CANHOTA 10

Coluna da semana comenta a Uefa Euro 2012

Com poucas novidades no Norusca e no Bauru Basket, lá vamos nós dar uma cornetada na Euro. Confira o texto publicado na edição de 18 de junho de 2012 no jornal BOM DIA Bauru.

Sobre a Euro

O Noroeste precisa começar a jogar logo. Já não há muito o que falar. A montagem do elenco estacionou, os jogos preparatórios pouco revelaram… Então, vamos aproveitar a abrangência que o nome da coluna oferece e lançar o olhar sobre a Eurocopa, que está na reta final de sua fase de grupos.

Acho que já disse por aqui, nunca morri de amores pelo futebol europeu. Uma partida da Série B me diverte mais. O que destoa por lá – e enche os olhos da molecada – são três clubes italianos, quatro ingleses, os dois poderosos espanhóis, o alemão de Munique e não muito mais do que isso. Aí sim temos a nata se enfrentando na Champions League, cheia de talentos sul-americanos e africanos, diga-se.

Na Euro, não tem Messi nem Drogba e as feras estão espalhadas. Ibrahimovic tem que se virar entre os perebas suecos. A badalada Espanha tem que se contentar com Fernando Torres no ataque. A Inglaterra não joga nem rascunho da qualidade do futebol praticado em sua liga. Claro que tem uma pitada de mau humor nas minhas letras, não posso ignorar a qualidade da Fúria, tampouco a objetividade alemã. A Rússia também teve seus lampejos de talento, apesar de ter voltado pra Moscou. Mas a Holanda… Já diria Dadá Maravilha que é feio não fazer gol. Os laranjas criam, ciscam, mas a rede pouco balança.

Cada vez mais me convenço de que não vale a pena discutir sobre futebol bonito, espetáculo, arte… O que interessa é que o jogo divirta seu espectador. Por isso, o fator emoção é o que tem mais peso hoje. E por isso o Brasileirão é o melhor dos campeonatos, pois há imprevisibilidade, zebras, viradas, alternância de liderança. Por isso também a Euro passa no meu crivo. Mas não há como um torneio curto e eliminatório não ser divertido.

E a competição do Velho Mundo também serve como reflexão. Será que teremos arenas tão bonitas em 2014? Não consigo imaginar o remendado Beira-Rio tão reluzente quando o estádio de Varsóvia… Perceba, estou elogiando a pontualidade, porque aqui vai ter buraco sendo maquiado na véspera. Na Ucrânia e na Polônia também sobrarão elefantes brancos, o que é uma pena. Fifa e Uefa deveriam ser inteligentes ao escolher países-sedes repletos de bons estádios que exigissem poucas adaptações. Mas só pensam no impacto econômico de grandes empreitadas em países em desenvolvimento.

Portanto, no campo ou fora dele, lá como cá, tudo igual. Sobra emoção e vontade no campo e muita irresponsabilidade fora dele. Queria puxar a sardinha no desempate, dizer que por aqui não há intolerância, manifestações racistas de grupos de torcedores, como as que têm nos assustado mais uma vez nesta Euro, mas as arquibancadas verde-amarelas também têm seus males e não são poucos. Pior: se lá a violência tem  (injustificável e horroroso) argumento, por aqui é gratuita, enrolada num baseado.

Norusca devendo
Está escrito na Lei Pelé que as agremiações esportivas têm que publicar seus balanços financeiros do ano anterior até o último dia útil do mês de abril. Pois o Noroeste não cumpriu. O clube informou à coluna que deve disponibilizar a informação nos próximos dias. Vale lembrar que as contas geraram acalorada discussão numa reunião do Conselho Deliberativo, em fevereiro. É grande a curiosidade se aumentou ou diminuiu a dívida com a família Garcia (eram R$ 12,2 milhões em dezembro de 2010).

Papo de basquete
A torcida está apreensiva, pois o mercado do basquete esquentou e as novidades em Bauru são poucas. É que a euforia do efeito Paschoalotto tomou conta de alguns. Outros, mais sensatos, têm a real noção: não está chovendo dinheiro e não será montado um supertime. Será um elenco forte, claro, mas principalmente pela manutenção da base. E mais: para a próxima temporada, talvez sonhar com títulos seja demais. Chegar à final do Paulista e entre os quatro do NBB já seria um grande feito do projeto. Um passo de cada vez.