Bauru 0, Franca 3: enfim, férias

Bauru 0, Franca 3: férias

Em basquete, é prudente não bancar o vidente. Ainda mais em um clássico e um ano depois daquele surpreendente 3 a 0 nas mesmas quartas de final. Mas, com racionalidade, é compreensível dizer, agora, que as férias chegaram no momento certo para o Sendi Bauru Basket. Como teriam chegado nas oitavas, mas lá houve um lampejo contra o Minas que até criou certo otimismo para a série contra Franca. Mas o 90 a 68 — e a consequente varrida — foi categórico. Venceu o melhor time, sucumbiu a equipe que fez uma temporada muito irregular.

Houve muitas lesões, é verdade, mas não é fator que explique sozinho o mau desempenho. Mas vale uma observação: muitos sempre criticaram disputar o início do Paulista com molecada. Desta vez, os adultos foram para o pau desde o início e deu no que deu.

Independentemente disso, o elenco não encaixou, a arquibancada não se empolgou. Não me recordo de ver uma desclassificação tão melancólica. Em outros tempos, a derrota ainda trazia aplausos aos gritos de “guerreiros” — que fosse pela resignação por ser um time menos qualificado que chegava longe. Curioso: cair para o Sesi Franca, inegavelmente superior e candidatíssimo ao título, não diminui o incômodo do torcedor. E não é somente por ser derrotado (e varrido) por um rival. Tem a ver com a questionável produção do time em toda a temporada.

Hora de baixar a poeira e logo ali na frente replanejar. A princípio, por contrato, Larry e Gabriel Jaú ficam. E Demétrius, que há um ano teve sua permanência comemorada como grande reforço, depois de uma expectativa que parou a cidade. Não emburreceu em doze meses e seria incoerente pedir sua cabeça.

Mistura-se ao frisson do mercado — ainda mais pela provável nova remontagem de elenco — a dúvida sobre o cenário político, como será a sucessão de Beto Fornazari. O NBB 11 acabou, mas o Dragão já tem novas batalhas pela frente.


Fernando Beagá

 

 

Foto: Divulgação NBB

Bauru 0, Franca 2: de pé, nas cordas

Bauru 0, Franca 2

Houve momentos em que o Bauru Basket ameaçou a segunda vitória do Sesi Franca.  A certa altura do último período, a diferença poderia  cair para quatro pontos, mas na jogada seguinte subiu para dez. Terminou em seis, algo quase heroico diante do volume francano. Aquela derrota que se diz ‘caiu de pé’, mas em playoff, isso não serve. Não há saldo, não se leva nada para o próximo jogo — a não ser o aprendizado.

Segundo o capitão Alex Garcia, a lição foi não cochilar jamais. “Deixamos a equipe de Franca jogar confortável no primeiro tempo. Aí, não há defesa que segure. No segundo tempo melhoramos, mas voltaram os erros e as cestas fáceis deles. Se quisermos ganhar, a defesa tem que melhorar. Temos que ter atenção o jogo todo. Se conseguirmos colocá-los em dificuldades, ganharemos o terceiro jogo”, avisou o Brabo, em entrevista pós-jogo a Giovanna Terezzino, da transmissão da LNB.

Além dos problemas defensivos relatados pelo camisa 10, outro fator evidente: diante do qualificado rodízio francano, o Dragão teve que forçar a minutagem de seus principais jogadores. Que descansem bem para quarta, quando precisarão sair das cordas diante de um adversário sedento para devolver o nocaute sofrido na temporada passada.


Fernando Beagá

 

 

Foto: Divulgação NBB

 

 

Playoffs NBB, quartas: Brasília favorito, o que pode ser bom para Bauru

Playoffs NBB, pré-jogo 1 entre Bauru e Brasília pelas quartas

retranca-bauru-basketChegou a hora, moçada. O desejo do Gocil Bauru Basket de chegar a mais uma final — vamos considerar a decisão como um bônus de expectitva… — passa pelo forte time de Brasília. Os playoffs NBB nestas quartas de final ficaram mais cascudos pelo fato de o Dragão ter terminado a fase de classificação na quinta posição, tendo que encarar as oitavas. Mas o confronto com Macaé (3 a 0) foi bom para aumentar a casca do time, já que o time fluminense valorizou bastante a disputa.

Se no ano passado Alex e companhia varreram os candangos por 3 a 0, desta vez são eles que têm o favoritismo. Mantiveram a ótima base e se reforçaram com Alex Oliveira e, principalmente, Lucas Mariano — e conseguiram terminar no G-4, fechando a fase de classificação batendo no Flamengo fora de casa. Enquanto Bauru trocou bastante peças e precisou se reinventar com perfil mais raçudo para suportar o revezamento mais enxuto.

Números, ah, os números…

Outro fator a favor do Brasília é a estatística. Apenas cinco dos 32 confrontos quartas de final do NBB tiveram como vencedores os times de pior campanha, isto é, 15%. Um alento para Bauru é que duas dessas cinco vezes aconteceram no último NBB, quando Mogi tirou o Basquete Cearense e Brasília derrubou o Paulistano.

Cartas postas, uma reflexão: o Dragão pode se superar sem o peso do favoritismo. Para isso, entretanto, é fundamental vencer a primeira partida em casa. Assim, viajará para a capital federal com 1 a 0 no bolso e em plenas condições de beliscar pelo menos uma vitória por lá — a boa atuação no polêmico jogo da rodada 28 prova isso.

Logo mais saberemos como começa mais esse capítulo da história do Bauru Basket. O sonho do título inédito, apesar de ser uma temporada em que deixou de ser bicho-papão, continua vivo na torcida. E exatamente pelo caminho estar mais difícil, poderá ser mais saboroso.

Atualizado: Brasília venceu o jogo 1 por 88 a 87, na prorrogação. Complicou bastante para o Dragão, mas tão de igual pra igual que é possível ganhar lá no Distrito Federal.

Itabom/Bauru sai na frente nas oitavas

Luquinha avança, para o descanso de Larry. Foto de Assis Cavalcante/Agência Bom Dia

Post atrasado, mas não pode passar em branco o bom início do Itabom/Bauru nas oitavas do NBB4. Os guerreiros bateram a Liga Sorocabana, em Sorocaba, por 82 a 76 – o mesmo time que impôs a última derrota bauruense na competição. Desta vez, com o time completo (ufa!), valeu a maior experiência e o elenco mais qualificado. A tendência é que seja 3 a 0 na série, mas é bom não subir no salto! A seguir, algumas observações:

• Gaúcho está em boa fase: nos três últimos jogos, sua média é de 19 pontos. Com Pilar e Fischer readquirindo ritmo de jogo, ele se tornou primordial para a pontuação, ao lado de Gui – um dos dois tem que fazer dois dígitos.

• Larry Taylor, visivelmente sem a forma física ideal, está arriscando menos sua jogada característica, a infiltração. Mas segue pontuando muito, pegando rebotes e assistindo. Alienígena, como se sabe. Mas ainda bem que pode descansar alguns minutos, pois Luquinha tem contribuído – ele se tornou especialista em guardar bolas no zerar do cronômetro.

• Douglas Nunes teve atuação discreta: apenas três pontos em quase 20 minutos em quadra. Sinceramente não sei a quantas anda a crise de relacionamento entre o pivô e o Bauru Basket, mas nem é momento de ir fundo nessa história e, sim, torcer para que se entendam – e o camisa 13 volte a executar seu melhor basquetebol.

• Quanta diferença ver o time completo: isso se reflete nos minutos jogados. Em outras ocasiões, o quinteto principal ficava mais de 30 mintuos em quadra – dessa vez, ultrapassaram essa marca apenas Gaúcho (33) e Larry (31).

 

Se avançar, Itabom/Bauru pega Brasília ou Flamengo nas quartas

Se passar pela Liga Sorocabana, é provável que o Itabom/Bauru encare Brasília nas quartas de final.

Entenda: o regulamento do NBB4 diz que os times vitoriosos nas oitavas são classificados de quinto a oitavo, de acordo com sua campanha na primeira fase. Assim:

São José (1º) x 8ª melhor campanha (entre os classificados das oitavas)
Pinheiros (2º) x 7ª
Brasília (3º) x 6ª
Flamengo (4º) x 5ª

Bauru teve a sexta melhor campanha e, se passar da LSB, pega Brasília. MAS, se o Tijuca conseguir a façanha de superar Uberlândia (quinto), os guerreiros passam a ser a quinta campanha entre os sobreviventes — aí, encararia o Flamengo.

Enfim, pedreira pra qualquer lado.