Copa Paulista 2018: primeiras impressões sobre o Noroeste

Noroeste x XV de Piracicaba - Copa Paulista

Estreia com derrota, seguida de empate no primeiro jogo em casa. O início do Norusca na Copa Paulista não é animador, mas é cedo para concluir um futuro sombrio na competição — sabidamente encarada como parte do planejamento para a Série A3 de 2019. O que vale, nesse primeiro momento, é detectar características da equipe comandada por Betão Alcântara, treinador que chegou como unanimidade e, portanto, a ele devem ser dados crédito e paciência.

Apesar da chuva que caiu durante a partida contra o XV de Piracicaba na última quarta, deu jogo. Muitas chances de gol — de ambos os lados, diga-se — justificaram o ingresso dos pouco mais de quinhentos torcedores que encararam o frio. E essa é uma primeira e animadora impressão sobre o Noroeste de Betão: um time que ataca. Falta melhorar a pontaria, ficou evidente, mas não há nada mais frustrante do que ir ao estádio e não ver o goleiro adversário trabalhar. O goleiro Leonardo, do XV, sujou o uniforme. Mas há o outro lado: a defesa alvirrubra passou sustos, levou bola na trave e pelo segundo jogo seguido sofreu gol nos acréscimos. Saudades, Marcelinho.

Taticamente, o Norusca defende no 4-4-2: Daniel Bueno e Leandro Oliveira marcando a saída de bola, Gindre e Renatinho pelas pontas em linha com a dupla de volantes. Quando ataca, é um 4-3-3 com uma particularidade: Gindre poucas vezes faz o corredor pela direita, pois não é um atacante agudo, velocista; quem cai por aquele lado é Leandro Oliveira. E aí mora o problema: o meia criativo ficando limitado a aguardar um passe, quando deveria ser o autor de passes decisivos.

Nas laterais, imagino que Pacheco e Cazumba não estejam fisicamente plenos, afinal, estiveram jogando a Série D por empréstimo. Eu tinha muita expectativa por desempenhos diferenciados dos dois, o que ainda deve acontecer. Cazumba, entretanto, ganhou a concorrência de Thiago Feltri, jogador que, como ele, tem DNA de time grande na base (Atlético Mineiro).

A dupla de volantes foi bem contra o XV. Alê passa segurança, Rogério Maranhão tem bom passe. E ainda descobrimos que ele chuta bem — um golaço no primeiro tempo, uma defesa difícil do goleiro no segundo. Entre alguns cochilos, a zaga noroestina dá impressão de que vai entrosar. E de goleiro (Cairo), definitivamente, estamos bem servidos.

Finalizo repetindo frase do primeiro parágrafo: crédito e paciência, moçada.

 

 

Foto: Bruno Freitas/Noroeste

Acabou a espera: hoje tem Norusca!

Betão Alcântara, técnico do Norusca

Desde o dia 7 de abril (há quase quatro meses), o Esporte Clube Noroeste não entra em campo. Quem conhece a apaixonada torcida alvirrubra sabe como essa abstinência é cruel. Pois chegou o grande dia: o Norusca estreia hoje na Copa Paulista, às 15h, contra o Rio Claro — a saudade do Alfredão dura até a próxima quarta, dia 8. A partida terá transmissão da Jovem Pan News Bauru (FM 97,5 ou AM 760 ou pelo site).

Apesar de o objetivo principal ser chegar fortalecido à Série A3 de 2019, com um semestre inteiro de trabalho do técnico Betão Alcântara [foto acima, de Bruno Freitas/ECN], está vivo, sim, o sonho do tricampeonato — e a consequente vaga na Série D, o retorno ao cenário nacional.

Em Betão mora essa esperança. Ele é o melhor treinador desse cenário abaixo da elite paulista, conhece os caminhos do acesso e as brechas do campo nesses confrontos truncados em solo caipira. Que ninguém (nem diretoria, nem torcida, nem imprensa) caia na tentação de pedir sua cabeça se em algum momento nesta Copa Paulista a locomotiva sair dos trilhos. Deixemos o homem trabalhar. Ele foi tão desejado por todos e não vai desaprender. Com paciência, esse Noroeste vai longe.

O elenco foi bem montado, é mais equilibrado do que o que foi montado para última terceirona. Tem um goleiro experiente (Cairo), dois laterais diferenciados fisicamente (Pacheco e Cazumba) e meias de criação que quase ninguém tem (Hugo e Leandro Oliveira).

Novidades

A Federação Paulista de Futebol realizou um congresso de abertura da Copa Paulista 2018, reunindo palestrantes e divulgando informações sobre a organização da competição. Além de poder escolher entre a Série D e a Copa do Brasil, o campeão receberá uma premiação de R$ 250 mil — o vice, R$ 150 mil. Outra novidade, que impacta em economia para as viagens: os times já sairão de suas cidades sabendo que uniforme utilizar. Na estreia, por exemplo, o Norusca jogará de camisa branca e calção vermelho:

Fardamentos de Rio Claro e Noroeste. Imagem: Reprodução FPF

Presidente admite dificuldades

Na última quinta-feira, o presidente noroestino, Estevan Pegoraro, concedeu relevante entrevista ao Esporte em Discussão, da Jovem Pan News Bauru, conduzida por Rafael Antonio e Lucas Rocha. Admitiu atrasos de salários dos funcionários administrativos e que está negociando os acertos dos jogadores que deixaram o elenco no último semestre. Também falou de outros compromissos que não puderam ser honrados por conta da queda de receita — impacto da perda do incentivo fiscal e consequente saída da Tel. Por outro lado, celebrou o acerto da nova patrocinadora máster, AgroVale, que deve dar um fôlego nessas dificuldades. Falou ainda da renúncia do vice-presidente Reinaldo Mandaliti, que sai do cargo, mas segue apoiando, e da relação complicada com o poder público — as burocracias têm impedido o clube de receber o aluguel da Panela de Pressão. Confira abaixo o áudio completo da entrevista (gentilmente enviado pelo Rocha):

Com Betão Alcântara, Noroeste segue firme no propósito de crescimento

Betão Alcântara - novo técnico do Noroeste

Na quarta-feira anunciamos o novo treinador. E a torcida vai gostar”, disse o vice-presidente do futebol do Noroeste, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10 da última segunda-feira. Feito. O clube anunciou hoje pela manhã Betão Alcântara como novo técnico. E todos gostaram mesmo. Era sonho antigo, é um rei de acessos.

A contratação mostra que a diretoria alvirrubra segue firme no propósito de tirar o Norusca desse patamar de terceirona. Pelo segundo ano seguido, contrata o treinador atual campeão da Série A3. Betão acabou de ganhar o título pelo Atibaia, um time de torcida diminuta e que atuava em outra cidade. Que ignorou camisas pesadas como a do próprio Noroeste (nas quartas) e da Portuguesa Santista (na final), que tinha melhor campanha.

Com 56 anos, vinte de carreira, Betão poderia dar um salto, disputar a Série A2 — pelo próprio Atibaia ou pelo Rio Claro, onde foi sondado —, mas acreditou no projeto noroestino. E sua chegada, agora, a mais de seis meses da próxima temporada, indica que o trabalho para a Copa Paulista ambiciona o cenário nacional — o título dá vaga à Série D.

O homem entende de acesso: em 2015, levou o Fernandópolis da Bezinha à Série A3; em 2016, subiu o Rio Preto da terceirona para a A2; e agora esse título com o Atibaia. O negócio é depositar confiança em Betão e deixá-lo trabalhar. Isso vale para todos: diretoria, imprensa e torcida. A paciência não é hábito na comunidade alvirrubra. Que tudo dê certo dessa vez.

Confira como foi a conversa com o vice de futebol, Reinaldo Mandaliti, ao ENTREVISTA 10:

Perfil completo de Betão no site oficial do Noroeste

Foto: Eduardo Lustosa/Atibaia

A3 de novo em 2019: termina o sonho do acesso do Noroeste

Atibaia x Noroeste - Série A3

Foi um jogo franco, com os dois goleiros praticando defesas milagrosas, mas somente o Atibaia balançou as redes e venceu o Noroeste por 1 a 0, fechando esse confronto das quartas da Série A3 com duas vitórias e avançando. Já o Norusca se despede do sonho do acesso.

A diretoria alvirrubra contratou reforços de peso para esta segunda fase (principalmente o lateral-esquerdo Alex Cazumba) e proporcionou à equipe uma preparação diferenciada em Sorocaba, nesta semana decisiva. Mas, apesar de criar jogadas, terminou esse mata-mata sem fazer gols. E sofreu, aos 21 do primeiro tempo, o tento do Atibaia marcado pelo zagueiro Júnior. Confira abaixo como foi:

Entre as chances criadas pelo Noroeste, Jorge Mauá ficou cara a cara com o goleiro Cairo:

Agora, é baixar a poeira, avaliar acertos e erros e planejar a Copa Paulista. Por que não sonhar com a Série D do Brasileiro?

O Noroeste perdeu jogando com Ferreira; Pacheco, Dão, Marcelinho e Alex Cazumba; Maicon Douglas, André Rocha (Leandro Oliveira), Gindre (Rodrigo Tiuí) e Ewerton Maradona; Fernandinho e Jorge Mauá (Gabriel Esteves).

Abre aspas

Confira algumas declarações colhidas pelos repórteres Jota Augusto e Jota Martins, durante a transmissão da Jovem Pan News Bauru:

Não matamos em casa. Aqui, fizemos um bom jogo, mas não conseguimos fazer o gol e tomamos na bola parada”, lamentou o lateral-direito Pacheco.

Faltou o resultado em casa… A bola pune. Infelizmente, não conseguimos, mas esse projeto do Noroeste é muito grande. Vamos ver o que a diretoria vai querer da gente na Copa Paulista”, disse o centroavante Jorge Mauá.

Lamentamos muito. Se não tivemos a competência para fazer os gols é porque faltou alguma coisa. Fica a sensação ruim, porque tínhamos capacidade, por tudo o que o time fez. Treinamos a semana inteira para chegarmos aqui com mais qualidade. Aconteceu exatamente o que treinamos, criamos situações, mas faltou o último toque”, lamentou o técnico Alberto Félix.

O Noroeste na Série A3 é uma judiação muito grande. Um time que enche seis ônibus é grande. Tiramos um grande do caminho. Tivemos o momento de jogar como time pequeno, recuar e partir para o contra-ataque”, comentou o Betão Alcântara, treinador do Atibaia.

 

Foto no topo e imagens dos gols:  Reprodução TV FPF

Noroeste fica no zero e terá que vencer Atibaia fora de casa para avançar

Noroeste x Atibaia

Alfredão bonito, tingido de vermelho e branco, bom público (3.376 pagantes, renda de R$ 56,9 mil) e aquela noite agradável para acompanhar um belo futebol. Mas, na pegada de um jogo decisivo (a ida das quartas de final da Série A3), sobrou correria e vontade e faltou qualidade. Nessa toada, o Noroeste pouco criou e empatou em 0 a 0 com o Atibaia.

No primeiro tempo, a bola ficou mais voando de um lado para o outro do que deslizando pelo gramado. E o Norusca, com três dos quatro reforços já no time titular, tinha dificuldades em criar. Ewerton Maradona e Fernandinho deram mais velocidade ao setor ofensivo, mas faltou o encaixe de uma tabela decisiva. O outro estreante, o lateral-esquerdo Alex Cazumba, passou segurança em seu setor, mas não apoiou o ataque.

Bastaram poucos minutos do segundo tempo para a torcida pedir o meia Leandro Oliveira e o centroavante Jorge Mauá, os principais jogadores da primeira fase. O técnico Alberto Félix ouviu meio apelo aos doze minutos, colocando Mauá no lugar de Vilson. Aos 26, a outra: Oliveira substituiu o aplaudido Maradona.

Com chute diferenciado, Oliveira passou a levar perigo à área do Atibaia nas bolas alçadas, além de bom arremate de longe, aos 32min. Nos minutos finais, os visitantes passaram a pressionar — e Ferreira a trabalhar… Oliveira ainda devolveu outro chute perigoso, mas o placar terminou inalterado.

O Noroeste empatou com o Atibaia jogando com Ferreira; Pacheco, Jean Pierre, Marcelinho e Alex Cazumba; Maicon Douglas, André Rocha, Vilson (Jorge Mauá) e Ewerton Maradona (Leandro Oliveira); Gindre (Alef) e Fernandinho.

(A foto, ruim, do celular, é minha mesmo)