Entrevista 10, edição 2: Luis Faustini, o Garrincha, secretário de esportes de Bauru

Entrevista 10 - edição 2 - Garrincha

Depois da boa repercussão da estreia, com Paula Pequeno, o ENTREVISTA 10 trouxe para sua segunda edição um diálogo com o poder público. Luis Francisco Faustini, o Garrincha, secretário de esportes de Bauru, falou sobre os perrengues da pasta, desabafou e agradeceu o empenho dos servidores da Semel (Secretaria Municipal de Esporte e Lazer).

A pauta foi conduzida num tom descontraído, como sempre vai ser, independentemente do convidado — mesmo num assunto espinhoso, como a política. Aliás, o prefeito Clodoaldo Gazzetta também deveria estar na bancada. Convidado insistentemente por duas semanas, deixou a possibilidade no ar até os 45 do segundo tempo, mas não veio. Prefeito, ainda será um prazer recebê-lo, ok?

Na produtiva conversa com Garrincha, os aparelhos públicos, futebol amador, ginásio Panela de Pressão, o episódio das inscrições dos Jogos Regionais de 2017 e lembranças dos tempos em que ele era o gestor do futsal da FIB. Vale a pena conferir, logo abaixo — lembrando que o ENTREVISTA 10 é reprisado durante toda a semana na grade do canal 14 da NET (confira mais abaixo dias e horários).

Apoio cultural ao ENTREVISTA 10

Empresas que quiserem patrocinar a atração terão espaço durante a exibição (logomarca, slogan e contato), em banner no rodapé da tela. O investimento mensal é bem convidativo e o nível da conversa promete um bom valor agregado. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail fernandobh@canhota10.com ou pelo telefone (14) 99115.1360 (inclusive WhatsApp).

Dias e horários das reapresentações do ENTREVISTA 10 no canal 14 da NET:

Terça: 19h
Quarta: 10h
Quinta: 1h e 16h
Sexta: 6h, 21h
Sábado: 12h
Domingo: 7h e 22h
Segunda: 7h

O ENTREVISTA 10 é uma parceria do CANHOTA 10 com a TV FIB

No lucro, Sendi Bauru volta a atuar na Panela pelo NBB

Bauru estreia na Panela no NBB 10

Desde que Alex Garcia e companhia se despediram do Campeonato Paulista 2017 (imagem acima, da derrota para Franca no jogo 4 da semifinal), o Sendi Bauru Basket não atuava em sua casa, o ginásio Panela de Pressão. Cumprida a suspensão de quatro partidas (pelo episódio do jogo 2 da final contra o Paulistano), o Dragão volta à caverna. Recebe nesta segunda (8/jan), às 20h, o Vitória, oitavo colocado.

Durante a longa ausência, foram onze partidas fora de Bauru. Diante disso, a campanha forasteira foi bem-sucedida: sete vitórias, 63% de aproveitamento e sexta posição. É de se esperar que, a partir de agora, o time entre de vez na briga pelo G-4 — de olho, sobretudo, numa queda de produção do Pinheiros.

Considerando as partidas da suspensão, o aproveitamento foi de 75% — apenas uma derrota, mas que derrota… Vitórias sobre Paulistano (no Paulistano!!!), Campo Mourão (em Lençóis Paulista) e Minas (São Carlos). A atropelada do Flamengo ligou o alerta sobre os problemas defensivos — Bauru é apenas a nona melhor defesa do campeonato até aqui, com 76 pontos sofridos por jogo. Pode melhorar muito nesse quesito.



Outro problema do Dragão até aqui: a tabela foi ingrata, com seis jogos seguidos como visitante. Trouxe três importantes vitórias (uma delas contra o então líder Pinheiros). Derrotas ok para Franca e Mogi e mesmo para o Caxias, que tem 83% de aproveitamento em casa.

Diante de tudo isso, essa campanha “off-Bauru” pode ser considerada um baita lucro. Chegou a hora de a equipe matar as saudades da Panela, do público local e provar que pode fazer ainda melhor do que fez até aqui.

Números na Panela

Na campanha do título (NBB 9), o Bauru Basket atuou 22 vezes na Panela. Curiosamente, com um aproveitamento ruim (quinze vitórias, 68%) se comparado ao do vice do NBB 8, com apenas uma derrota em dezoito partidas. No Paulista 2017, foram sete vitórias em onze jogos em casa (63%). Tem que melhorar isso aí.

 

Foto: Victor Lira/Bauru Basket

Rodada 1 do grupo D da Liga das Américas: Bauru vence

Eu gostaria de postar o habitual show de imagens, opinar bastante sobre tudo o que vi de bom (os brilhos nos olhos de muita gente, o nó na garganta de Guerrinha, o abatimento de Larry que se transformou em apoio, o jogaço entre Quimsa e Brasília, etc…) e de ruim (certa desorganização, as gambiarras da reforma, a politicagem*) na Panela de Pressão. Mas o corpo pede descanso. E a prioridade era atender ao Basketeria.

Portanto, corra lá e confira os textos da cobertura da primeira rodada. Foi gratificante, uma experiência e tanto. Basta clicar nos placaesr dos jogos, abaixo.

Brasília 108 x 99 Quimsa

Bauru 94 x 60 Leones

Até!!!

(*Sobre a politicagem: a torcida ensaiou uma grande vaia para o secretário de esportes, Batata, mas o animador do evento percebeu e logo o colocou  escorado no prefeito Rodrigo, de notória popularidade. Todos somos gratos pela Panela, mas ela foi maquiada no jeitinho, na gambiarra, depois de muita demora, e ainda querem confente? Não!)

Liga das Américas em Bauru: vai começar (urgente: Larry vira dúvida)

Logo mais estarei no ginásio Panela de Pressão cobrindo o grupo D da Liga das Américas 2012. Meu primeiro evento esportivo internacional. Fantástico Bauru receber competição desse porte. Estarei fazendo reportagens para o BASKETERIA, mas haverá pitacos aqui no Canhota 10 e, claro, repercutirei na coluna do BOM DIA.

Pra começar, confira a matéria pré-rodada 1 que já está no ar lá no Basketeria, clicando aqui.

A lamentar, e muito, o ginásio estar maquiado, aquilo não é necessariamente uma reforma. Tem muita gambiarra, a fiação não foi trocada, as cadeiras são as mesmas de tempos atrás, velhas e encardidas. Pior: ainda há goteiras! Um membro da comissão técnica de Brasília escorregou. Imagine se tivesse sido um jogador e ele se contundisse? Mico total…

Enfim, como toda boa maquiagem, vai sair bonitinho na tela do Fox Sports. E pelo menos o elemento principal está realmente impecável: a quadra é um tapete!

Até logo mais.

Atualizado: o armador Larry Taylor contundiu-se no joelho em treino na manhã de hoje, após saltar para um rebote. Ele aguarda resultado de ressonância magnética para saber a gravidade da lesão. Notícia para deixar os bauruenses muito apreensivos… A informação é dos colegas do BOM DIA Bauru.

Coluna da semana: Norusca com horizonte animador

Texto publicado na edição de 6 de fevereiro de 2012 no jornal BOM DIA Bauru fala da vitória do Noroeste e pede que a Semel não cochile de novo

No trilho certo

Quem diria que o Noroeste, que não tinha elenco formado em novembro, mostraria um futebol muito competitivo nesse início de Série A-2? Só posso concluir que, depois de algumas temporadas de compras equivocadas, o clube finalmente soube escolher as peças certas. E que logo se encaixaram, pois o time já mostra bom entrosamento, como provou na vitória sobre a Ferroviária (1 a 0) no sábado.

A empolgação é pelo que se imagina no horizonte. Por enquanto, o Norusca não está jogando o fino, mas o suficiente para acumular pontos importantes. Ainda precisa caprichar mais nas finalizações e condicionar-se para aguentar a correria do fim do jogo. De positivo, o bom toque de bola e o acerto no esquema tático. O losango no meio-campo está funcionando, com Everton Garroni à frente da zaga, França e Juninho apoiando bastante o ataque e Leandro Oliveira muito bem de ponta-de-lança. França e Juninho, aliás, alternam os lados do campo, confundem a marcação e estão tão bem no apoio que os laterais noroestinos nem têm descido.

Em vista desse sucesso tático, a princípio está difícil de promover a volta de Velicka, hoje na lateral-esquerda, ao meio. Isso obrigaria o técnico Amauri Knevitz a montar o meio em quadrado (dois volantes e dois meias) e sacar um dos volantes – mas qual, se todos estão jogando bem? Se o treinador queria uma boa dor de cabeça, aí está uma… O certo é que Velicka está subutilizado na lateral e mal apareceu na última partida.

No ataque, Romarinho segue uma correria só, nem sempre objetiva, mas incomodando bastante os zagueiros. E o centroavante Boka, como esperado, só será notado em campo se a bola chegar nele. Contra o time de Araraquara, só não foi nulo porque ajudou a defesa afastando o perigo nos escanteios do adversário.

Enfim, entre acertos e pontos a melhorar, o Noroeste segue no caminho certo. O prognóstico é animador. Para tirá-lo dos trilhos, só se os reservas não corresponderem quando forem solicitados, diante de expulsões (como a de Marcelinho, desfalque para quarta) e contusões.

De novo
Houve relatos de que, novamente, a bilheteria do estádio Alfredo de Castilho não atendeu a torcida a contento. A fila se formou até a esquina da rua Benedito Eleutério. O torcedor está voltando (foram 1.790 pagantes) ao Alfredão, mas precisa ser bem atendido, senão desiste. Em campo, pelo menos, o time está fazendo sua parte. E bem que o Noroeste poderia divulgar o público total e não apenas o pagante. Quantos são os sócios-torcedores? Quantos têm cadeira cativa? Quantos compraram o carnê? Porque isso não está informado no borderô…
Atualizado: houve um engano no dia do jogo sobre o público pagante. O número correto de pagantes, segundo o borderô publicado no site da Federação, é 1.290.

Seja rubro, Norusca!
No mural virtual da torcida Sangue Rubro, torcedores questionaram o uniforme branco. Ok, a camisa é bonita, com aquela faixa vermelha no peito, mas quando é que o Noroeste voltará a fardar manto vermelho, calção branco e meia vermelha? Segundo um dos noroestinos que se manifestaram, estamos “rebaixando nossa tradição dentro da nossa própria casa”. O assessor de marketing do clube, Evaldo Armani, alegou certa vez que essa camisa da faixa no peito é o terceiro uniforme e que precisa ir a campo para estimular as vendas. Era terceiro em 2011. Agora, vá ao site oficial da Nakal, fornecedora de material esportivo, e confira que é o uniforme dois – dois no papel, e um na prática…

Panela de Pressão
Conforme a coluna alertou há duas semanas, a partir de comentários de servidores municipais, o ginásio não ficou pronto a tempo de receber o Flamengo, dia 9. Ficou mesmo para março. Que a Semel não durma no ponto mais uma vez: termine a reforma e resolva logo as burocracias de alvarás e vistorias de segurança.