CANHOTA 10

Coluna da semana comenta o Corinthians campeão da Libertadores

Tem ainda Noroeste e Bauru Basket no texto publicado na edição de 9 de julho de 2012 no jornal BOM DIA Bauru.

Timão incontestável

Antes de ser jornalista, sou torcedor. É assim com todos os colegas. A diferença está em assumir esse lado ou não e, principalmente, saber separar e desligá-lo na hora de publicar seu trabalho. Pois meu lado corneteiro, mais de uma vez, afirmou categoricamente que o Corinthians nunca seria campeão da Libertadores. A cada amarelada, uma delas sucumbindo ao meu Flamengo, em 2010, meu argumento ficava mais poderoso. O que faltava de postura no campo sobrava de pretensão entre os fiéis. Pois bem, essa história acabou.

Na manhã de 5 de julho, depois da noite apoteótica dos alvinegros, fiz questão de cumprimentar e parabenizar um desses amigos que tanto zombei. No fim das contas, eu estava feliz por ver aquele sorriso fácil, aquela alma lavada. Ele estava sentindo o que todo torcedor gostaria de sentir. Nisso sei que sou exceção – respeitar a alegria do rival. E não pense que é porque não sou palmeirense ou são-paulino. Ano passado, quando o Vasco foi campeão da Copa do Brasil, também cumprimentei um vascaíno. Se existe uma praga que poderia pegar é o fair play (jogo limpo).

Assim, ao abraçar o corintiano, fiz questão de salientar: foi incontestável. Por mais que os secadores tentem diminuir o mérito, o Timão conquistou a Libertadores com muita propriedade. Ao contrário do hábito que descrevi logo acima, dessa vez aconteceu o contrário: sobrou atitude aos jogadores e a torcida, calejada, segurou o entusiasmo. Afinal, tratava-se de um time sem uma estrela central, ao contrário da maioria dos elencos campeões.

Se em 1990 o Corinthians tinha Neto, no bi brasileiro (1998/1999) e no Mundial de 2000 havia Marcelinho à frente de outros craques e se Tevez levou o Alvinegro ao tetra nacional, a equipe penta brasileira e agora dona da América se formou de operários, tais quais aqueles que estão erguendo o Itaquerão.

Por mais habilidoso que seja Alex, ele foi o melhor dos coadjuvantes. Se um dia Liedson foi protagonista na área, ele aceitou a reserva resignado e colaborativo. O xerife Chicão esteve à margem do elenco há poucos meses. Danilo precisou ser decisivo para acabar com a cisma da galera. Emerson Sheik, herói da final, destaca-se mais pela vontade do que pelo talento.

Esses eram os craques em potencial. Mas se alguém se aproximou de ser nomeado referência do time, passa longe do ataque. O que caracteriza ainda mais esse time como guerreiro. Os volantes Ralf e Paulinho foram o suporte do título inédito. O primeiro dando segurança à defesa e colaborando com uma saída de bola segura. E o camisa 8, além de brigador, foi autor de jogadas decisivas.

Se fosse obrigatório eleger “o cara” do título corintiano, seria Paulinho. Versátil, raçudo, oportunista e, principalmente, identificado com a torcida. O técnico Tite foi muito importante, merece uma menção, mas vamos devagar: o dia em que alguém que não entra em campo nem empurra a bola para o gol for apontado como herói, o futebol estará perdido. O treinador tem seu valor, no limite de sua colaboração.

Enfim, salve o Corinthians, o campeão dos campeões (melhor campanha invicta da história). Tem que aturar, tem que aplaudir.

Norusca, ô!
Vai começar a Copa Paulista e o discurso noroestino ainda não está claro. Enquanto o clube se orgulha das estruturadas categorias de base, seu time principal mira 2013 formando elenco sem apostar na molecada. O técnico Amauri Knevitz segue falando em reforços. Quer um zagueiro, apesar de ter o jovem Ruggieri pronto para subir. O sub-20 poderia, no mínimo, compor o banco de reservas dos profissionais. Vejamos, a partir do próximo domingo, no que vai dar esse Norusca versão segundo semestre.

Papo de basquete
O Paschoalotto/Bauru montou um time forte para o Paulista. Principalmente por ter mantido a base da última temporada. E repôs peças com mais qualidade. Saíram Douglas Nunes, Gaúcho e Thyago Aleo, entraram DeAndre Coleman. John Thomas e Ricardo Fischer. Basta comparar as peças, está melhor. Se pronto para títulos, cedo para dizer. Insisto: finalista estadual e semifinalista nacional já seria ótimo.