Acabou a espera: hoje tem Norusca!

Betão Alcântara, técnico do Norusca

Desde o dia 7 de abril (há quase quatro meses), o Esporte Clube Noroeste não entra em campo. Quem conhece a apaixonada torcida alvirrubra sabe como essa abstinência é cruel. Pois chegou o grande dia: o Norusca estreia hoje na Copa Paulista, às 15h, contra o Rio Claro — a saudade do Alfredão dura até a próxima quarta, dia 8. A partida terá transmissão da Jovem Pan News Bauru (FM 97,5 ou AM 760 ou pelo site).

Apesar de o objetivo principal ser chegar fortalecido à Série A3 de 2019, com um semestre inteiro de trabalho do técnico Betão Alcântara [foto acima, de Bruno Freitas/ECN], está vivo, sim, o sonho do tricampeonato — e a consequente vaga na Série D, o retorno ao cenário nacional.

Em Betão mora essa esperança. Ele é o melhor treinador desse cenário abaixo da elite paulista, conhece os caminhos do acesso e as brechas do campo nesses confrontos truncados em solo caipira. Que ninguém (nem diretoria, nem torcida, nem imprensa) caia na tentação de pedir sua cabeça se em algum momento nesta Copa Paulista a locomotiva sair dos trilhos. Deixemos o homem trabalhar. Ele foi tão desejado por todos e não vai desaprender. Com paciência, esse Noroeste vai longe.

O elenco foi bem montado, é mais equilibrado do que o que foi montado para última terceirona. Tem um goleiro experiente (Cairo), dois laterais diferenciados fisicamente (Pacheco e Cazumba) e meias de criação que quase ninguém tem (Hugo e Leandro Oliveira).

Novidades

A Federação Paulista de Futebol realizou um congresso de abertura da Copa Paulista 2018, reunindo palestrantes e divulgando informações sobre a organização da competição. Além de poder escolher entre a Série D e a Copa do Brasil, o campeão receberá uma premiação de R$ 250 mil — o vice, R$ 150 mil. Outra novidade, que impacta em economia para as viagens: os times já sairão de suas cidades sabendo que uniforme utilizar. Na estreia, por exemplo, o Norusca jogará de camisa branca e calção vermelho:

Fardamentos de Rio Claro e Noroeste. Imagem: Reprodução FPF

Presidente admite dificuldades

Na última quinta-feira, o presidente noroestino, Estevan Pegoraro, concedeu relevante entrevista ao Esporte em Discussão, da Jovem Pan News Bauru, conduzida por Rafael Antonio e Lucas Rocha. Admitiu atrasos de salários dos funcionários administrativos e que está negociando os acertos dos jogadores que deixaram o elenco no último semestre. Também falou de outros compromissos que não puderam ser honrados por conta da queda de receita — impacto da perda do incentivo fiscal e consequente saída da Tel. Por outro lado, celebrou o acerto da nova patrocinadora máster, AgroVale, que deve dar um fôlego nessas dificuldades. Falou ainda da renúncia do vice-presidente Reinaldo Mandaliti, que sai do cargo, mas segue apoiando, e da relação complicada com o poder público — as burocracias têm impedido o clube de receber o aluguel da Panela de Pressão. Confira abaixo o áudio completo da entrevista (gentilmente enviado pelo Rocha):

Com Betão Alcântara, Noroeste segue firme no propósito de crescimento

Betão Alcântara - novo técnico do Noroeste

Na quarta-feira anunciamos o novo treinador. E a torcida vai gostar”, disse o vice-presidente do futebol do Noroeste, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10 da última segunda-feira. Feito. O clube anunciou hoje pela manhã Betão Alcântara como novo técnico. E todos gostaram mesmo. Era sonho antigo, é um rei de acessos.

A contratação mostra que a diretoria alvirrubra segue firme no propósito de tirar o Norusca desse patamar de terceirona. Pelo segundo ano seguido, contrata o treinador atual campeão da Série A3. Betão acabou de ganhar o título pelo Atibaia, um time de torcida diminuta e que atuava em outra cidade. Que ignorou camisas pesadas como a do próprio Noroeste (nas quartas) e da Portuguesa Santista (na final), que tinha melhor campanha.

Com 56 anos, vinte de carreira, Betão poderia dar um salto, disputar a Série A2 — pelo próprio Atibaia ou pelo Rio Claro, onde foi sondado —, mas acreditou no projeto noroestino. E sua chegada, agora, a mais de seis meses da próxima temporada, indica que o trabalho para a Copa Paulista ambiciona o cenário nacional — o título dá vaga à Série D.

O homem entende de acesso: em 2015, levou o Fernandópolis da Bezinha à Série A3; em 2016, subiu o Rio Preto da terceirona para a A2; e agora esse título com o Atibaia. O negócio é depositar confiança em Betão e deixá-lo trabalhar. Isso vale para todos: diretoria, imprensa e torcida. A paciência não é hábito na comunidade alvirrubra. Que tudo dê certo dessa vez.

Confira como foi a conversa com o vice de futebol, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10:

Perfil completo de Betão no site oficial do Noroeste

Foto: Eduardo Lustosa/Atibaia

Tuca Guimarães: sangue novo no comando do Noroeste

Tuca Guimarães

retranca-ECNDias agitados em Alfredo de Castilho depois da vitória do Noroeste sobre a Penapolense (2 a 1), a primeira nesta Copa Paulista. Fim de jejum no sábado, entrada no G-4, e o início da tarde de segunda-feira anuncia a saída do técnico Vitor Hugo. A diretoria trabalhou rápido e 24 horas depois anunciou Tuca Guimarães — que não veio só, o que sinaliza novos tempos na maneira de trabalhar o futebol noroestino.

Sai Vitor Hugo, com todo seu traquejo, sua bagagem e amor ao Noroeste, mas também com um certo desgaste (leia mais abaixo), entra um novo perfil. Tuca Guimarães tem apenas 44 anos, construiu sua história como treinador no futsal e tem curta, mas significativa carreira no campo. No currículo, destacam-se as passagens pela base do São Paulo, a experiência na Série A do Brasileiro como interino do Figueirense e a passagem pela tradicional Portuguesa antes de, no Nacional, ganhar o título da Série A3 em 2017 — exatamente a meta noroestina para a próxima temporada.

Da esquerda para a direita, a nova cúpula do futebol noroestino: Tuca Guimarães (treinador), Reinaldo Mandaliti (vice de futebol), Marcelo Santos (auxiliar técnico permanente) e Alex Afonso (gerente de futebol)
Da esquerda para a direita, a nova cúpula do futebol noroestino: Tuca Guimarães (treinador), Reinaldo Mandaliti (vice de futebol), Marcelo Santos (auxiliar técnico permanente) e Alex Afonso (gerente de futebol)

O contrato assinado até o final da Série A3 sinaliza um projeto de médio prazo, como seria com Vitor Hugo. caso não houvesse essa interrupção. Que a diretoria dê suporte e tenha paciência nesse início de trabalho, que tem a Copa Paulista como meio e não fim — sempre reforçando que o título (e a vaga na Série D) seria um baita lucro, mas é algo para pensarmos se o clube for avançando. O importante é dar padrão de jogo para a equipe chegar voando em 2018. Outro sinal de novos tempos: com ele chega o analista de desempenho André Zacharias.

Tuca falou do novo desafio (áudio enviado pela assessoria do clube):

 

Novo auxiliar permanente

Nos moldes do que houve por muito tempo no São Paulo, com Milton Cruz, e recentemente com Fábio Carille, no Corinthians (antes de ser efetivado), o Noroeste criou o cargo de auxiliar técnico permanente. Para o posto, trouxe o ex-jogador Marcelo Santos, que conhece o clube como poucos, aposentou-se no Norusca e já morava em Bauru — atuando no futebol amador, inclusive. Conhecedor do vestiário noroestino, Marcelo pode ajudar a unir o grupo e manter um bom clima de trabalho, o que aparentemente foi estopim da decisão de Vitor Hugo.

Marcelo Santos
O novo auxiliar: trabalho no campo logo após a apresentação

O recado de Marcelo Santos:

 

A versão de Vitão

No comunicado da saída do treinador, a diretoria falou que ele pediu desligamento por não conseguir dar padrão ao time. Vitor Hugo, entretanto, falou ao Canhota 10 sobre o que o motivou a sair — um descontentamento com atleta(s) que estava(m) atrapalhando o ambiente:

“Nunca tive receio de não dar certo, porque sempre trabalhei muito pra atingir os objetivos. A partir do momento que você não tem força pra mudar algo dentro do grupo de atletas, que está tentando atrapalhar o seu trabalho, você tem que sair… E foi o que eu fiz!”

Seja pelo básico do Jornalismo, seja pela consideração à história de Vitor Hugo no Alvirrubro, o registro está feito. Agora é bola pra frente, sucesso pra ele, bom trabalho ao Tuca e avante, Noroeste.

 

Fotos: Bruno Freitas/Noroeste

Vitor Hugo: “Quero ter uma sequência no Noroeste”

Vitor Hugo, técnico do Noroeste

retranca-ECNO Noroeste estreia na Copa Paulista neste sábado, contra o Velo Clube, com duas ambições distintas — e complementares. A primeira, calejar o elenco que já foi montado para a Série A3 de 2018. Que baita oportunidade o técnico Vitor Hugo tem, a de ter uma competição de vários meses para azeitar o cascudo grupo que ajudou a montar. Consequentemente, considerando que o nível da Série A3 é maior ou equivalente ao da Copinha, há sim a possibilidade de lutar pelo título (que seria o tri, depois de 2005 e 2012) e entrar na Série D nacional do ano que vem. Seria lindo demais.

Ao contrário de participações anteriores, quando a competição era usada como “laboratório” para aproveitar alguns jogadores para o ano seguinte, desta vez a coisa ficou séria. Os contratos já contemplam a terceirona. Então, é trabalhar e trabalhar, porque tem que dar certo. No evento de lançamento da Copa Paulista, falei com o Vitão. Com moral com a torcida e apaixonado por Bauru, ele finalmente começa um trabalho — antes, apagava incêndio. Poderia ser o “Wenger noroestino”, estabelecer-se no cargo. Ele adoraria…

Já ter um time montado para a Série A3 com tanta antecedência é uma responsabilidade grande, de prepará-lo, mas também uma tranquilidade, certo?
No futebol tem que trabalhar com responsabilidade mesmo, sabe que depende de resultados. Estou acostumado. A partir do momento que me coloquei à disposição pra ficar, tenho que montar uma equipe forte. Porque eu sei como é Bauru, como é o Noroeste, como é o torcedor, que cobra resultado. Não digo que essa equipe vá ser campeã, mas foi montada para ter uma sequência de trabalho, fazer uma grande Copa Paulista e, aí sim, ano que vem, buscar o acesso. Mas é o seguinte, eu avisei os atletas: vamos parar no meio da competição? Não! É para chegar lá no final. Se vamos conseguir o título, vai depender da condição lá na frente. É uma competição difícil, tem bons adversários, mas temos condições de disputar o tricampeonato.”

Você finalmente vai ter a oportunidade de trabalhar desde o começo. Pelo seu carinho por Bauru e pela longa história do Noroeste, chegou a hora de ser o treinador do time por várias temporadas? Você consegue imaginar isso? A confiança da torcida você tem, a paciência é maior…
Eu gostaria de ter uma sequência boa. Três, quatro, cinco anos à frente do Noroeste. Com certeza a gente vai colher bons resultados. A cidade de Bauru merece um clube do seu nível. O Noroeste é tradição, tem uma camisa muito forte e as pessoas têm que se atentar a isso. Os empresários já estão se aproximando. Os Mandaliti, que sempre ajudaram, o Galli, que é de fora, se aproximou… Quem é daqui e tem condições tem que se aproximar mais. O Noroeste é um clube querido e quem sabe logo volta para a primeira divisão estadual, volta a disputar um Brasileiro… Eu joguei numa equipe que quase chegou à Série A! O Noroeste já foi muito forte. Hoje, está por baixo, mas vai renascer.”

Mauro Silva e Vitor Hugo
No recente evento noroestino, o tetracampeão Mauro Silva e Vitor Hugo: jogadores contemporâneos no Interior paulista no fim dos anos 1980

Qual a sua impressão dessa união das modalidades (futebol, vôlei e basquete)? Imagino o quanto você pode aproveitar da experiências de esportistas consagrados dos outros times da cidade…
Em 2015 eu levei o Guerrinha pra fazer uma palestra pra gente. Eu acho que seria interessante unificar as três modalidades. Por que não todos jogarem com o uniforme do Noroeste? Que bom seria… É um sonho. Eu certamente vou aproveitar essa parceria, levando jogadores para contarem suas histórias. Com um participando do trabalho do outro, quem sabe todos não se tornem muito mais fortes.”

Dica: confira o especial bacana sobre a Copa Paulista que a turma da Locomotiva Esportiva preparou!

 

Foto topo: Bruno Freitas/ECN

Histórico! Noroeste une forças com basquete e vôlei pelo esporte de Bauru

Copa Paulista: Noroeste apresenta nova diretoria

retranca-ECNHá quase dois anos, na entrevista que mais repercutiu na história do Canhota 10, Rodrigo Paschoalotto, então patrocinador máster do Bauru Basket, disse: “Deveríamos unir todos os esportes de Bauru.” Essa ideia começou a ganhar vida no dia de hoje, revelada durante a apresentação do planejamento do Noroeste para a Copa Paulista, que começa no próximo sábado.

O presidente noroestino, Estevan Pegoraro, chamou à mesa do evento os dois novos membros de sua diretoria. Reinaldo Mandaliti, homem-forte do Vôlei Bauru, é o novo vice-presidente de futebol do Alvirrubro. Já Vitinho Jacob, diretor técnico do Bauru Basket, ainda não tem cargo definido (diretor social ou de patrimônio), até porque não conseguirá atuar no dia a dia noroestino, pelos compromissos com o Dragão — onde é gestor remunerado. O mais relevante, entretanto, é o elo criado entre as três principais modalidades do esporte local.

“A ideia principal, na figura dessas duas pessoas, é trazer unidade, plantar uma semente para que o esporte de Bauru seja visto de uma forma única, sempre respeitando cada uma das modalidades. Dentro de uma gestão para otimizar os custos, o departamento médico, a comunicação e o administrativo podem ser compartilhados. É uma situação que tende a evoluir, mas é embrionária ainda”, explicou Pegoraro.

“Minha família tem uma grande história com o Noroeste, sou apaixonado. Eu e meu irmão [Rodrigo Mandaliti] estaremos juntos para ajudar no que for possível. Não tem outro jeito de se fazer esporte: ou a gente se une e começa a reduzir despesas ou não chegaremos a lugar nenhum… Fazer uma união que gere um produto melhor para quem quer participar, para oferecer aos empresários, que traga fomento ao esporte bauruense”, destacou Reinaldo Mandaliti, que enfatizou que sempre será cada um com sua pessoa jurídica.

“Estou fulltime no basquete, mas temos pensamento conjunto, conversamos muito diariamente. Todas as modalidades levam o nome de Bauru e o que pudermos fazer uns pelos outros vai ser feito. Reduzindo custos, realizando parcerias. Sou noroestino de coração e se puder ajudar o Noroeste estou à disposição”, disse Vitinho, aparentemente pego de surpresa, mas figura habitual em Alfredo de Castilho e de seus bastidores.

Tudo o que for falado agora sobre essa união de forças será prematuro. Mas devagarinho algumas coisas devem acontecer. Uma equipe estampar o escudo/logomarca das outras duas em seu uniforme já é uma ideia que ganha força. A figura de Vanderlei Mazzuchini, ex-jogador de basquete e atual gestor do Vôlei Bauru também é simbólica: como braço direito dos Mandaliti, pode ser acionado eventualmente para ajudar o Norusca. Enfim, o otimismo vai longe, as ideias são muitas! Quem ama Bauru e ama o esporte deposita muita esperança no desdobramento desse assunto.

E a Caixa?

Criou-se muita expectativa sobre um novo patrocínio máster, após reunião de Pegoraro em Brasília com o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi. Mas a Caixa não patrocina clubes fora das Séries A e B do Campeonato Brasileiro. Ficou o compromisso de encontrar outras ferramentas de apoio, mas não é assunto para curto prazo.

Copa Paulista: ova diretoria, membros da comissão técnica e alguns jogadores do Noroeste
Nova diretoria, membros da comissão técnica e alguns jogadores na apresentação do planejamento para a Copa Paulista (junto com o convidado Mauro Silva, da FPF)

Copa Paulista

Com a participação do tetracampeão Mauro Silva, hoje dirigente na Federação Paulista de Futebol, foi apresentado o planejamento para a Copa Paulista 2017. Maciça parcela do elenco assinou contrato até o fim da Série A3 de 2018. Isto é, o técnico Vitor Hugo terá uma competição oficial com mais de cinco meses para calejar o elenco na briga pelo acesso. Seis jogadores, incluindo o atacante Rodrigo Tiuí (autor de dez gols no inesquecível Paulistão de 2006), serão bancados pelo empresário Marcos Galli (do título de capitalização Hiper Saúde). Investidor do futebol, Galli teve a palavra e lembrou que ajudou em oito acessos de clubes que apoiou. Sua aproximação do Noroeste foi obra do vice-prefeito Toninho Gimenes — ele e o prefeito Clodoaldo Gazzetta também estavam no evento realizado no Comprando, a exemplo do vereador Roger Barude, ex-secretário de esportes.

Copa Paulista: Mauro Silva e jogadores do Noroeste
Mauro Silva: palavras de apoio aos jogadores noroestinos que vão disputar a Copa Paulista

Mauro Silva salientou que a Copa Paulista é o produto da Federação que oferece calendário aos clubes do Interior e vaga para inserção no cenário nacional. E lembrou dos tempos de jogador, como era difícil enfrentar o Norusca. “Era muito difícil jogar aqui em Bauru. E sempre que se fala do Noroeste se lembra de um clube tradicional, um time grande do Interior, temido. Essa é a expectativa que a gente tem, de o Noroeste sonhar com o acesso estadual e com uma Série B do Brasileiro no futuro. A cidade de Bauru comporta isso”, destacou o camisa 5 da Seleção na Copa de 1994.

O Noroeste estreia na Copa Paulista no próximo sábado, 1 de julho, às 16h, contra o Velo Clube, no Alfredão.

TEM MUITO MAIS! Colhi muito material, entrevistas interessantes que merecem postagens próprias. Vou publicando nos próximos dias, ok? Avante, Noroeste!