Eu, corredor (8): o desafio de voltar

Esta é a parte sem-vergonha do blog. Aquela em que o jornalista se mete a criar um querido diário, contar sua luta contra o sedentarismo, mas a preguiça está na frente, bem na frente… Mas, não tem outro jeito: tenho que retomar quantas vezes forem necessárias. A corrida acaba sendo pano de fundo. Não tenho metas ousadas de resultados ou de quilometragens. Só quero ver minha saúde refletida nas passadas — e consequentemente diminuir a incômoda barriguinha.

A última vez que completei uma prova foi no início de julho de 2012! E logo depois da minha melhor performance (a primeira vez correndo 5km abaixo de 30min), parei total. Pausa para férias, desencontro agenda-academia e só quase um ano depois criei vergonha na cara.

De volta para a academia. Por pouco tempo… Veio uma crise de labirintite e pausou o esforço do meu retorno. Coincidindo com a cara nova do blog, quero de novo dar a cara entre os ferros. A prioridade é total no fortalecimento muscular, a parte aeróbica vem com o tempo. Mas aí, bateu a vontade de cometer a loucura de correr uma prova de 6km já no dia 25 de agosto. Dá tempo? Não sei. Ano passado, nessa mesma prova, corri 3km, caminhei 1km e voltei a correr outros 2km. Não queria passar por essa experiência de novo. Bom, vamos ver no que dá, tudo vai depender da frequência nesses primeiros dias.

Até com a leitura sobre os benefícios da corrida eu parei… É um universo fascinante. Vai aqui só um aviso: minha intenção não é criar um manual de corredor, arriscar dicas, nada disso. Meu negócio é contar história. Se entreter alguém, terá valido a pena.

Por enquanto, se ninguém acreditar na minha volta, eu compreenderei. Espero surpreender. Inclusive a mim mesmo!

Esportista bauruense, divulgue suas conquistas!

A prioridade do Canhota 10, como se sabe, é acompanhar o Bauru Basket e o Noroeste. Até pela falta de tempo para cobrir outras tantas modalidades que trazem vitórias para a Cidade Sem Limites. Entretanto, o blog sabe que tem muita história bacana por aí para ser contada e abre espaço para os esportistas divulgarem seus feitos.

Semanalmente, a seção Esportes Sem Limites trará em resumo informações de outros esportes que representam Bauru, como o futsal e o vôlei feminino — tem também o kung fu, o polo aquático, o golfe… E disputas locais e amadoras também valem! O importante é mostrar o valor de quem tem paixão pelo esporte.

Se você quer contar a sua conquista, envie foto e texto para fernandobh@canhota10.com

Hora da verdade tem data no Noroeste: 10 de agosto

Um dia após o outro, a promessa de que o pagamento virá se repete. Era para ser sexta passada. Depois, segunda, terça… Na quarta, há relatos de que vales no valor de R$ 200 pingaram para os funcionários, o que é muito pouco, convenhamos. O elenco profissional segue com os vencimentos atrasados.

O colega Jota Martins, da 87FM, sustenta a opinião, até pela conversa informal que teve com o presidente Anis Buzalaf, de que o divisor de águas será dia 10 de agosto. Nesse dia, a parceira FL Work and Sports deverá honrar o que firmou em contrato: depositar R$ 130 mil na conta do clube.

Até o momento, seu gestor, Fabiano Larangeira, não demonstrou ter condições de arcar com esse valor. Fala sempre que está correndo atrás de recursos quando, na verdade, ele seria o principal recurso. Chegou forasteiro, desinformado, achando que conseguiria apoio do empresariado local — que bem que poderia investir na marca centenária do Norusca! — e acabou gerando essa interrogação.

Na coletiva da semana passada, a que era para ser bombástica e não foi, Larangeira prometeu definições e anúncio de onde viria o dinheiro. Até sexta, dia 27. Nada. Qualquer outra promessa de data pode gerar frustração. O negócio agora é esperar dia 10. E torcer para que ele surpreenda a comunidade noroestina, com a pulga atrás da orelha. Tomara mesmo. Pareceu estar determinado, tem um bom diálogo e até certa influência, afinal, trouxe jogadores de peso para uma Copinha. Mas, jogadores de peso têm custo e é preciso dar conta.

Balancete
Primeiro eram os exames médicos, depois a suspensão do presidente pelo STJD (por cheque sem fundo à arbitragem do jogo contra o Criciúma), agora é o balancete de 2012, que deveria ter sido apresentado no final de abril. Por influência do ex-presidente Claudio Amantini, junto à Federação, parece que o prazo foi prorrogado, o que facilitaria a inscrição dos reforços que ainda não estrearam. Hoje já é quinta. Dedos cruzados de olho no BID da CBF…

O que esperar de Neymar no Barcelona?

Tenho uma birra muito grande dessa obsessão criada sobre o título de melhor jogador do mundo. Tudo culpa do Robinho — o ídolo de Neymar. Quando saiu do Santos para jogar no Real Madrid, citava esse objetivo em todas as entrevistas. Não falava em ganhar títulos ou estabelecer-se na Seleção Brasileira. Queria estar no topo da boleirada.

Pois é, Robinho não conseguiu. Resultado? Há quem pense que sua passagem pela Europa é um fracasso. Tudo por conta da imensa expectativa que ele mesmo criou. E o Rei das Pedaladas não foi um fiasco por lá. Teve seus momentos de auge no Real Madrid, no Manchester City e, sim, também no Milan, contribuindo com uma conquista do Italiano. E, vale lembrar, nos quatro anos de Dunga na Seleção, ele foi quem mais atuou e também um dos artilheiros do time. Mas vai ficar essa mancha.

Agora é a vez de Neymar. Mais calejado, preparado para o estrelato, o menino mandou bem logo em sua apresentação. Disse querer ajudar Messi a continuar sendo o melhor do mundo. Esperto, o garoto. Afinal, quem pode conquistar o mundo é seu desempenho jogando, e não falando. E se não levar esse troféu individual para casa, tanto faz. Vale muito mais uma Copa do Mundo. E ele já provou ser capaz de protagonizar jogos de alto nível com a amarelinha, na conquista da Copa das Confederações.

Então, hora de deixar o menino à sombra de Messi. Quando menos esperarem, seus golaços estarão pipocando nas redes sociais — até porque, as defesas dos times espanhóis são muitíssimo generosas… Penso que Neymar fará o mesmo estrago por lá que fizeram Romário, Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho. É só ter um pouco de paciência.

Rafael Monclova se despede do Bauru Basket satisfeito

Após conhecer Guerrinha e Lula Ferreira na viage dos dois à Espanha, Rafael Monclova, treinador do time cadete do Sevilla, aceitou o convite para vir ao Brasil para compartilhar um pouco da escola espanhola do basquete. Foram 15 dias entre os francanos, outros 15 em Bauru. E uma rápida passagem por São Sebastião do Paraíso para acompanhar partidas da Liga de Desenvolvimento (LDB).

O treinador espanhou saiu satisfeitíssimo da experiência no Brasil. Ele falou com o Canhota 10. Confira.

Guerrinha e Lula
“São grandes treinadores, preocupados em melhorar suas equipes e melhorar o basquete como um todo. É sempre bom que treinadores dessa qualidade busquem se aperfeiçoar.”

O intercâmbio
“É minha primeira vez no Brasil e foi uma grande experiência, conhecer o basquete daqui, outra metodologia, outra cultura. Além de ser uma experiência pessoal importante.”

Primeira impressão do Bauru
“O time vai ganhando forma aos poucos. Mas o Guerrinha tem um bom elenco nas mãos, competitivo. Gente que trabalha duro.”

O novo garrafão bauruense
“Os pivôs trabalham muito bem. São disciplinados, querem melhorar. Fizemos muitos trabalhos individuais, técnicos e táticos. Trabalhamos o jogo sem bola, que foi bem desenvolvido, e pode garantir pontos a mais. Com a intensidade e qualidade que mostraram, com a gana de melhorar, formarão um garrafão muito sólido.”

Mais um torcedor
“Vou seguir pela internet o desempenho de Bauru e Franca. Espero voltar outra vez, ver partidas ao vivo, com torcida… Agora sou mais um dos torcedores de Bauru e Franca.”