CANHOTA 10

Itabom/Bauru segue invicto no Paulista

Basquete bauruense passou susto em São José do Rio Preto, mas venceu

Na noite dessa quarta-feira (17/8), o Itabom/Bauru venceu o empolgado time do América de Rio Preto (de volta à elite paulista) por 83 a 75. E por pouco não volta para casa com uma derrota que não estava nos planos. O time só se impôs em quadra no último quarto, mas mantém a invencibilidade (três jogos, três vitórias).

Na cabeça de Guerrinha, já está desenhada a tabela: os jogos que o time tem que ganhar, os que pode perder e aqueles decisivos, que darão ao vencedor uma melhor classificação – e consequente vantagem nos playoffs.

Sem contar com o pivô Jeff Agba, contundido, os guerreiros mesmo assim foram bastante atuantes no garrafão. Entretanto, perderam muitas bolas no ataque, como relatou o colega Rafael Antônio, na transmissão do Jornada Esportiva. Ao microfone dele, Guerrinha fez a habitual análise do jogo:

Dificuldades
“O Paulista tem suas particularidades. Fator quadra, piso… O adversário jogou muito bem, não tem nenhum tipo de responsabilidade…. Temos que entender que conquistamos um espaço e todos vão querer jogar bem contra a gente. Ganhar de Bauru, hoje, é um feito comemorado por essas equipes, como nós comemoramos quando ganhamos do Flamengo. Esse respeito dos adversários nós conquistamos.”

Golpe final
“Com a entrada do Douglas no fim do jogo, mudamos a defesa para marcação em zona, apostando no erro deles, que realmente sentiram a falta de experiência em definir e acabaram errando mesmo.”

Exclusão de Pilar (duas faltas técnicas)
“O Pilar teve uma atitude irresponsável. Pediu desculpas para todos, mas o time dependia muito dele. E a atitude do Douglas foi bacana, o sacrifício que fez pelo time, entrando mancando em quadra.”

Currículo não ganha jogo
“Os jogadores têm que se preparar mentalmente. Currículo não ganha jogo.”

Perguntado pelo Rafa sobre o comportamento do time para o próximo jogo, contra o Rio Claro (sábado, 20/8, às 18h30), o treinador, espirituoso que é, saiu-se com essa: “No DDD 14 vamos jogar melhor”. Ainda ao Jornada, os jogadores se manifestaram. Larry reconheceu que o time não foi bem e que aprenderam com a dificuldade. Terá puxão de orelhas?, perguntou Rafael. “Ah, sim, vocês sabem como é…”, reconheceu o Alienígena. Perguntado se o Bauru Basket entrou de salto alto, Fischer foi enfático: “Nosso time é jovem e não ganhou nada ainda”.

Nas estatísticas, Pilar chamou a atenção com duplo-duplo (14 pontos, dez rebotes). Larry anotou 15 e pegou sete rebotes. E Fischer segue com a mão calibrada: 22 pontos no jogo. Gaúcho, com 15, finalmente soltou o braço.