Categorias
Noroeste

Derrota para o Tupã sacramenta: Noroeste desce para o inferno

Noroeste cai para a quarta divisão…

Tenho chamado a quarta divisão do futebol paulista de inferno. É o fim da linha. O maior dos castigos. O fundo do poço.

O que se anunciava desde as primeiras rodadas se concretizou por antecipação: o centenário Esporte Clube Noroeste está rebaixado mais uma vez. O último punhado de terra para tapar sete palmos foi na pequena Tupã, em mais uma derrota categória, 3 a 1.

Com apenas 13 pontos em 18 jogos (24% de aproveitamento). Três vitórias, quatro empates e 11 derrotas. Agora, futebol profissional em Bauru só daqui um ano, quando o Norusca vai levar sua tradicional camisa às currutelas do mundo da bola.

E por faltar muito tempo, e por ter muito a lamentar, refletir, analisar, ponderar, fico por aqui hoje. Mas vamos repassar,nos próximos dias, os equívocos que trilharam o caminho da Locomotiva rumo ao inferno.

Uma coisa adianto: aqui não se vai choramingar pelos tempos de Damião Garcia. Naquela época, eu era um dos que defendia que o clube deveria se preparar para a saída de cena do mecenas, que não é eterno. Devo fazer parte da “meia dúzia”, então… (escrevi isso, em novembro de 2011).

Não se prepararam, deu no que deu. De 2013 pra cá, bastidores turbulentos e nebulosos deixaram a montagem de um time decente em segundo plano. E o maior símbolo da cidade, cada vez mais abandonado, minguou até chegar a esse momento inimaginável.

O Noroeste perdeu, mais uma vez, jogando com Wellington Aranha;  Alex Bacci, Zé Ilton (Allan) e Glauco; Bira (Ruan), Luiz Azevedo, Lelê e Douglas; Lauro César, Jairo e Adelino (Aguiar).

Por Fernando Beagá

Mineiro de Ituiutaba, bauruense de coração. Formado em Jornalismo e mestrando em Comunicação Midiática pela Unesp, atuou por 16 anos na Editora Alto Astral, onde foi editor-chefe e responsável pela implantação e edição das revistas esportivas. É produtor de conteúdo freelancer pelo coletivo Estúdio Teca. Resenhou 49 partidas da Copa do Mundo de 2018 para Placar/Veja. Criou o CANHOTA 10 em 2010, a princípio para cobrir o esporte local (ganhador do prêmio Top Blog 2013), e agora lança olhar sobre o futebol nacional e internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *