Para avançar na Série A3, Noroeste tem que ignorar as estatísticas

O argumento de que o Noroeste está invicto em  casa não serve para animar a torcida. Um empate contra o Barretos, neste sábado, manterá a invencibilidade. Mas empatar não resolve a vida do clube. Pior: o placar igual foi corriqueiro na campanha até aqui, na Série A3 de 2019. Oito vezes. Metade dos dezesseis jogos. Mais da metade das partidas no Alfredão — cinco em oito. Se considerarmos todos os confrontos oficiais disputados  pelo Norusca desde janeiro de 2018 (na Vila Pacífico), são treze empates em 24 pelejas — mais do que as nove vitórias.

Se o torcedor quiser se apegar  aos números, que fique com o triunfo de 1 a 0 sobre o próprio Barretos, na quinta rodada. Com o fato de que fez gol em todas as partidas em casa este ano — apesar de só não ter sido vazado em duas.

Em resumo, se os números servem para alguma coisa nesse momento, são para alertar que a atitude do time em campo tem que ser diferente. Abrir o placar e não recuar — como já aconteceu —, não se não por satisfeito com a diferença mínima. Buscar um equilíbrio entre defesa sólida e ataque produtivo. Recuar, jamais. Se não quiser acabar com as unhas dos torcedores, o Alvirrubro tem que perseguir dois gols de frente para evitar sufoco nos minutos finais.

Amém.


Fernando Beagá

 

 

Foto: Bruno Freitas/ECN