Novo Basquete Brasil: segunda edição da LDO será sub-22

“O conselho técnico avaliou que seria interessante permitir mais uma idade na competição, principalmente nessa fase de transição dos atletas, entre o juvenil e o adulto. Somente por isso. Se for constatado que o sub-22 é a idade perfeita para a competição, ela permanecerá assim.”

Essa foi a resposta da assessoria da Liga Nacional de Basquete para o Canhota 10, confirmando que a segunda edição da Liga de Desenvolvimento Olímpico será com atletas até 22 anos.

Se por um lado dá mais uma chance para uma geração que está tentando se firmar em seus clubes, por outro revela o abismo de qualidade e a escassez de trabalho de base no basquete brasileiro.

Particularmente para o Itabom/Bauru, significa mais um ano com Luquinha, Andrezão e Weliton, que completam 22 este ano – Gui e Ferrugem farão 21.

Com o vice-campeoanto brasileiro, a diretoria bauruense se empolgou. Pretende chegar na próxima LDO ainda mais fortes, pois os jogadores estão no time principal, terão mais experiência. Sem contar que chegará mais um atleta dessa faixa etária para compor o grupo no Campeonato Paulista.

Guerrinha conta que será montada uma equipe de base do Itabom/Bauru. “Já está sendo feito. O Cássio, nosso diretor de categorias de base, junto com o Julinho Horta e o Bráulio, estão fazendo um trabalho de levar a categoria cadete a ser federada. Neste ano, vamos manter o esquema de parceria. Que pode ser com o Regatas ou com outra equipe. Vamos trazer mais um jogador para o Paulista. Já serão seis jogadores da nossa equipe. Os outros seis da parceria, desde que seja no mesmo formato, vindo treinar com a gente. A partir de 2013, o cadete já estará no primeiro ano de juvenil, aí poderemos levar uma equipe só nossa para disputar a Liga sub-22”, conta Jorge Guerra.

BALANÇO DO VICE
Hudson Previdello, treinador do Bauru Basket na LDO, fez um balanço da participação dos jovens guerreiros. “Apesar do pouco tempo e de não ser um time que treina todos os dias, formos crescendo durante a competição e ganhando confiança. Vimos que tínhamos condição de ganhar. Independentemente do resultado, o objetivo maior era formar jogadores, dar rodagem para o Gui, o Lucas, o André… Conseguimos dar mais minutos de quadra e experiência a eles, que no adulto nem sempre entram em momentos decisivos. No sub-21, eles foram protagonistas e isso acrescenta muito”, comenta.

O ala Weliton (foto), prova concreta do sucesso da parceria (atleta do Regatas absorvido pelo elenco principal do Itabom/Bauru), avaliou a oportunidade. “Estávamos meio escondidos lá em Campinas, disputando a A-2, que não é tão visada. Foi bom, todo mundo pôde aparecer. Durante a competição, pessas vinham perguntar de onde éramos, onde jogávamos. Ninguém conhecia a gente. Foi uma parceria ótima para todo mundo, para Bauru e para nós. Pôde apresentar a capacidade da galera de Campinas”, comemorou.

O ala está ansioso por sua estreia: “É a primeira equipe grande em que estou participando, espero aprender muito com o Guerrinha, que é experiente, e dar o meu máximo quando ganhar uma oportunidade. Espero evoluir muito aqui”.

Bauru Basket sub-21: vice doloroso e valioso

O Canhota 10 interrompe o recesso das festas de fim de ano por um motivo mais do que nobre, um bom momento do basquete bauruense: o Itabom/Bauru acaba de se sagrar vice-campeão brasileiro sub-21.

Foi doloroso porque Bauru controlou o placar durante toda a partida e vacilou no fim. Mesmo assim, a primeira edição da Liga de Desenvolvimento Olímpico, organizada pela LNB e pela CBB consagrou o ala Gui, com sua intensidade física, belas enterradas e um chute de três calibrado.

O pivô Andrezão também cresceu muito na reta final da competição, justificando a expectativa que o Basketeria lançou sobre ele como principal jogador sub-21 do Brasil. E foi legal ver o armador Luquinha, contundido na fase inicial e em momento ruim no time adulto, virar um monstro em quadra, com toda sua garra.

E é essencial parabenizar a molecada do Regatas, de Campinas, que chegou entrosada – e arrasada pela extinção do time deles -, com bagagem de torneios profissionais de divisões de acesso no estado. Entre os campineiros, o armador Bruno Mazoni foi o principal nome, com suas infiltrações, assistências e bom chute de média distância. O pivô Fernando e o ala Weliton – que jogará pelos guerreiros no NBB4 – também se destacaram.

Vencer o Flamengo no Rio de Janeiro, em qualquer esporte, em qualquer idade, não é para qualquer um. O gostinho do título ficou por muito tempo nas mão de Bauru, mas não se pode desvalorizar a grande campanha.

A molecada está, sim, de parabéns. Parabéns, Hudson Previdelo. Parabéns diretoria (pelo acordo com Campinas). Parabéns, Guerrinha, cérebro do projeto Bauru Basketball Team. E, claro, à torcida, motivo de tudo isso.

Em tempo: para quem acompanhou o diário do Gui na primeira fase, ele não conseguiu dar continuidade na reta final, o que é mais do que compreensível, pela concentração que o moemnto exigia.

Diário do Gui (6)

O nosso jovem guerreiro volta a contar, direto de São Sebastião do Paraíso, sua experiência na Liga de Desenvolvimento Olímpico (o NBB sub-21):

“Ontem foi um dia muito legal. Acompanhei os jogos e todos de nível muito maior do que a outra fase. Agora está mais sério, muito competitivo, mas fiquei muito feliz pela atuação da nossa equipe. Jogamos bem e coletivamante todos em um único propósito: tirar os pontos fortes do Paulistano. Todos foram importantes e hoje tem jogão contra o Minas, vamos continuar firmes. Abraços!”

O Itabom/Bauru venceu, na estreia do hexagonal final, o Paulistano por 75 a 56 e segue invicto na competição.

Diário do Gui (5)

Recebi simpático recado do ala Gui, do Bauru Basket, que enquanto esteve em São Sebastião do Paraíso, comentou a rotina de lá com exclusividade para o Canhota 10. Agora, está totalmente focado na série semifinal contra São José. Mas volta no hexagonal final da Liga de Desenvolvimento Olímpico.

“Fala, Fernando, devido aos playoffs do Paulista e a classificação, não volto mais para São Sebastião. Queria agradecer a oportunidade de ter feito esse diário, fica aqui meu muito obrigado e abraços. Até mais!”

Eu é que agradeço, guerreiro!

Diário do Gui (4)

Com mais uma boa atuação do ala Welinton (19 pontos, seis rebotes e cinco bolas roubadas), o Itabom/Bauru venceu Uberlândia, até então invicto, por 87 a 62. O guerreiro Gui anotou 17 pontos, pegou cinco rebotes e roubou cinco bolas. A nota triste da terceira vitória foi a nova contusão de Luquinha, como conta o camisa 9 bauruense, em seu diário:

Gui e os colegas Bruno Manzoni e Fernando

“Ganhamos hoje de Uberlândia. Fizemos um bom jogo, que foi mais difícil que os outros. Estamos no caminho certo. Claro que descobrimos que temos muito o que acertar a cada jogo. Descobrimos e fazemos ajustes, mas está de bom tamanho. Amanhã [26/10], jogo contra Vitória, não estarei presente, pois volto hoje para Bauru. Primeiro jogo da semi muito importante, como todos os outros, mas por jogarmos em casa acredito que os dois primeiros sejam cruciais. Lamento pelo Lucas, que torceu o mesmo pé no jogo de hoje e dificilmente estará bom para jogar amanhã conosco em Bauru. Até amanhã. Abraços!”