CANHOTA 10

Itabom/Bauru bate Franca de “cestada”

Time de guerreiros fecha primeiro turno em segundo de seu grupo

Bábby fez 24 pontos, mas nosso grandão Jeff levou a melhor

Quando um time de futebol vence por grande diferença de gols, como se sabe, usa-se o termo goleada. E no basquete, pode usar “cestada”? Em Minas, certamente se tornaria “cestaiada”! Foi o que aconteceu na noite desse domingo (4/9) em que o Itabom/Bauru venceu Franca, no ginásio da Luso, por 93 a 69. Quase teve lanche de graça pra galera, mas ninguém saiu frustrado por isso. A vitória convincente foi uma resposta ao tropeço em Limeira – que, aliás, foi surpreendida por Araraquara.

Pelo regulamento, Limeira termina o primeiro turno como líder da chave A, pelo confronto direto. Notícia da Federação Paulista, porém, cita Bauru como primeiro. Enfim, ambos têm seis vitórias e uma derrota e sete partidas decivias pela frente para definir seus posicionamentos para o playoff.

A partida começou pegada, com Bábby dominando o garrafão de um lado, e Fischer mandando bola pra redinha, do outro. O camisa 14, aliás, está com o calibre cada vez mais apurado e, quase sempre, tem sido o cestinha das partidas. Nesta, foram estupendos 28 pontos. Depois de um grande primeiro quarto, Franca foi dominada pelos guerreiros, que tiraram a diferença e a aumentaram nos períodos seguintes.Larry ficou 37 minutos na quadra e anotou mais um duplo-duplo (13 pontos, 12 rebotes, além de seis assitências). Jeff Agba também conseguiu esse feito, com dez pontos e 11 rebotes. E Pilar quase chegou lá, faltaram dois rebotes (17 pontos e oito rebotes) – camisa 11 é aclamado pela torcida cada vez que é substituído, por sua habitual raça.

A certa altura do segundo tempo, Fischer roubou bola e quase enterrou. Deu risada da situação, olhando para os colegas de banco, mas Guerrinha seguiu sério. Na jogada seguinte, foi a vez de Gaúcho recuperar a bola, mas fez firula e, claro, levou bronca. Mais tarde, porém, fez linda jogada individual e foi elogiado pelo treinador.

Outro grande destaque da partida foi Gui, que finalmente correspondeu às expectativas, pois espera-se dele uma temporada mais madura, com a oportunidade de ficar mais tempo em quadra. Muito bem defensivamente – “Ele deu uma nova energia ao time”, disse Guerrinha -, o camisa 9 ficou 18 minutos em quadra e ajudou bastante no revezamento. O mesmo vale para Mosso, cada vez mais importante em quadra. Gaúcho e seus 13 pontos também contribuiu com o rodízio.

A seguir, trechos de algumas entrevistas concedidas ao Canhota 10 ao final da partida, inclusive do presidente da Liga Nacional de Basquete, Kouros Monadjemi. Mais abaixo, fotos do confronto (de Sergio Domingues/HDR Photo).

PILAR
Ídolo da torcida:Eu tenho essa energia. Dou tudo de mim na quadra, não gosto de perder, gosto do confronto, me atiro na bola. Temos uma torcida guerreira, a Fúria, então a gente se reconhece.”
Fazendo ioga: “É bom fazer ioga, conhecer. Comecei há pouco tempo, não dá pra falar ainda que está dando resultado. Mas é um trabalho de relaxamento, o Guerrinha que teve essa ideia [de fazer ioga]. A preocupação dele é que eu entro muito afoito e acabo fazendo muitas faltas. A ioga vem me ajudar mais paciência e concentração.”

GUERRINHA
Ausência contra Santos (resposta ao Gustavo Longo, do BOM DIA): “Segue o mesmo esquema e é bom o time trabalhar essa autodefesa, ficar sem o técnico. E o Hudson [Previdello, auxiliar] tem capacidade e está muito integrado com o time. Vai ser uma vitória importantíssima.”
• Como a vitória se construiu: “Franca estava jogando bem, fez 26 pontos no primeiro quarto. Nós é que os tiramos da zona de conforto. Não foi simplesmente Bauru jogou bem e Franca mal. É que nós tiramos Franca do jogo no próprio jogo.”
• Relaxamento e firula: “No basquete, as coisas erradas se paga à vista. Perdeu essa bola, deixamos de fazer dois pontos e levamos cinco, isto é, foram sete pontos em menos de um minuto. E a diferença pra gente é importantíssima, do saldo de cestas no confronto, no caso de um empate.
Andrezão em quadra: “Nós revezamos de acordo com a necessidade. Geralmente, os técnicos colocam o jogador quando está ganhando, colocam para a torcida. Nós colocamos em situação real de jogo. Quando precisa, põe, pois cada jogador é uma ferramenta do técnico. Tem dia que não precisa, não sua. Outros tem mais recursos e ficam muito tempo na quadra, como o Larry e o Fischer.”

KOUROS MONADJEMI, presidente da LNB
A força de Bauru: “Bauru não precisa de apresentações, tem muita tradição. Desde que me entendo por gente, Bauru prestigia o basquete, é um centro poderoso. Hoje assistimos um espetáculo, fruto de um trabalho do Guerrinha, que provou que uma equipe de basquete se faz com o tempo. Formá-la e caminhar com ela. E aí está o fruto. Uma equpe que pode chegar à decisão do Paulista e também do NBB.”
NBB 4: “Acredito que teremos 16 ou 17 equipes. Há 18 equipes tentando, mas há critérios que devem ser mantidos. Estamos aguardando, demos prazo até dia 15 e, se Deus quiser, a maioria das equipes vai complementar o que está faltando. Teremos um belo espetáculo no NBB4, que será bem superior ao NBB3. Temos equipes muito fortes, muitas de São Paulo. Quem é que pode dizer quem será o campeão?”
Pré-olímpico: “Vamos levar nosso apoio e torcer para que o Brasil volte com a classificação, que é muito importante.”

Larry briga no garrafão: 12 rebotes

 

Entre broncas e elogios, Gaúcho foi importante

 

Pilar: incansável guerreiro

Comentários

  1. Kelly disse:

    O time jogou muito, como um time que quer ser campeão, alias como um time que tem grandes chances disso. Time guerreiro e lutador, um super jogo, valeu Itabom/Bauru. Força Guerreiros.

  2. Thompson disse:

    Excelente atuação defensiva. Alex ainda está devendo, e Gaúcho precisa entrar um pouco mais no espírito do time. Mosso muito bem, e Andrezão evoluindo.

    O time contratou bem. Se o Pilar puder vir do banco, pra ser o sexto homem, revezando nas posições 3 e 4, acredito que irá melhorar seu rendimento. Pra isso, falta o 3 titular, no lugar do Alex que foi embora.

    Quem sabe pro NBB…