CANHOTA 10

Coluna da semana: Noroeste, Copa Paulista e o novo Bauru Basket

Começando a falar da Copa Paulista e, claro, repercutindo as (boas) novidades do basquete. Texto publicado na ediçnao de 14 de maio de 2012 no jornal BOM DIA Bauru.

Copa Paulista pra quê?

De uma vez por todas: qual é a função da Copa Paulista no calendário do Noroeste? Agora que a gestão alvirruba está revitalizada, chegou a hora de refletir bastante. Afinal, vamos dar bagagem para os jovens ou contratar jogadores que serão testados para a montagem do elenco de 2013? É bom lembrar que a segunda opção nunca deu certo. Em ambas, não há pretensão de título.

Em 2011, o Norusca contratou, entre outros, o zagueiro Bruno Lopes, o meia-atacante Da Silva e os atacantes Renam, Daniel Grando e Anderson Cavalo – além de insistir no zagueiro Cris, no volante Tiago Ulisses e no meia Altair. Somente Daniel Grando ficou para a Série A-2 e foi um fiasco. Se fizer a mesma lista para os anos anteriores, o aproveitamento será o mesmo: baixíssimo.

Por enquanto, veio o jovem goleiro Walter, do XV de Jaú, com passagem pelo futebol paranaense – e provavelmente conhecido pelo técnico Amauri Knevitz. Que venham apostas jovens e pontuais. Nomes rodados, somente os comprovadamente úteis, como um Luciano Gigante.

O vice-presidente João Paulo Garcia falou em manutenção da base para formar-se uma espinha visando 2013. Mas já saíram Marcelinho e Everton Garroni – e outros deverão seguir rumo às divisões inferiores do Campeonato Brasileiro. Aí é que está: manter quem foi reserva (como Hélio, Kasado, Bruno Oliveira ou Roberto, entre outros), compensa? Melhor dar bagagem para a molecada. Pensar em Bira (que já renovou), Nicolas, Thiago Jr, Velicka, Leandro Oliveira e Diego, ok. Não muito mais do que isso, entre os que não foram gerados pelo clube. Entre os prata-da-casa, chegou a hora da verdade para Mizael, Giovanni Juninho – além de boa vitrine para Romarinho. E momento ideal para lançar como titulares, sem medo: o zagueiro Ruggieri, o lateral-esquerdo Pedro e o meia Nathan . Laboratório, só se for com jovens. O contrário disso é retrocesso.

Papo de basquete
Desde que o frigorífico Itabom anunciou sua saída do projeto Bauru Basket, sinceramente não temi que a cidade perdesse seu time de guerreiros. Em nenhum momento a diretoria vestiu-se de pessimismo – algo corriqueiro em outras temporadas. Nem o técnico Guerrinha precisou acionar um discurso mais alarmista. Dessa vez, o chororô deu lugar ao argumento. Com um ótimo produto em mãos – um carismático e raçudo time que briga por Bauru em nível internacional –, a certeza da continuidade veio assim que terminou a temporada.

Depois de um necessário obrigado à Itabom, seja bem-vinda, Paschoalotto. As marcas devem ser, sim, exaltadas, por acreditarem e darem sobrevida a quem emociona tanta gente e sabe como envolver a comunidade. O Bauru Basket é um patrimônio, seu fim jamais deveria ser especulado. Ainda bem que empresas da região entendem isso e se identificam com o projeto.

Agora começa um divertido período de sonhar com nomes de peso, rabiscar possíveis escalações, torcer pela permanência de uns e a chegada de outros. Os primeiros movimentos apontam para o pivô Drudi, de Franca, e o gringo Otis Polk, que esteve aqui na Liga das Américas defendendo o chileno Leones. Robert Day é o grande sonho de um posição 3 pontuador. Já a permanência de Jeff Agba, mais uma vez, aguarda leilão.

Mas é bom ir com calma, gente. A coletiva de anúncio do novo patrocinador falou em cascalho, time campeão, mas a grana disponível não será suficiente para trazer medalhões. Somente um, se vier – Day, por exemplo. A aposta será em norte-americanos que ganham em patamar menor em outros países latino-americanos ou brasileiros jovens, como um ala-armador que está disputando as semifinais do NBB – cuja negociação será oportunamente revelada.

Mais Bauru
Curioso o Palmeiras estar sediado em Bauru no futebol feminino e mandar jogos em Pederneiras… Difícil imaginar uma identificação, pensar em continuidade e eventual envolvimento do empresariado local. Enquanto isso, o Futsal da FIB rala na Liga Paulista – vai mal – e está na final da Copa TV TEM.

Comentários

  1. Jonathan disse:

    Esse ala-armador seria o Dedé né ? hahaha

  2. Josinei/Bauru disse:

    Ricardo Fischer, acho rs
    Brasileiro, jovem… enfim

  3. Jonathan disse:

    É , eu pensei nele de primeiro , porém ficou muito óbvio kkkkk

  4. Gleison disse:

    O número de americanos deve ser controlado, acho absurdo um time brasileiro ter a base inteira com americanos! O Brasil perde muitas revelações pra campeonatos europeus e até ligas de desenvolvimento americana por falta de dinheiro e ao mesmo tempo traz jogadores rodados e sem ligação nenhuma com o time.
    Precisamos de categorias de base bem servidas, a vinda de estrangeiros é importante para aumentar o nível do campeonato, mas não deve ser uma regra, é preciso ter moderação.
    Eu não gostaria de ver um time com Larry, Fischer, Robert Day, Jeff Agba e Otis Polk…