CANHOTA 10

Moleques da Vila

O assunto já é sabido da maioria e não preciso introduzir mais do que um resumo antes da reflexão: após a vitória sobre o Grêmio Prudente, alguns jogadores do Santos se reuniram num mesmo quarto da concentração e se conectaram ao Twitcam. Expostos a milhares de torcedores, falaram mais do que deviam.

Com palavreado chulo, malandro e até suspeito – como o gesto com o nariz do atacante Zé Eduardo -, e desconhecendo a regrinha de como se portar em público, rebateram ofensas de internautas e, pior, expuseram o que antes era boato: Robinho não goza de total admiração na Vila Belmiro – Zé Eduardo disse que ele, que está voltando ao Manchester City, não fará falta.

Eu sempre digo que o que jogador faz fora de campo não me interessa. O que ingere, quem pega na noite, a que horas dorme, se tem bom ou mau caráter… tudo isso é problema dele. Cada um colhe o que planta e é claro que, no futuro, homens de bem como Zico é que se tornam referência. Por isso separo: Garrincha, Almir Pernambuquinho e Paulo César Caju não deixaram de ser craques – e encantar multidões – por causa de suas trajetórias errantes.

O problema está quando o comportamento começa a respingar no dia a dia do clube. Quando o consumo de álcool e as poucas noites de sono minam o condicionamento físico, como aconteceu com Ronaldinho Gaúcho -revelação de Leonardo ao Bem, Amigos!, do Sportv, meses atrás. Quando um pega a mulher do outro e racha um elenco – caso Terry/Bridge na Seleção Inglesa. Ou quando uma molecada se reúde para falar m… e tirar o foco de um time às vésperas de uma final de campeonato, como aconteceu no Santos.

Antigamente o esquema não saía da sinuca e do baralho. Hoje a oferta de lazer é grande para o boleiro gastar sua grana: celular, iPod, notebook… todos eles conectados ao mundo. Estão embriagados de poder e arrogância. Sentem-se acima do bem e do mal. Dirigem seus carrões em alta velocidade – hoje o volante Anderson, do Manchester United, sofreu grave acidente saindo de uma balada em Portugal – tratam as maria-chuteiras como objetos e agem como se seus atos não tivessem consequência. Resumindo, para deixar claro que não me perdi em meu argumento: gente ruim tem em todo o lugar, de todas as profissões, não cabe a nós patrulhar cada um, julgar cada um. Polícia e Justiça existem para isso. A diferença para a boleirada, agora, é que nesse novo século tudo está exposto, é muito difícil não ser notado e qualquer atitude reflete na profissão e no ambiente de trabalho, o time. Aí, não pode.

Por fim, os jogadores voltaram ao Twitcam para se retratarem. Pediram desculpas, disseram que foi apenas um mal-entendido. “Eu estava brincando com o Robinho e ele sabia disso. Quem sou eu para dizer que ele não faz falta?”, disse Zé Eduardo. Não é a primeira vez que jogadores do Santos têm que se retratar – lembra do episódio da visita a uma instiuição de caridade?

Se eu fosse treinador, daria essa recomendação a um boleiro: se for beber, não dirija (e vice-versa); se for farrear, seja discreto em público; e não comprometa a integridade física e moral de ninguém. Faça mal apenas a você mesmo.

Comentários

  1. Júlio disse:

    o final dessa história todos já sabem: santos campeão, alguns caras vendidos e vida que segue.
    ah, e lá fora todos tb sabem o que vai acontecer: mta grana pra esses moleques, farra, noitada, escândalos, etc etc etc.

  2. everton disse:

    Essa atitude que os Moleque da Vila tomaram …não agradou ninguém , muito menos os rorcedores do santos..
    a fama , dinheiro e balada esta subindo em suas cabeças e colocando em risco seu futuro Brilhante…sou Santista de coração….nascer , viver e no Santos Fc Morrer…..
    e não aplaudir comentários Idiotas desses muleques ..estamos aui para ver seus Talentos e não atitudes ARROGANTES..