Norusca é sofrer

Norusca é sofrer

Tenho escrito sempre que a essência do torcedor, sobretudo noroestino, é sofrer. A vitória magra sobre o Olímpia, pela quarta rodada da Série A3, foi mais uma prova disso. Nada que abale alvirrubros como o Niltinho, o cidadão da foto acima e figura habitual atrás do gol dos eucaliptos. Faça chuva ou sol, ele está lá. “Se eu não estiver, é porque estou trabalhando“, alerta.

Tenho por hábito, no intervalo, deixar a cabine de imprensa e ir cumprimentar o Niltinho — também o Josinei, outro alvirrubro daqueles. Acabo ficando boa parte do segundo tempo, pela resenha e pelo impagável termômetro que é acompanhar o humor da arquibancada. Do elogio desconfiado à crítica mais injusta, é ali que é forjada a confiança no time — que, por enquanto, está devendo mesmo.

Importam os três pontos, claro, ninguém lamenta pela falta de espetáculo — até porque o jogo praticado na terceirona paulista é algo parecido com futebol e a bola parece ter nojo da grama. O que preocupa é passar boa parte do segundo tempo encurralado pelo lanterna do campeonato.

O Norusca voltou do intervalo animado, com boas triangulações pela direita, e alcançou o gol da vitória antes dos dez minutos. Poderia aproveitar a empolgação para perseguir melhor placar, mas recuou. E passou quase meia hora se defendendo, isto é, sofrendo.

Hábito no Alfredão: em dezesseis jogos em casa em 2018, foram apenas seis vitórias e somente duas delas com mais de um gol de diferença. Então, amigo, não tem show na Vila Pacífico. Mas tem amendoim, cornetagem e palpitação. Mais raiz, impossível.


Fernando Beagá

 

Gol do Noroeste
O gol de Léo: alívio para os 1,4 mil torcedores. Fotos: Fernando Beagá/Canhota 10

 

 

 

Hoje é dia de Norusca

É sempre um dia especial, o do reencontro — embora ainda não seja no Alfredão. Dia de renovação da fé alvirrubra. A páscoa noroestina. Essa rotina de esperar meses para rever o time é uma incubadora de ansiedade. Outra vez, entretanto, passou. Chegou a hora de sofrer mais uma vez. Sim, sofrer, porque essa é a graça de ser torcedor. Em qualquer ocasião. Sofre-se na queda, no sufoco, mas também na vitória. Não existe passeio ou acesso fácil. Sempre custam algumas unhas.

Já houve estreias mais empolgantes, como aquela quarta-feira escaldante que torrou o Corinthians de Tevez, em 2006, outras melancólicas, como o inferno da Bezinha. Depois de tantas idas e vindas, a gente percebe que a divisão é irrelevante. A camisa vermelha é a mesma e há sempre um sonho pela frente. Pode ser um acesso (a realidade atual), pode ser uma vaga na Série D, pode até mirar uma Libertadores — vide Santo André e Paulista.

Quando o Esporte Clube Noroeste adentrar o gramado do Palma Travassos, em Ribeirão Preto, começará a escrever um novo capítulo. O tema ainda é uma incógnita. Pode ser terror, mas (tomara!) pode ser épico. Certamente, haverá suspense nesse romance entre a torcida e seu amado Norusca.

Bom trabalho ao clube, do presidente ao jardineiro. Bom trabalho aos colegas que vão correr atrás de boas histórias. Boa diversão aos torcedores. Que 2019 acrescente boas lembranças.


Fernando Beagá

 

 

(Foto: Bruno Freitas/EC Noroeste)

Com Betão Alcântara, Noroeste segue firme no propósito de crescimento

Betão Alcântara - novo técnico do Noroeste

Na quarta-feira anunciamos o novo treinador. E a torcida vai gostar”, disse o vice-presidente do futebol do Noroeste, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10 da última segunda-feira. Feito. O clube anunciou hoje pela manhã Betão Alcântara como novo técnico. E todos gostaram mesmo. Era sonho antigo, é um rei de acessos.

A contratação mostra que a diretoria alvirrubra segue firme no propósito de tirar o Norusca desse patamar de terceirona. Pelo segundo ano seguido, contrata o treinador atual campeão da Série A3. Betão acabou de ganhar o título pelo Atibaia, um time de torcida diminuta e que atuava em outra cidade. Que ignorou camisas pesadas como a do próprio Noroeste (nas quartas) e da Portuguesa Santista (na final), que tinha melhor campanha.

Com 56 anos, vinte de carreira, Betão poderia dar um salto, disputar a Série A2 — pelo próprio Atibaia ou pelo Rio Claro, onde foi sondado —, mas acreditou no projeto noroestino. E sua chegada, agora, a mais de seis meses da próxima temporada, indica que o trabalho para a Copa Paulista ambiciona o cenário nacional — o título dá vaga à Série D.

O homem entende de acesso: em 2015, levou o Fernandópolis da Bezinha à Série A3; em 2016, subiu o Rio Preto da terceirona para a A2; e agora esse título com o Atibaia. O negócio é depositar confiança em Betão e deixá-lo trabalhar. Isso vale para todos: diretoria, imprensa e torcida. A paciência não é hábito na comunidade alvirrubra. Que tudo dê certo dessa vez.

Confira como foi a conversa com o vice de futebol, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10:

Perfil completo de Betão no site oficial do Noroeste

Foto: Eduardo Lustosa/Atibaia

A3 de novo em 2019: termina o sonho do acesso do Noroeste

Atibaia x Noroeste - Série A3

Foi um jogo franco, com os dois goleiros praticando defesas milagrosas, mas somente o Atibaia balançou as redes e venceu o Noroeste por 1 a 0, fechando esse confronto das quartas da Série A3 com duas vitórias e avançando. Já o Norusca se despede do sonho do acesso.

A diretoria alvirrubra contratou reforços de peso para esta segunda fase (principalmente o lateral-esquerdo Alex Cazumba) e proporcionou à equipe uma preparação diferenciada em Sorocaba, nesta semana decisiva. Mas, apesar de criar jogadas, terminou esse mata-mata sem fazer gols. E sofreu, aos 21 do primeiro tempo, o tento do Atibaia marcado pelo zagueiro Júnior. Confira abaixo como foi:

Entre as chances criadas pelo Noroeste, Jorge Mauá ficou cara a cara com o goleiro Cairo:

Agora, é baixar a poeira, avaliar acertos e erros e planejar a Copa Paulista. Por que não sonhar com a Série D do Brasileiro?

O Noroeste perdeu jogando com Ferreira; Pacheco, Dão, Marcelinho e Alex Cazumba; Maicon Douglas, André Rocha (Leandro Oliveira), Gindre (Rodrigo Tiuí) e Ewerton Maradona; Fernandinho e Jorge Mauá (Gabriel Esteves).

Abre aspas

Confira algumas declarações colhidas pelos repórteres Jota Augusto e Jota Martins, durante a transmissão da Jovem Pan News Bauru:

Não matamos em casa. Aqui, fizemos um bom jogo, mas não conseguimos fazer o gol e tomamos na bola parada”, lamentou o lateral-direito Pacheco.

Faltou o resultado em casa… A bola pune. Infelizmente, não conseguimos, mas esse projeto do Noroeste é muito grande. Vamos ver o que a diretoria vai querer da gente na Copa Paulista”, disse o centroavante Jorge Mauá.

Lamentamos muito. Se não tivemos a competência para fazer os gols é porque faltou alguma coisa. Fica a sensação ruim, porque tínhamos capacidade, por tudo o que o time fez. Treinamos a semana inteira para chegarmos aqui com mais qualidade. Aconteceu exatamente o que treinamos, criamos situações, mas faltou o último toque”, lamentou o técnico Alberto Félix.

O Noroeste na Série A3 é uma judiação muito grande. Um time que enche seis ônibus é grande. Tiramos um grande do caminho. Tivemos o momento de jogar como time pequeno, recuar e partir para o contra-ataque”, comentou o Betão Alcântara, treinador do Atibaia.

 

Foto no topo e imagens dos gols:  Reprodução TV FPF

Noroeste fica no zero e terá que vencer Atibaia fora de casa para avançar

Noroeste x Atibaia

Alfredão bonito, tingido de vermelho e branco, bom público (3.376 pagantes, renda de R$ 56,9 mil) e aquela noite agradável para acompanhar um belo futebol. Mas, na pegada de um jogo decisivo (a ida das quartas de final da Série A3), sobrou correria e vontade e faltou qualidade. Nessa toada, o Noroeste pouco criou e empatou em 0 a 0 com o Atibaia.

No primeiro tempo, a bola ficou mais voando de um lado para o outro do que deslizando pelo gramado. E o Norusca, com três dos quatro reforços já no time titular, tinha dificuldades em criar. Ewerton Maradona e Fernandinho deram mais velocidade ao setor ofensivo, mas faltou o encaixe de uma tabela decisiva. O outro estreante, o lateral-esquerdo Alex Cazumba, passou segurança em seu setor, mas não apoiou o ataque.

Bastaram poucos minutos do segundo tempo para a torcida pedir o meia Leandro Oliveira e o centroavante Jorge Mauá, os principais jogadores da primeira fase. O técnico Alberto Félix ouviu meio apelo aos doze minutos, colocando Mauá no lugar de Vilson. Aos 26, a outra: Oliveira substituiu o aplaudido Maradona.

Com chute diferenciado, Oliveira passou a levar perigo à área do Atibaia nas bolas alçadas, além de bom arremate de longe, aos 32min. Nos minutos finais, os visitantes passaram a pressionar — e Ferreira a trabalhar… Oliveira ainda devolveu outro chute perigoso, mas o placar terminou inalterado.

O Noroeste empatou com o Atibaia jogando com Ferreira; Pacheco, Jean Pierre, Marcelinho e Alex Cazumba; Maicon Douglas, André Rocha, Vilson (Jorge Mauá) e Ewerton Maradona (Leandro Oliveira); Gindre (Alef) e Fernandinho.

(A foto, ruim, do celular, é minha mesmo)