CANHOTA 10

Pelé, 70

Nascido em 23 de outubro – e registrado, mais de um mês depois, como do dia 21, Pelé está comemorando 70 anos de vida. E, merecidamente, tem sido reverenciado por toda a imprensa, com matérias ricas em detalhes de sua vida. O Bom Dia trouxe ótimo material hoje (22/10), que se extenderá até domingo. De minha parte, reproduzo texto que escrevi para uma revista especial da Editora Alto Astral (Série Grandes Craques) sobre o Rei. Na ocasião, trouxe os melhores trechos de uma entrevista coletiva de Pelé, da qual participei, e resgatei declarações dadas por ele à Folha de S. Paulo em 1974. Confira.

Série Grandes Craques 1, Editora Alto Astral, capa de Wilson Monaco Jr

COM A PALAVRA, O REI

Sempre que Pelé se manifesta, todos querem ouvir sua opinião

Pelé tem uma agenda apertada. Por isso, cada aparição vira uma oportunidade de ouvi-lo, saber o que pensa o Rei sobre seus súditos – afinal, qualquer ser envolvido com o futebol está abaixo dele. As declarações a seguir, ele deu em uma coletiva em abril de 2007, quando deixou recados importantes.

LEGADO
“Para quem não me viu jogar, é só ver o Pelé Eterno. Dá pra ver o que o Pelé fez. De vez em quando eu assisto e penso: esse cara jogava pra caramba!”

NOVO PELÉ
“Vai ser difícil nascer um novo Pelé. Meu pai e minha mãe já fecharam a fábrica!”

SER EXEMPLO
“Na ocasião do milésimo gol, eu tive a felicidade de pedir mais escolas para as crianças. Acho que todos entenderam a mensagem, não foi demagogia. Pena que a situação da educação piorou. Não devemos parar, temos que lutar. Eu quero dar de volta às crianças tudo o que o futebol me deu. Para isso, eu tento errar o mínimo possível na minha vida. Todos somos humanos, passíveis de erro. Conselho é fácil de dar, mas exemplos, não.”

AJUDAR O BRASIL
“Uma vez que fui à África, num evento da Copa de 2010, a convite do Mandela, ele me perguntou como um país que fala uma língua só, rico e maravilhoso, tem gente morrendo de fome… Ele disse que tinha que falar em várias línguas e dialetos para seu povo entendê-lo. Tenho o sonho de colaborar com meu país. E falta muita coisa pra eu realizar na minha vida. Espero que Deus me dê tempo e saúde para isso.”

SOBRE A COPA DE 2014
“É bom os torcedores saberem que não é pelo fato de a Copa ser no Brasil que vamos ganhar. Será muito difícil. E o único Mundial que tivemos aqui, perdemos…”

• • • • • • • • • • •
PELÉ DOCUMENTO
Em entrevista a Paulo Matiussi, para caderno especial publicado pelo jornal
Folha de S. Paulo sobre ele em setembro de 1974, o Rei fez declarações para a posteridade:

“Nunca pensei em ultrapassar os limites da lógica. Procurei apresentar um futebol objetivo. O resto, só Deus pode explicar.”

“Em 1970, jogamos com espírito de equipe, sabedores de que o conjunto era mais importante que a necessidade de afirmação pessoal.”

“Sei que nesta nova fase da minha vida [após despedir-se do Santos] terei bons e maus momentos.”

“Todos sabemos que o doping existe. Muitos foram dopados, outros se deixaram dopar, por ignorância.”

“Nunca me preocupei com a compra de árbitros. Meu negócio sempre foi jogar.”

“Quando menino, tinha dificuldade em chutar com a esquerda e cabecear. Aprendi a matar a bola no peito e a fazer outras coisas através dos treinos seguidos e puxados.”
• • • • • • • • • • •

Foto na homepage: Reprodução/Luiz Paulo Machado

Comentários

  1. DORIVAL disse:

    Nascido em 1950 e fã do Pelé, o Rei do Futebol Mundial, sempre o admirei pelo exemplo de jogador e ser humano que é, principalmente porque em sua época o futebol era realizado com garra, amor à camisa, pois os salários eram quase nada, se compararmos aos de hoje, onde muitos ficam modificados em função da fama, do que ganham, inclusive nem
    querem saber dos amigos de infância, sem contar os que usam mal o dinheiro e se perdem na vida.

    Se puderem, favor enviar-me material alusivo ao Pelé, bem como gostaria de receber algum material (camisa 10 do SFC), se nã for pedir demais. Se isso for possível, favor informar via e-mail e mencionar a quem devo procurar, etc.

  2. Marcelo Ricciardi disse:

    Não vivi os anos 1960 e 1970 e, portanto, posso dizer, de certa forma, que não sei quem foi Pelé. Não senti a emoção de vê-lo em campo pela Seleção ou o medo que sua figura deveria causar quando meu time de coração fosse o adversário. Também não vibrei com a possibilidade de presenciar o Rei em Bauru, quem sabe passando horas na fila para conseguir um ingresso que valesse um lugar em pé no Alfredão abarrotado de gente!

    Imagino que cada espirro de Pelé não tenha causado o mesmo impacto que Ronaldo, por exemplo. No entanto, eram outros tempos, em que a publicidade ainda não havia mergulhado de cabeça no mundo da bola. Por outro lado, Edson Arantes do Nascimento apareceu em novela, gravou disco, fez ensaios fotográficos de moda…

    Não sei bem a causa de não amarmos tanto Pelé como se acredita que deveríamos. Além dele ser um tanto “intocável”, penso que exista também um certo componente racista para isso, por mais que se exalte nossas raízes calcadas numa original mistura!

  3. Wagner S. disse:

    Pelé perdeu para Ronaldo em gols de copa do mundo, porque fez apenas 1 gol em 1962 e 1 em 1966. Na primeira só jogou uma partida e na seguinte, duas.
    Fez 12 gols e o Ronaldo, 15.
    Garanto que se ele jogasse todos os jogos sem ser criminosamente “caçado” pelos adversários (Portugueses, por ex.), a história seria outra.
    Outra coisa: ele não jogou em uma época em que os zagueiros não “sabiam jogar”.
    Eles sabiam sim.
    O problema era que parar Pelé era impossível a não ser através da violência.
    Ele jogava tanta bola, com tanta facilidade que parecia que os outros não jogavam nada.
    É isso.
    Dentro das 4 linhas do campo (e apenas dentro delas) jamais haverá outro melhor.
    Wagner S.

  4. o santos se deus quiser ele vai conseguir ganhar o paulistao