Noroeste poderá ter adversário estrangeiro em amistoso festivo

Bastidores da apresentação à imprensa: Occhiuto cumprimenta o atacante Paulo Roberto. Em seguida, ele falou de projetos do clube

Durante a apresentação do atacante Paulo Roberto, de 25 anos (ex-Atlético Sorocaba), membros da cúpula noroestina afirmaram, em conversa com profissionais de imprensa, estar correndo atrás de um adversário para um amistoso em comemoração do centenário do clube.

O gerente de futebol Ricardo Occhiuto contou a mim e aos repórteres Jota Martins (87FM) e Thiago Navarro (Jornada Esportiva) que várias ações estão sendo planejadas, entre elas um amistoso. O grande sonho de enfrentar o Corinthians, que completa 100 anos no mesmo dia, não está descartado. Segundo Occhiuto, essa possibilidade está sendo levantada pessoalmente pelo presidente Damião Garcia, conselheiro vitalício do Corinthians e com bom relacionamento com o clube alvinegro.

Perguntado sobre um possível amistoso com um clube estrangeiro, o assessor de marketing Evaldo Armani acha possível, e citou a parceria com profissionais da Universidade do Sagrado Coração para levar à frente o projeto – lembrou que o chanceler da USC, Rodrigo Rocha, é natural do Chile e poderia estreitar algum contato com um clube daquele país.

Na ocasião, o gerente Occhiuto disse que não vai medir esforços para atrair o torcedor para o estádio e que em breve haverá novidades nesse sentido. Em entrevista a Renan Biazotti, da 94FM, confirmou o valor dos ingressos nos jogos da Copa Paulista: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

O atacante, de 25 anos, espera se recuperar de primeiro semestre irregular em Sorocaba

Paulo Roberto
De fala calma, o novo atacante do Noroeste prometeu empenho e gols por seu novo clube. Espera fazer um bom papel na Copa Paulista para continuar no grupo que disputará o Paullistão 2011. Com 1,88m, é forte no jogo aéreo e sabe da responsabilidade de brigar pela camisa 9, tão consagrada pelos gols de Zé Carlos no primeiro semestre.

Em conversa com os colegas de crônica, é consenso que Adílson Souza ainda não emplacou no clube e, portanto, são grandes as chances de Paulo Roberto se tornar titular.

Nota: foi a primeira vez que estive no complexo Alfredo de Castilho pelo Canhota 10. A receptividade de Occhiuto e Armani foi bacana, sobretudo a do assessor de imprensa, Erlinton Goulart. Deixei claro que o conteúdo do site é predominantemente opinativo, e não noticioso. Estarei nos jogos no Alfredão e eventualmente posso acompanhar bastidores, como aconteceu hoje: a conversa com os dirigentes rendeu esta boa pauta.

É CAMPEÃO! Relembre o título de 2005

Talvez o Noroeste desperte tanta paixão em seus torcedores por suas peculiaridades. Além de suas conquistas serem em sua maioria sofridas, outro fator é a identificação dos jogadores com o clube. Mesmo em tempos de contratos curtos, há atletas que, nos anos recentes, defenderam o Norusca por muitas temporadas. Bonfim e Marcelinho são o maior exemplo.

Bonfim era o capitão do time na Copa FPF 2005 e, cinco anos depois, vai novamente ajudar o time, agora na Copa Paulista. Não reclamou, em momento algum, da reserva na campanha da Série A2, no primeiro semestre. Demonstra gratidão pelo clube como poucos. E respeita muito a torcida.

Marcelinho é outro que ainda veste alvirrubo – no momento, emprestado ao Santo André, mas volta para o Paulistão. É um coringa. Foi meia quando moleque, profissionalizou-se como quarto-zagueiro, já quebrou galho na lateral-esquerda e fez um baita campeonato no acesso deste ano como volante. Em 2005, foi do inferno ao céu nas finais da Copa FPF: falhou em um dos gols do Rio Claro no jogo de ida, em Bauru (Norusca 3 a 2), mas em Rio Claro, desempatou a partida para o Alvirrubro, quando estava 2 a 2 (terminou 4 a 2). Gol importantíssimo, pois vitória do rival por qualquer placar deixaria o título para os donos da casa.

A seguir, reproduzo textos de dois colegas jornalistas que contam a história daquela decisão que rendeu o título mais recente da história do Noroeste – e o único troféu da era Damião Garcia (já que o título do interior de 2006 não é oficial). São textos longos, mas estou certo de que o norestino irá se deliciar com a lembrança.

1º jogo
Bom Dia Bauru (edição número 001!!!), 20 de novembro de 2005

Noroeste ensaia goleada, mas bate o Rio Claro por apenas 1 gol
No primeiro jogo da final da Copa FPF, Noroeste faz três gols no 1º tempo, mas permite reação
Por JÚLIO PENARIOL

O Noroeste venceu o Rio Claro ontem, no estádio Alfredo de Castilho, por 3 x 2, na primeira partida válida pela final da Copa Federação Paulista de Futebol (FPF).
Com o resultado, a equipe bauruense está a um empate de disputa a Copa do Brasil pela primeira vez. Se for vice, jogará a Série C do Brasileirão do ano que vem.
O jogo de volta será no próximo domingo, em Rio Claro, às 11h. A equipe da casa, por ter feito melhor campanha nas outras fases, precisa de uma vitória simples para ficar com o título.

Começo quente
Jogando com três homens de frente, o Noroeste partiu para cima e abriu o marcador aos 14 minutos, em uma cobrança de pênalti pelo artilheiro Felipe.
Aos 26, o lateral-esquerdo Marcelo Santos cruzou na área e Felipe desvia de cabeça, de leve. O árbitro, porém, credita o gol para Marcelo Santos.
Em bela jogada pela esquerda, Otacílio Neto chuta e Buiú aproveita rebote do goleiro para fazer o terceiro gol do Norusca.
Mas o que parecia que iria terminar em goleada, mudou de figura. Ainda no primeiro tempo, Vinícius arranca pela direita e diminui. O mesmo Vinícius, na segunda etapa, dá números finais ao placar. No final do jogo, mesmo com a derrota, os jogadores de Rio Claro saíram de campo festejando o resultado.

O Noroeste jogou com Gustavo; Cacá, Bonfim, Marcelinho e Marcelo Santos; Danilo, Luiz Carlos, Wellington e Buiú; Otacílio Neto e Felipe (Teco).
Foram 4.079 pagantes no Alfredão

2ºjogo
Trecho do livro “A voz da geral: do fracasso à glória em quatro anos

Por BRUNO MESTRINELLI

Depois de três horas de viagem, os bauruenses chegaram ao estádio da cidade, que já estava tomado pelos torcedores do time adversário. Eram cerca de 500 pessoas, entre os membros da Sangue Rubro, torcedores da região de Rio Claro e bauruenses que viajaram de carro. Enfim, o Noroeste não estaria só. Teria muito apoio na disputa da decisão da Copa FPF.

Após certa espera, os torcedores se acomodaram nas modestas arquibancadas do estádio rio-clarense. – Vamos ver o Noroeste ser campeão. Quer ver esse time na Copa do Brasil. Série C a gente garante no Paulistão do ano que vem – dizia Pavanello, enquanto tirava algumas fotos com a nova máquina digital adquirida para registrar os momentos históricos da torcida e, principalmente, do Noroeste.
– Tira aquele caminhão de chopp ali, Pava. Eles acham que vão ficar com o título – ironizava Niltinho, sobre o chopp encomendado pela diretoria do Rio Claro. Precisando da vitória, o Rio Claro partiu para cima do Norusca. Logo aos 3 minutos, a primeira chance foi criada quando Marcelinho fez grande jogada pela esquerda e passou para Luciano Gigante, que chutou cruzado para fora.
Depois de perder duas boas chances com Marcelinho, o Galo chegou ao gol. Aos 11, em jogada iniciada pela esquerda, Alan chutou para a área e Cristiano acabou desviando contra o próprio gol. A desvantagem complicou ainda mais o posicionamento do Noroeste em campo, que não conseguia conter a pressão adversária. – Estamos recebendo uma pressão incrível. Precisamos acalmar a bola na defesa e não amarela aqui. Nosso time é melhor – gritava um torcedor desconhecido, provavelmente morador da região.

Mesmo com a presença da torcida do Noroeste, o time de Bauru não conseguia se encontrar em campo. Aos 35, o placar quase foi ampliado, quando Alan, que importunava muito a defesa do Norusca, aproveitou a falha no meio de campo e entrou na área pela esquerda, calculou minuciosamente e acabou dando um toque de leve na bola, acertando a trave.
Em outra delas, Alan passo na medida para Vinícius que, de frente para o goleiro Defendi, desperdiçou, na boa defesa do bauruense. Era um verdadeiro jogaço. Nos quinze minutos finais, o Noroeste encontrou um melhor posicionamento e equilibrou a partida. Em uma das raras chances que teve, aos 40 minutos, Luciano Bebê acertou boa cobrança de falta e empatou o jogo, fazendo explodir a torcida de Bauru.

– Eu não costumo marcar gols de falta, mas Deus fez com que ele saísse no momento especial – comemorava Luciano Bebê, sem saber o que viria no segundo tempo.

O final do primeiro tempo acabou repetindo-se no começo do segundo. O Noroeste mostrou que a pontaria estava calibrada e virou o jogo logo aos 2 minutos. Em cobrança de falta, Otacílio Neto soltou a bomba com o pé esquerdo e acertou o canto alto direito. A bola ainda bateu no travessão antes de entrar.

Na saída de bola, quase o empate. Vinícius cabeceou e Tobias tirou a bola do seu destino, quase sobre a linha. Um recomeço de partida corrido, agitando as duas torcidas, que faziam um bonito espetáculo de cores, em azul e vermelho, e de gritos de incentivo. Mesmo com a vantagem, o Noroeste seguiu com o mesmo erro e, acuado em seu campo de defesa, deixava o Rio Claro penetrar em sua área. Com o atacante Bispo em lugar do zagueiro Dener, o Galo Azul ficava ainda mais ofensivo. Aos 9, após sufocar, a bola é erguida na área e Wagner mandou de cabeça para a rede. O jogo seguia quente, inclusive com jogadas mais duras, mas o árbitro Paulo César de Oliveira poupava os cartões. Dessa maneira, algumas boas chances do time da casa acabaram saindo em cobranças de falta. Aos 22, Luciano Gigante cobrou com categoria e a bola raspou o travessão. O excelente aproveitamento em chutes a gol do Noroeste acabou sendo o fator decisivo para o título. Aos 28, Marcelinho ficou com espaço pelo lado esquerdo da área, chutou cruzado e comemorou o terceiro gol dos visitantes.

A partir desse gol, o controle do jogo passou para o Noroeste. A torcida já comemorava. Pulava, escalava o alambrado, e gritava “olé, olé, olé”. – Estamos ficando mal acostumados! Vamos ganhar um título! Depois de chorar muito pelo Noroeste, por tristeza, agora estamos chorando de felicidade! – dizia Pavanello, abraçado com outros torcedores. Quase ninguém mais prestava atenção no jogo. Estavam todos comemorando quando Buiú ainda marcou o quarto gol, entrando em velocidade na área, cortando para o meio e chutando forte para, nos minutos finais, fazer a festa também dos jogadores. Depois de 10 anos, o Noroeste conquistava um título. O título era do Noroeste e a torcida, antes triste com o clube, passava mais um momento inesquecível.

O Noroeste jogou com Rafael Defendi; Cacá, Cristiano, Bonfim e Marcelinho; Danilo (Teco), Tobias, Luiz Carlos e Luciano Bebê; Felipe (Buiú) e Otacílio Neto (Otávio).

Desempenho histórico na Copinha

Números ajudam a contar a história e levantar expectativas. O Canhota 10 fez levantamento da participação noroestina na Copa Paulista (e seus nomes anteriores), desde sua primeira edição, em 1999. O Trem-Bala do Interior tem o seguinte retrospecto:

139 jogos
56 vitórias
38 empates
45 derrot
as
198 gols marcados
188 gols sofridos
49,4% de aproveitamento

Confira a seguir, ano a ano, o desempenho noroestino:

1999 • Copa Estado de São Paulo (campeão: Paulista de Jundiaí)
Noreste eliminado na primeira fase
6J • 2V • 2E • 2D • 9GM • 11GS

2000 • Não houve competição

2001 • Copa Coca-Cola (campeão: Bandeirante de Birigui)
Noroeste semifinalista
15J • 6V • 4E • 5D • 23GM • 18GS

2002 • Copa Futebol do Interior (campeão: São Bento de Sorocaba)
Noreste eliminado na primeira fase
14J • 4V • 2E • 8D • 13GM • 32GS

2003 • Copa Estado de São Paulo (campeão: Santo André)
Noreste eliminado na primeira fase
22J • 8V • 7E • 7D • 32GM • 28GS

2004 • Copa Estado de São Paulo (campeão: Santos)
Noreste eliminado na segunda fase
16J • 8V • 5E • 3D • 27GM • 19GS

2005 • Copa Federação Paulista de Futebol
Noroeste CAMPEÃO!
20J • 11V • 5E • 4D • 34GM • 22GS

2006 • Copa Federação Paulista de Futebol (campeão: Ferroviária)
Noroeste não disputou

2007• Copa Federação Paulista de Futebol (campeão: Juventus)
Noreste eliminado na primeira fase
12J • 3V • 4E • 5D • 13GM • 17GS

2008 • Copa Paulista (campeão: Atlético Sorocaba)
Noreste eliminado na segunda fase
20J • 9V • 5E • 6D • 30GM • 26GS

2009 • Copa Paulista de Futebol (campeão: Votoraty)
Noreste eliminado na primeira fase
14J • 5V • 4E • 5D • 17GM • 15GS

No próximo texto, recordaremos a conquista de 2005, sobre o Rio Claro, quando a dupla de ataque Felipe e Otacílio Neto infernizou os adversários – e Buiú era o cara que colocava fogo no jogo no segundo tempo. Até lá!

Saudações alvirrubras.

Brucutu é o c…


Até pensei em colocar apenas zagueiros da atualidade (Índio e Chicão no ataque, por exemplo…), mas resolvi homenagear os melhores da história – portanto, o gramado judiado da imagem é brincadeirinha com a fama de brucutu dos defensores! Confira o timaço sensacional de zagueiros que imaginei:

KOEMAN (goleiro): em tempos de goleiro-artilheiro, ele iria arrepiar adversários com suas cobranças de falta.

BARESI (lateral-direito): um dos poucos na história a dominar a função do líbero (ataca/defende), adaptaria-se tranquilamente à lateral.

GAMARRA (beque-central): melhor zagueiro do mundo nos últimos dez anos, merece a homenagem.

ALDAIR (quarto-zagueiro): se me pedissem para desenhá-lo no jogo Imagem & Ação, faria o número 4. Personifica a função. É o cara!

PASSARELA (lateral-esquerdo): com sua canhota, atuaria fácil na latera.

JUAN (volante): único dos meus selecionados ainda em atividade e clone de Aldair, daria muita qualidade à saída de bola.

BOB MOORE (volante): o elegante Sir nunca bagunçou o penteado. Seria Mozart carregando o piano.

DOMINGOS DA GUIA (meia): se driblou muito lá atrás (as famosas ‘domingadas’), suas fintas ajudariam a abrir espaços no campo ofensivo.

BECKENBAUER (meia): o maior defensor de todos os tempos ganha a camisa 10 com louvor – e a braçadeira de capitão também.

LUIS PEREIRA (atacante): seria o centroavante trombador, ganhando no corpo e fazendo seus golzinhos. Além de infernizar – inclusive no grito – os adversários.

FIGUEROA (atacante): notório no jogo aéreo, cansaria de fazer gols com as assistências do Kaiser.

Reflexão de cabeça fria

Kaká teve bons momentos. Seu único erro foi omitir que jogou no sacrifício durante e contar depois, como desculpa

Ainda durante a partida contra a Holanda, pelas quartas desta Copa 2010, quando o Brasil dava nítidos sinais de que não conseguiria reagir, os cronistas, pela TV ou pelo Twitter, começaram a enumerar os erros de Dunga. Erros que haviam sido apontados antes de a Copa do Mundo começar, ok, mas que foram sumindo dos argumentos durante a disputa, sobretudo após as vitórias sobre Costa do Marfim e Chile. No futebol é assim: o resultado pauta a opinião. Afinal, se jornalista esportivo relatasse a verdade – o Brasil perdeu porque a Holanda jogou melhor e fez mais gols – morreria de fome. Precisa especular, esmiuçar, fantasiar até.

Mas, passados alguns dias da eliminação, a cabeça está mais fresca, as ideias mais organizadas, descontaminadas da frustração. No dia do jogo, por exemplo, Felipe Melo recebeu o rótulo de vilão por protagonizar todos os lances capitais. Revendo a partida, percebi a expulsão foi sua única falha – suficiente para ter atrapalhado a equipe, é verdade, e merecer o rótulo. Mas, no primeiro gol holandês, é Julio Cesar quem comete o equívoco de não gritar ‘Minha!’ e sair soberano na bola. No segundo, vendo o lance desde o início, percebe-se que é Gilberto Silva quem está marcando Sneijder. Ele cochila, olha para a bola ao invés do adversário.

Foi simples assim: Sneijder desequilibrou – como Zidane em 1998 e 2006 -, a Holanda jogou melhor e venceu. Se fosse melhor de três, o Brasil venceria as outras duas. Era melhor time, prova disso foi o soberbo primeiro tempo, de encher os olhos, com lampejos da tão sonhada arte que os ranzinzas pedem. Mas o futebol é maravilhoso exatamente porque escreve a sua história de forma tortuosa.

É claro que Dunga poderia ter convocado melhor. Mas os reservas em potencial de Kaká – Ronaldinho e Diego – foram mal com a Amarelinha, quando chamados por ele. Ganso? Seria maravilhoso. Seria? Uma pergunta que já nasceu sem resposta. Difícil imaginar como o garoto se comportaria na Copa do Mundo. Eu arrisco que teria sucesso. Mas arriscar não foi um verbo muito usado no mandato de Dunga na Seleção.

Mesmo que Dunga tivesse apenas acertado - o que não foi o caso - não sairia ileso de sua experiência como treinador da Seleção

Não concordo com o coro de que o treinador aplicou a filosofia do antifutebol, sem raízes brasileiras, nem acho que o quartel que montou na concentração foi de todo ruim. Foi uma postura paternal, de proteger os jogadores, que aparentemente ganhou a aprovação deles – talvez exceção feita a Robinho, que teve problemas ao conceder entrevista fora de hora e viu sua esposa reivindicar uma visita.

Dunga montou um time equilibrado, aplicado taticamente, veloz no contra-ataque. Muito parecido com o que a Alemanha tem feito. Os germânicos estão encantando o mundo com um futebol sem firulas – que a parcela mal humorada da imprensa brasileira diz que é arte, só para cutucar.

Enfim, o Brasil perdeu. Sexto lugar é pouco para o tamanho de sua história. Mas não se pode jogar quatro anos de trabalho no lixo, malhar um ex-capitão, campeão do mundo. Era bem intencionado. Queria acertar. Por aqui, a impaciência com ele não foi por causa de sua postura um tanto arrogante, sua falta de tato com a imprensa. Afinal, o rabugento Muricy Ramalho é cult. O problema é que técnico da Seleção não pode errar…

Ah! Antes que você dê sequências àquelas ridículas correntes conspiratórias de que o o Brasil vendeu-se em 1998 – e que, agora, trocou a taça de 2014 para entregar nessa, por favor – reveja as entrevistas de Julio Cesar aos prantos. Uma Copa do Mundo não tem preço.