CANHOTA 10

Coluna da semana traz retrospecto do Noroeste na Copa Paulista

Confira o desempenho histórico noroestino no texto publicado na edição de 2 de julho de 2012 no jornal BOM DIA Bauru.

Em busca da 3ª fase

A estreia do Noroeste em mais uma Copa Paulista está chegando. Mais duas semanas de preparação e pronto, começa mais uma incógnita: o Norusca entra para vencer ou para experimentar? O retrospecto diz que o clube não costuma ir para as cabeças, nem consegue aproveitar muitas peças… Em 11 edições disputadas, um título (em 2005) e uma semifinal (2001). Nas demais participações, nunca passou da segunda fase. Como manteve a base que disputou a última Série A-2 – e afirma que a preparação para 2013 já começou –, o time de Bauru precisa vencer esse tabu de pelo menos voltar à terceira fase da competição. O ideal, porém, seria brigar pelo título.

O desempenho histórico alvirrubro na Copinha não é animador, mas pode servir ao técnico Amauri Kenvitz como fator de motivação, para instigar seus jogadores. Desde 1999 (não houve a edição de 2000 e o Norusca não disputou em 2006), foram 177 jogos disputados, 69 vitórias, 50 empates e 58 derrotas – aproveitamento de 48% dos pontos. O Noroeste marcou 239 gols (1,35 por jogo) e sofreu 230.

Que a edição passada não sirva de referência. O Alvirrubro, comandado por Jorge Saran, até fez uma boa primeira fase, terminando em terceiro em seu grupo (60% de aproveitamento). Na segunda, desandou: três empates e três derrotas, nove gols sofridos em seis confrontos e lanterna da chave. Em todo o campeonato, o ataque não funcionou: somente 20 gols em 22 partidas, menos de um por jogo… Daquele elenco, pouco foi aproveitado: o goleiro Nicolas, o zagueiro Marcelinho e os volantes Betinho, Juninho e França foram figuras constantes na segundona paulista, fazendo companhia para mais de uma dezena de reforços.

Sem treinador tampão e com jogadores testados e aprovados (Nicolas, Oliveira, Velicka e Leandro Oliveira), além da boa expectativa sobre o goleador Fernando Russi, chegou a hora de avançar mais na Copinha e levar resultados concretos para o semestre seguinte.

Time-base
Pelos treinamentos, Knevitz está inclinado a repetir o esquema bastante usado na Série A-2, que muitos confundem como sendo com três volantes. É que Juninho é cabeça-de-área de ofício, mas atua com o treinador na meia. Kasado e Johnnattan atuarão na contenção e Juninho irá armar com Velicka. Assim, Leandro Oliveira será adiantado para jogar na frente ao lado de Fernando Russi.

O time que deverá iniciar a Copinha: Nicolas; Bira, Oliveira, Lima e Ralph; Kasado, Johnnattan, Juninho e Velicka; Leandro Oliveira e Fernando Russi.

Acabou
O time feminino do Palmeiras se despediu de Bauru com derrota para a Ferroviária. Falta só uma rodada jogando fora e o clube termina sua participação no Paulista. Aí, terá um balanço bastante negativo para avaliar a continuidade do “projeto”. Foi uma das empreitadas mais desastrosas registradas na cidade nos últimos anos. Que fique o reconhecimento ao espírito guerreiro das meninas, que se desdobraram sem ter as condições ideais para executarem seu trabalho.

Papo de basquete
Amanhã começa a temporada 2012/2013 do Paschoalotto/Bauru Basket. Os atletas se apresentam para iniciar a preparação para o Campeonato Paulista – antes, o Jogos Regionais. Ainda em busca de um pivô (o diretor Vitinho Jacob anunciou no Facebook que a negociação com Guillermo Araujo não avançou) para fechar o elenco, o time parte com o trunfo de ter mantido a base.

Larry cantou
Visivelmente nervoso, com a boca dura, mas cantou o Hino Nacional. A coluna esteve na estreia de Larry Taylor na seleção brasileira, em São Carlos, na última semana. Ele confessou ansiedade, não rendeu tudo o que pode, mas cativou a todos, como era esperado. O técnico Rubén Magnano deverá divulgar a lista definitiva para a Olimpíada até o dia 11. Boa sorte ao Alienígena.