Duda, nunca critiquei

Quem criou esse meme é gênio. “Nunca critiquei”, muitos disseram para o palmeirense Borja neste início de ano, para ficar em um exemplo recente. Ótima brincadeira, essa é a graça do esporte. Assim como a crítica faz parte. E o que o Sendi/Bauru Basket mais tem ouvido nesta temporada são críticas. Muitas merecidas, o time está devendo, como o próprio Duda Machado, o herói da vitória que valeu a vaga nas quartas, reconheceu:

Tenho que agradecer toda a torcida de Bauru, porque fizemos uma temporada abaixo das expectativas e eles sempre apoiaram”, disse o camisa 3 à transmissão do SporTV.

Verdade. Enquanto a bola quica, apoio. A caixinha de comentários ferve depois que o cronômetro zera. Aí chego no ponto. Sempre respeitei o direito de o torcedor cornetar à vontade, com razão ou não. Mas do lado de cá gosto de entender o contexto. E acredito que muitas críticas vieram de quem sonhava com o bicampeonato brasileiro. Que pode acontecer? Claro. Basquete, amigo. Mas se vier, numa temporada tão complicada, de elenco bom no papel que ainda não encaixou — contra times mais fortes e redondinhos —, será uma façanha. Tão improvável e deliciosa como a cesta de Duda Machado:

Convenhamos, tivesse perdido para o Vasco, choveriam críticas. Merecidas. O time errou muito, tomou decisões de ataque equivocadas, ofereceu rebotes ofensivos ao adversário no finalzinho… E mesmo assim não desistiu. Buscou. Buscou de novo. Foi até o impossível para não perder.

Sem Alex. Sem Renan. Hett, Shilton, Anthony e Jaú saindo um a um, com cinco faltas. E Duda por todos eles. Duda, o fominha, o clutch, o precipitado, o decisivo. O cara que vive o jogo com intensidade. Que erra e acerta, como todos nós.

Venha o que vier neste NBB, nessa série contra Franca que promete ser tensa, agora há uma certeza: se a equipe jogar com a raça e a entrega desse jogo 4 contra o Vasco, será aplaudida até o fim, seja ele qual for.

 

Foto: Nayra Halm/Foto do Jogo