada pela treinadora Maria Amelia Theodoro e das jogadoras Bruna e Dayana — convidei para dar um alô às câmeras suas colegas que estavam nos bastidores. Esta menininha bonita ao meu lado no encerramento é minha filha Ana. Foi ver o pai trabalhar e encerrou a atração com seu gracioso tchau.

É relevante acompanhar esta entrevista para conhecer a luta de Maria Amelia pelo handebol. Trouxe jogadoras que buscam espaço, que aceitaram atuar com ajuda de custo e receberam bolsa de estudos nas Faculdades Integradas de Bauru. E que têm um longo calendário pela frente, na elite estadual da modalidade, na liga paulista (um patamar menor), além de defender o título dos Jogos Regionais e atuar nos Abertos. Muita força para vocês, mulheres do handebol!

Apoio cultural ao ENTREVISTA 10

Empresas que quiserem patrocinar a atração terão espaço durante a exibição (logomarca, slogan e contato), em banner no rodapé da tela. O investimento mensal é bem convidativo e o nível da conversa promete um bom valor agregado. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail fernandobh@canhota10.com ou pelo telefone (14) 99115.1360 (inclusive WhatsApp).

Dias e horários das reapresentações do ENTREVISTA 10 no canal 14 da NET:

Terça: 19h
Quarta: 10h
Quinta: 1h e 16h
Sexta: 6h, 21h
Sábado: 12h
Domingo: 7h e 22h
Segunda: 7h

O ENTREVISTA 10 é uma parceria do CANHOTA 10 com a TV FIB

De técnico e futebol novo, Noroeste volta ao G4!

técnico Alberto estreia

O Noroeste venceu nesta quarta o E.C. São Bernardo, por 2 a 0, fora de casa e encarando a grama sintética. A vitória valeu o retorno ao G4, alcançando a terceira posição, com 17 pontos (a dois do líder Atibaia, que perdeu na rodada). Mas valeu, principalmente, para inaugurar uma nova fase da equipe. Foi a estreia do técnico Alberto Félix, apresentado na última segunda no lugar de Tuca Guimarães, cuja saída, apesar de justificada por motivos familiares, concretizou-se conturbada pela forma como foi conduzida — a ponto de ser criticado publicamente pelo presidente Estevan Pegoraro.

Ao final da partida, ao microfone de Jota Martins (Jovem Pan News), o goleiro Ferreira rasgou o verbo sobre o ex-comandante:

Era um cara que tirava nossa confiança pra jogar… Com o novo treinador, mudou a pegada, a atitude, todo mundo deu carrinho. Série A3 é assim”, cravou Ferreira.

O guapo alvirrubro, aliás, foi fundamental no triunfo. Fez defesa importante já nos acréscimos, jogada que gerou contra-ataque para o gol de Alef, que decretou a vitória — Vilson abriu o placar aos 17 do primeiro tempo.

O discreto Alberto (craque de bola nos anos 90, principalmente pelo Bragantino) chegou, observou, ouviu a comissão técnica e montou um time interessante para encarar o São Bernardo. Escalou a equipe mantendo a zaga, seguida de uma dupla de volantes e três meias (Leandro Oliveira finalmente centralizado!) para servirem Wellington lá na frente.

O Norusca venceu jogando com Ferreira; Pacheco, Jean Pierre, Marcelinho e Ricardinho (Hipólito); Alex Silva, Igor Pimenta, Vilson, Leandro Oliveira (André Rocha) e Samuel (Alef); Wellington.

Com dez rodadas pela frente, o Noroeste sob nova direção em campo tem tempo suficiente para encontrar um novo padrão de jogo e se manter entre os líderes da competição, para chegar tinindo no mata-mata. É bom conter a euforia mas é um recomeço animador — e com dois jogos no Alfredão pela frente.

 

Foto: Luciano Santoliv/MKT Esportes

Derrota para o Atibaia queima a gordura do Noroeste

Noroeste x Atibaia - Série A3 2018

Quando Tavares fez seu segundo golaço na partida, aos 25 do segundo tempo, parte do público (novamente bom, dois mil) começou a ir embora. O Bar do Totó já estava cheio de camisas vermelhas antes de a partida acabar. Quem permaneceu até o fim vaiou o time pela primeira no Alfredão. A derrota para o Atibaia foi a segunda seguida na Série A3, que fez o Noroeste cair da liderança para a quinta posição, apenas um ponto acima do nono colocado.

A gordura se foi , mas o time ainda tem crédito. Isto é: falar em “fora, Tuca” é precipitado. Ele deu padrão de jogo ao time, que vem dominando as ações das partidas — só falta mesmo aproveitar as chances criados, o que venho dizendo há algum tempo. MAS… há uma exceção perigosa: o desastroso segundo tempo de ontem.



O técnico Tuca Guimarães colocou o centroavante Flávio Carvalho, que mal tocou na bola, porque ela nem chegou a ele. Quando teve que sair da área para buscá-la, mostrou pouca mobilidade. Pior: ainda sacou Samuel (excelente primeiro tempo dele!) e Leandro Oliveira, os dois meias criativos, abrindo um buraco entre os três volantes e os três atacantes. Questionado pelo repórter Jota Martins (Jovem Pan News) sobre isso na coletiva pós-jogo, Tuca afirmou que Rodrigo Tiuí foi colocado para armar. Em nenhum momento isso aconteceu: ele sempre esteve alinhado com Flávio e Wellington. Pelo menos, admitiu: “Não jogamos bem hoje”.

Ao propor o desafio de buscar quatro pontos nas próximas duas partidas fora de casa, Tuca sabe que a gordura acumulada no excelente início desta Série A3 (quatro vitórias e um empate) já foi queimada. Três desses pontos viriam contra o Rio Branco, afundado no 18º lugar e sem casa (estádio Décio Vitta, em Americana, interditado). Mais um empate com o São Bernardo (quarto), na grama sintética.

É desses quatro pontos que o Norusca precisa para se manter na metade de cima do G8, seguir contando com a confiança do torcedor e, consequentemente, com a boa média de público no Alfredão.  Próximos jogos em Bauru: dia 17, às 18h30, contra o Grêmio Osasco (remarcado para fugir do sol das 10h de domingo); dia 21, clássico contra o rival Marília, que vem reagindo.

Resumindo, temos dois momentos do Noroeste após sete rodadas: um início animador e uma queda de rendimento (um gol marcado e cinco sofridos em duas partidas). Com doze rodadas pela frente, os ajustes de agora podem trazer uma nova fase crescente, que tem início crucial no próximo domingo.

 

Foto: Bruno Freitas/Noroeste

Tuca Guimarães: “Vamos fazer uma grande competição”

Tuca Guimarães - Noroeste

Um profissional seguro e ambicioso — na melhor concepção dessa palavra. Foi a impressão que tive de Tuca Guimarães, treinador do Noroeste desde agosto de 2017, quando lhe foi confiada a missão de montar a equipe que vai disputar a Série A3 com objetivo declarado de buscar o acesso. À beira do gramado de Alfredo de Castilho, enquanto o gramado era aparado e outros ajustes eram feitos no palco alvirrubro, Tuca conversou com o Canhota 10 sobre o padrão de jogo que deu ao time , sobre o calendário apertado que exigiu a montagem de um elenco qualificado e anunciou que vai fazer rodízio de capitães. Também comentou passagens de sua carreira, revelou um arrependimento e deixou claro que mira a elite nacional a curto prazo. As linhas abaixo são uma boa oportunidade de o torcedor do Norusca conhecer Tuca e ter uma boa ideia do que esperar de seu trabalho.

Você teve tempo para trabalhar o time e seus conceitos. Está satisfeito com o que foi realizado?
A princípio, a satisfação é grande. Realizamos o que havia sido planejado. Era o primeiro ponto na nossa caminhada. Outra situação importante é que não tivemos nenhuma lesão muscular. O time está inteiro. Isso mostra que o trabalho foi bem realizado, as etapas foram bem executadas. Vamos começar com um nível bom para estreia, pois sabemos que o ritmo de competição é diferente do de amistosos. Mas nosso ritmo vai ser forte.”

Por serem muitos jogos em pouco tempo, você vai precisar repor peças durante o campeonato. Todos estão prontos e alinhados com um padrão tático?
Temos 25 jogadores de linha que qualquer um deles pode ser titular. Qualquer um que for designado está em condições de entrar e jogar. Conseguimos montar uma equipe homogênea. Quanto ao formato da competição, vai se sair melhor quem conseguir oxigenar a equipe. Nós vamos poder fazer isso, em função da qualidade do elenco. A partir da terceira rodada, quem tiver de quatro a cinco peças frescas vai levar vantagem no segundo e terceiro quarto da partida [metade final do primeiro tempo e metade inicial do segundo], que é quando tudo acontece.”

São muitos jogadores experientes no elenco, com perfil de liderança. Já definiu o capitão? Além disso, nem todos vão ser titulares, mas serão importantes para incentivar o grupo. Como lidar com esses medalhões?
Tínhamos a opção de montar um time com dezoito atletas e complementar com meninos com fome por um espaço. Corri disso. Preferi montar um time para brigar por título, que conta com 25 jogadores de linha, todos com condição de ser titular em qualquer time da A3. E talvez alguns fiquem até fora da relação do jogo, mas vão ter que entender que isso é a caminhada de uma equipe vencedora. Em relação ao capitão, a faixa vai ser transitória. Vou variar bastante, cada hora num braço. Vamos entender momento, jogo, adversário e vou buscar ter 25 líderes no meu time.”



Qual o estilo de jogo de um time do Tuca?
Equilibrado. Não acredito em nenhuma situação que perdure por noventa minutos. Temos que variar bastante as ações e estamos treinando para isso. Mas é uma equipe compacta, que tem bastante jogadores pisando no terço do campo onde o jogo estiver se desenrolando. É dessa forma que conceituo o jogo e que vamos atuar. Uma equipe muito sólida para defender, mas que consiga atacar com bastante gente pisando na área adversária. Esse é o conceito do futebol moderno. ”

Você tem muitas opções do meio para a frente com diferentes características. Independentemente dos números do esquema, vamos ver variações ofensivas?
Exatamente. Não me apego muito na plataforma tática. Isso varia bastante durante a partida e, se treinamos, podemos variar. E sem dúvida que a característica conta muito. Temos meia de armação, atletas de velocidade com profundidade, homens de área de referência, homens de área com mais mobilidade. Isso dá para variar de acordo com o momento da competição e com o adversário. Até com relação ao desgaste dos atletas. Temos que levar em consideração, e isso vale para todos os times, que são jogadores de uma prateleira de mercado que não têm lastro de jogos o ano todo. São jogadores de uma média de vinte e poucos jogos por ano e que de repente ficam expostos a dezenove partidas em praticamente sessenta dias, um volume muito maior do que estão acostumados. Então, se não tiver um giro de elenco, a tendência de ter problemas de lesão ou quedas acentuadas de produção aos vinte do segundo tempo é muito grande. Vamos minimizar isso com a qualidade do grupo.”

Com remanescentes da Copa Paulista e reforços que você teve a oportunidade de escolher a partir de uma convivência anterior, você conseguiu dar a cara do time que pretendia?
Sem dúvida. Extraímos o que era melhor do grupo anterior e qualificamos. Melhor, impossível. Temos um grupo muito competitivo para a Série A3. Nem falo em conter a euforia da torcida. Isso é natural e vai nos ajudar bastante. A busca é pelo acesso. Mas temos que pautar nossa caminhada por degraus. Nosso primeiro degrau é nos mantermos no G-4 para poder planejar a segunda fase, que é mata-mata.”

Tuca Guimarães - Noroeste
Orientando os jogadores: Tuca quer todos de prontidão para as oportunidades. Fotos: Bruno Freitas/Noroeste

São duas situações. Tem que preparar o time para se comportar em pontos corridos, depois reagir rápido para sobreviver em mata-mata. Como a sua vivência de atual campeão da A3 pode ajudar?
São duas competições. Primeiro, acumular gordura, estabilidade no G-4, para ter paz nas últimas rodadas. Aí, planejar o mata-mata, quando não se pode errar. Haja vista o Olímpia, que foi perder seu primeiro jogo justamente no jogo do acesso, dentro de casa, para nós [Nacional]. Acaba apagando tudo o que foi feito durante a competição por aquele momento. Mas vamos com certeza chegar fortes no mata-mata, só que antes temos que viver intensamente os pontos corridos e garantir o quanto antes a vaga no G-8.”

Pelo que observou na montagem dos elencos dos adversários e pelos trabalhos, viu times que despontam como principais oponentes do Noroeste?
É uma divisão que é difícil mensurar forças antes de ser dada a largada, principalmente em função dessa falta de lastro. A maioria das equipes com jogadores que estavam parados desde a primeira fase da Copa Paulista, por exemplo. Então, até essa equipe mostrar o que vai fazer, são três ou quatro rodadas. Claro que temos informações pontuais que ajudam, mas os primeiros vinte minutos dos jogos é que vão ser fundamentais para tomar decisões.”

Há uma discrepância entre a Série A do Brasileiro e a Série A3. O que você tirou de aprendizado da sua passagem pelo Figueirense que pode aplicar nesse momento?
O Figueirense foi um divisor de águas para mim pela forma como fui acolhido pelos atletas. Minha ida para o futebol de campo foi complicada por conta de conceitos, trouxe muita coisa do futsal. E como isso seria recebido era uma coisa que me incomodava bastante. Peguei jogadores experientes, como Carlos Alberto, Rafael Moura. Mas tudo foi bem aceito, me abraçaram de uma forma… Isso me deu muita segurança para dar sequência, entender que estava trilhando um caminho diferente, mas correto. Na minha carreira, talvez eu tenha errado de não ter assumido o Boa Esporte [no início de 2017] para ir para a Portuguesa. Apostei num gigante, mas não sabia como era a Portuguesa internamente e me deparei com uma situação complicada. Tive doze dias para montar um time e acabei tendo problemas. De lá, assumi o Nacional na A3 em décimo lugar, com risco de rebaixamento, e acabamos tendo uma campanha fantástica. Aí veio o Noroeste. Costumo encarar os desafios com a mesma intensidade, aqui ou no Figueirense é igual. Quero de coração que a imprensa, a cidade, a torcida criem uma atmosfera para que o Noroeste seja muito forte dentro de casa. E que eu coloque o meu nome nessa página de reconstrução de um grande clube. Que o clube volte para a A2, depois A1, tudo degrau por degrau. Estou encantado com a mobilização das pessoas. Tudo isso é pautado em paixão, temos que ter cuidado com isso, mas tenho certeza de que a resposta em campo vai ser boa e o Noroeste vai voltar a ser forte.”

Já que mencionou a carreira: sua passagem pelo futsal é bem-sucedida. O que trouxe de lá, de conceitos para aplicar nesse campo maior?
Trago tudo. Minha linha de trabalho foi montada em dez edições de liga nacional, dois anos de seleção peruana, Copa América, seletiva de mundial, fui vice-campeão da Libertadores de futsal em 2009. Trouxe essa experiência para o campo. Em 2003, quando estava na seleção peruana, o treinador do campo era o Paulo Autuori. Treinávamos no mesmo lugar e um dia comentei com ele que tinha vontade de migrar para o futebol. Ele me disse que eu tinha uma ferramenta que poucos tinham, que se eu soubesse aplicar, iria abreviar a fila. Foi a partir dali que comecei a criar minha relação com o futebol, esperando minha oportunidade. O começo foi duríssimo, tomei muita pancada em time que não pagava, estruturas ridículas. Mas nunca recuei. Tive propostas para voltar a futsal, pela credibilidade que construí lá, mas sabia onde queria chegar. Acredito que o futsal é um divisor de águas. O PC [Oliveira, ex- treinador da seleção de futsal] já começou com sucesso [campeão da Copa Paulista 2017 pela Ferroviária]. É uma modalidade que pode acrescentar muito ao futebol, como o vôlei e o basquete nos exemplos de gestão. São modalidades com menos esquemas, menos meandros. Espero conduzir minha carreira assim para voltar a uma prateleira de mercado onde já pisei. E num futuro não muito distante.”



Quais são suas referências na profissão? Além do Branco (lateral-esquerdo campeão do mundo em 1994), de quem foi auxiliar, quem mais o ajudou a formatar o seu jeito de ver o futebol?
O Branco é um pai que eu tenho. Falo com ele a cada três dias. É um ídolo que virou amigo. Tenho um respeito enorme, pela pessoa que é. Quando fui efetivado no Figueirense [setembro de 2016], foi na mesma época que surgiram Jair Ventura, Zé Ricardo, Marcelo Cabo… Formamos um grupo, conversávamos muito, temos uma linha parecida na qual acredito. Claro que cada um pode ‘chegar ao Japão’ por caminhos diferentes, mas acredito no trabalho equilibrado, na quantificação de treino, em criar situações de jogo no treinamento… No futsal, o PC me ajudou demais. Em 2000, quando assumi o juvenil do Corinthians, ele era treinador da GM e permitiu que acompanhasse os treinos dele. Segui a linha dele fielmente, depois fui criando minhas ramificações. Mas foi um cara que pautou meu início de uma forma fantástica. Em gestão, sou fã de carteirinha do Bernardinho, da forma como ele conduz pessoas. Construo com um pouquinho de cada um e dou a minha cara para buscar um futuro promissor.”

Para ajudá-lo nessa missão, você tem duas pessoas na comissão técnica muito identificadas com o clube: Marcelo Santos e Diego Kami Mura. Como tem sido esse trabalho conjunto?
O Marcelo já foi meu capitão quando fui seu treinador. Já tinha uma identificação. Eu e o Kami Mura temos uma linha de trabalho muito parecida. Isso se afinou com muita tranquilidade. É um relacionamento excelente, são pessoas por quem tenho muito carinho. Estamos conseguindo colocar uma linha de trabalho que vai ser difícil achar alguém melhor preparado. Podemos nos deparar com adversários que estejam tão preparados quanto nós, mas mais preparados vai ser difícil. Vamos fazer uma grande competição.”

Tuca Guimarães - Noroeste
Kami Mura (à esquerda) e Marcelo Santos: afinidade