Sesi Vôlei Bauru na semifinal da Superliga: duplo ineditismo!

Sesi Vôlei Bauru na semifinal da Superliga

São dois os feitos históricos do Sesi Vôlei Bauru nessa vitória por 3 sets a 1 (parciais de 26/24, 25/27, 23/25 e 19/25) sobre o Sesc Rio. Primeiro, e mais importante, a primeira semifinal de Superliga feminina da história da Cidade Sem Limites. Segundo, e mais fantástico: impor ao técnico Bernardinho sua primeira ausência entre os quatro melhores da competição desde que iniciou seu projeto.

Foram 21 temporadas ininterruptas como semifinalista, do Rexona (ainda em Curitiba) da temporada 1997/1998 ao Sesc Rio de 2017/2018. Doze títulos, cinco vice-campeonatos, três medalhas de bronze e um quarto lugar. Vinha de quatorze finais seguidas. Agora, controle remoto. É um feito e tanto das gigantes bauruenses. Quebrar uma hegemonia e, quem sabe, inaugurar uma nova história vitoriosa. Curiosamente — e preocupante —, duas belas equipes sob o incentivo do ameaçado Sistema S.

Assunto para outra hora. Por ora, apenas aplaudir as novas semifinalistas. Exaltar seu grande feito. E desejar que curtam cada gota desses playoffs. Pode haver gole de champanhe no final. Nada é impossível para quem destronou Bernardinho.


Fernando Beagá

 

Foto: Marcelo Ferrazoli/Assessoria Sesi Vôlei Bauru

Sesi/Vôlei Bauru apresenta técnico Anderson e promete ginásio para setembro de 2019

Sesi Vôlei Bauru

Terminada a temporada 2017/2018 para as equipes do Sesi/Santo André e do Vôlei Bauru, a manhã desta sexta-feira marcou oficialmente o início do projeto Sesi/Vôlei Bauru. Um evento com muita pompa, concorrido, com toda a sorte de personalidades e correntes políticas — vale lembrar que o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, é pré-candidato ao governo paulista.

Palanque à parte, o esporte bauruense tem muito a comemorar. Foram apresentados detalhes do novo ginásio, que será erguido na unidade Sesi do Horto Florestal — onde fica a escola, aliás, que hoje recebeu o nome do professor Duda Trevizani, outro momento do evento.

Com capacidade para cinco mil espectadores, o ginásio terá projeto pronto até julho, início das obras no final de outubro deste ano e previsão de inauguração em setembro de 2019. O custo estimado é de quinze milhões de reais. Terá também salas de fisioterapia, musculação, enfermaria, lanchonete e área externa para food trucks, além de espaços destinados à imprensa.

Novo treinador

Durante a cerimônia, foi apresentada a comissão técnica do Sesi/Vôlei Bauru, encabeçada por Anderson Rodrigues. Quando jogador, o campeão olímpico foi o primeiro capitão da primeira equipe apoiada pelo Sesi, em 2009. Ao CANHOTA 10, o novo treinador afirmou que o objetivo para a próxima temporada é brigar pelo título paulista e chegar, no mínimo, às semifinais da Superliga. E enalteceu que uma equipe que aposta em categorias de base pensa em continuidade. Até 30 de junho o novo elenco profissional será apresentado.

Tifanny - Anderson - Sesi Vôlei Bauru
Tifanny já trocou uma ideia com seu provável novo treinador. Foto: Fernando Beagá/Canhota 10

A permanência de Tifanny

Presente ao evento, a oposta Tifanny não chegou a ter sua presença anunciada, tampouco falou-se oficialmente sobre sua renovação. Muito requisitada pelos presentes, teve um momento reservado com Skaf, quando tiraram fotos. Ao repórter Luiz Lanzoni, da TVC Bauru, o vice-presidente do Vôlei Bauru, Adriano Pucinelli, confirmou a renovação.

Vôlei Bauru termina primeira fase da Superliga em oitavo e vai encarar o Praia Clube

Vôlei Bauru x São Caetano: próximo adversário será o Praia Clube

Não teve jeito. O Vôlei Bauru pagou pela campanha irregular e se classificou para as quartas de final apenas na oitava e última vaga — e vai encarar o líder Praia Clube. A partida derradeira na fase de classificação foi contra o São Caetano: derrota fora de casa por 3 sets a 1 (parciais de 28/26, 19/25, 25/21 e 29/27). Curioso: o São Caetano, que ficou de fora, em nono, venceu as gigantes duas vezes nesta Superliga. Uma vitória no tie-break também não adiantaria: somente os três pontos colocariam Bauru em sétimo — igualmente numa pedreira, o Sesc Rio, que vem crescendo.

O negócio era terminar em sexto, eu alertava há algumas semanas, para fugir de Praia e Rio. Mas significaria pegar o Minas, terceiro colocado, que vem embalado com título sul-americano e seria igualmente complicado. Ultrapassou o Osasco, que vai encarar o Barueri nas quartas. O Rio pega o Pinheiros. Minas e Fluminense fecham o chaveamento.



“Domingo já estamos treinando. Temos que trabalhar. Agora é playoff!”, avisou o técnico Fernando Bonatto, em entrevista pós-jogo ao repórter Chico José, da Jovem Pan News Bauru.

Na condição de azarão, Bauru pode surpreender o Praia, que provou não ser imbatível ao cair na semifinal da Copa Brasil… Paula Pequeno, no nosso programa ENTREVISTA 10, falou sobre jogar sem o peso do favoritismo.

Bom trabalho para as gigantes!

 

Flavio Perez/São Caetano

Entrevista 10, edição 1: Paula Pequeno

Paula Pequeno - Entrevista 10

Foi uma baita estreia, como eu já esperava. Obviamente, por causa da entrevistada. Paula Pequeno tem intimidade com a câmera, fala bem demais e tem conteúdo que não cabia em meia hora de papo. Foi aí que o ENTREVISTA 10 revelou sua primeira surpresa ao público: o conteúdo extra, com a continuação da conversa na live da nossa fanpage.

Conforme me propus a conduzir a pauta, passeamos por assuntos pouco explorados na dia a dia da cobertura esportiva. Paula falou de sua rotina na cidade, a ótima adaptação a Bauru e ainda revelou em primeira mão o diálogo com uma amiga que foi fundamental para ela superar uma recente contusão no ombro direito.

Na foto acima (de Bruno Rossi, o craque da direção de vídeo na TV FIB), está conosco a Mel, filha da Paula e igualmente uma simpatia!

Até 15h desta terça, a edição 1 do ENTREVISTA 10 ultrapassou mil visualizações somente na fanpage — sem contar a exibição no Canal Universitário (canal 14 da NET), que totalizará cinco horas e meia semanais com as dez reapresentações durante a semana (confira abaixo). Agradeço mais uma vez ao Bruno, ao Fabiano Marquezin (o craque da direção de imagem).

Apoio cultural ao ENTREVISTA 10

Empresas que quiserem patrocinar a atração terão espaço durante a exibição (logomarca, slogan e contato), em banner no rodapé da tela. O investimento mensal é bem convidativo e o nível da conversa promete um bom valor agregado. Os interessados devem entrar em contato pelo e-mail fernandobh@canhota10.com ou pelo telefone (14) 99115.1360 (inclusive WhatsApp).

Não viu a entrevista com Paula Pequeno ainda? Dê o play!

Dias e horários das reapresentações do ENTREVISTA 10 no canal 14 da NET:

Terça: 19h
Quarta: 10h
Quinta: 1h e 16h
Sexta: 6h, 21h
Sábado: 12h
Domingo: 7h e 22h
Segunda: 7h

Tifanny marca 36 pontos, mas Vôlei Bauru perde mais uma no tie-break

Vôlei Bauru x Barueri tie-break

Terminou a sequência dos cinco jogos dificílimos do Vôlei Bauru contra os times da ponta da classificação da Superliga feminina 2017/2018. Cinco derrotas, mas com três pontinhos preciosos em partidas decididas no tie-break. A última, contra o Barueri (25/20, 22/25, 25/15, 19/25, 13/15), na noite desta sexta, a mais doída, pois a equipe jogou bem, abriu 2 a 1, mas permitiu a virada. E segue sem vencer um tie-break…

Como diagnosticou o próprio técnico Fernando Bonatto ao microfone do repórter Chico José (Jovem Pan News), a equipe vem se comportando bem taticamente, mas não está sabendo decidir as jogadas cruciais e, consequentemente, fechar as partidas. No quinto set, foram três contra-ataque desperdiçados quando o placar marcava 13 a 13.

Mais uma vez, Tifanny foi muito acionada: 53 vezes, o dobro de Palacio (26). Isso, evidentemente, aumenta a chance de erros e a camisa 10 falhou nos lances decisivos da última parcial — momento em que, é sabido, está mais desgastada. Nada que desabone sua atuação, afinal, foram 36 pontos (e aproveitamento de 62% no ataque)! Parece mais uma questão tática, de depender menos dela e ter mais variedade ofensiva. Pelo lado do Barueri, a polonesa Skowronska anotou 24 pontos (acionada 41 vezes, aproveitamento de 59%). Vale destacar o retorno da central Thaísa, após dez meses de recuperação.



Agora, o Vôlei Bauru soma 26 pontos, podendo chegar no máximo a 31, mesma pontuação do Fluminense. Isto é: esqueçam o sexto lugar, pois o time carioca também tem dois jogos a disputar, um deles contra o lanterna Sesi Santo André… O São Caetano, com 22, está em nono, ameaça a classificação bauruense e haverá confronto direto na última rodada. Portanto, é bom as gigantes resolverem a parada antes, vencendo Valinhos na penúltima rodada.

O vestibular de Tifanny

No texto sobre os cinco jogos difíceis, opinei que Tifanny seria colocada à prova jogando contra as adversárias mais qualificadas. No quesito pontuação, passou com folgas. Anotou 132 pontos, uma média de seis por set! O número teria sido ainda maior não fosse a má atuação contra o Minas, quando marcou apenas seis. Nesse período, ficou ainda mais no olho do furacão. Tandara afirmou não concordar com sua participação na Superliga, enquanto a líbero Fabi disse não ter visto nada discrepante. O técnico do Sesc Rio, Bernardinho, defendeu o diálogo e mais estudos — o que vai de encontro ao que sugeriu o presidente do Vôlei Bauru, Reinaldo Mandaliti, em entrevista ao CANHOTA 10.

ENTREVISTA 10 começa com o Vôlei Bauru!

Nesta segunda, dia 19/fev, às 21h, estreia o programa ENTREVISTA 10. Começo entrevistando Paula Pequeno! Você pode acompanhar em live na fanpage do CANHOTA 10 ou pelo Canal Universitário (canal 14 da NET). A atração é uma parceria com a TV FIB.

 

Foto: Gaspar Nóbrega/Inovafoto/Hinode