CANHOTA 10

Quem é Fernando BH

Eu sou mineiro, mas não de Belo Horizonte — apenas morei lá, daí o apelido. Nasci em Ituiutaba no ano seguinte àquele em que o Noroeste disputou pela primeira e única vez a Série A do Campeonato Brasileiro. Cresci apaixonado por esporte e reportando minhas brincadeiras, daí descobri que era jornalista desde sempre.

Formado em Jornalismo pela Unesp Bauru, por aqui fiquei, por conta da oportunidade conseguida na Editora Alto Astral, onde ainda trabalho, hoje como editor-chefe e à frente de marcas importantes da empresa no mercado (Malu, Guia da TV, Todateen, Casa Linda e SBT em Revista), além de responsável pelas publicações esportivas — segmento, aliás, implantado por mim; um marco na história da Editora, até então concentrada nos assuntos do comportamento feminino.

Voltado a um mercado de abrangência nacional, sentia a necessidade de conviver com a realidade local. Assim, tornei-me colaborador da 94FM entre 2007 e 2008 e idealizei o Canhota 10 em julho de 2010, para seguir o esporte bauruense. Fui ainda colunista do jornal Bom Dia Bauru entre 2010 e 2012. Durante esses anos, tenho acumulado participações como banca examinadora de trabalhos de conclusão de curso de formandos em Jornalismo, concedido entrevistas a estudantes e convidado a palestrar para os universitários.

Além da atuação na Alto Astral, atualmente faço parte do time de comentaristas do jornalístico Informasom, da 94FM, comparecendo sempre que convocado pelo mestre Paulo Sérgio Simonetti. Com meus quase 15 anos de atuação profissional, fui conquistando credibilidade na imprensa local, como atestam os exemplos abaixo:

• lancei o livro Paixões de Bauru, em 2012
• ganhei o prêmio Top Blog na categoria Esporte, pelo Júri Acadêmico desse concurso nacional, em 2013
• recebi voto de aplauso da Câmara Municipal de Bauru, em 2014
• editei os três livros de Paulo Sérgio Simonetti — O Noroeste na Era Damião (2013), Noroeste: 104 anos de um teimoso (2014) e Joanin (2015) —, todos muito prestigiados e de extrema relevância para a memória bauruense
• eventualmente colaboro com publicações da cidade, como a revista AZ! e a TV FIB, ou sou convidado a opinar, como na revista Atenção e no Unesp Notícias, da TV Unesp

O Canhota 10 é fruto dessa trajetória de dedicação ao Jornalismo e um produto adequado para quem, como eu, trabalha a favor de Bauru.

Por que CANHOTA 10?
O jogo bonito precisa de um craque, que no futebol é caracterizado pela camisa 10. Número este que costuma vestir o meio-campista clássico, função iconicamente associada ao atleta canhoto. O meia-esquerda, o maestro, o cadenciador. Minha figura preferida no futebol, mas que pode ser transportado para o armador do basquete, o levantador do vôlei… Cada um com sua camisa ou lado mais forte, mas todos dispostos a encantar. Sob esse espírito, o Canhota 10 propõe um texto com mais ginga, mais atitude, mais humanidade. Que vá além da informação, que acrescente opinião e emoção a ela. Vestindo a camisa 10 de Bauru.