CANHOTA 10

Bauru 1, arrogância 3

Cheguei em casa após a partida de sexta-feira às 23h30, mala para fazer e estrada na manhã seguinte, para São Paulo. Apesar de os dedos estarem coçando, não fiz a matéria sobre o jogo… A partir daí, decidi resumir tudo o que vi na minha coluna de segunda-feira, no BOM DIA. ela se chama ‘Papo de FUTEBOL’, mas permite essa louvável exceção que é o Bauru Basket. O editor-chefe Thiago Roque, exímio armador na juventude, defendendo sua Descalvado em Jogos Regionais, topou na hora. É minha singela homenagem a esse time de guerreiros que arrebatou meu coração rubro-negro. Espero que gostem.

• • • • • • •
Texto publicado na edição de 2 de maio de 2011 no jornal Bom Dia Bauru

O time de Bauru

Em janeiro de 2001, a revista Placar, maior publicação futebolística no país, trouxe Gustavo Kuerten em sua capa, com a chamada “O que esse cara está fazendo na nossa capa?” A quebra de protocolo tinha enorme justificativa: no mês anterior, Guga havia fechado o ano como primeiro do mundo, algo antes improvável para um tenista brasileiro. Lembrei-me desse precedente para transferir este papo do futebol para o basquete e, assim, desfazer o nó que está na minha garganta desde a última sexta-feira.

Foi quando o time de guerreiros se despediu do Novo Basquete Brasil sob calorosos aplausos. Normalmente, o derrotado deixa o campo de batalha sob vaias ou indiferença. Não o Itabom/Bauru Basket. A equipe nunca se entregou. O gigante Flamengo não conseguiu calar o ginásio da Luso. Sua comemoração do bonde sem freio, ao final da partida, foi constrangedora. Os rubro-negros tinham todo o direito, como vencedores, mas deveriam aplaudir o público bauruense, muito mais apaixonado pelo basquete – a arena da Barra, no Rio, esteve às moscas nos jogos 2 e 3 do playoff.
A postura arrogante do Flamengo durante essas quartas de final constrangeu a mim, flamenguista desde sempre (no gramado), que sabe que o Manto Sagrado é muito maior do que a marra de Marcelinho. Maior ainda do que o estafe carioca, que na retaguarda do banco de reservas não soube levar na esportiva vaias e provocações naturais de uma disputa tensa.

Durante o jogo, eu olhava para aquele escudo em peitos tão indignos e tentava borrá-lo em minha mente. Por ser impossível tarefa, foquei-me no sorriso do boleirão Larry – que transforma uma aparente displicência em eficiência –, na raça de Pilar, na entrega de Fischer. Mal sabia, àquela altura da partida, que as lágrimas de Douglas Nunes lavariam a alma de todos. O camisa 13 lamentou o erro na última bola. As palmas que o afagaram não eram de perdão, não havia o que desculpar. O torcedor agradecia a dedicação.

Reconhecimentos ilustres
A jornalista Vanessa Riche, do Sportv, veio a Bauru e disse, em  conversa com a coluna, ter ficado impressionada com o caldeirão que é o ginásio da Luso. “Se fosse jogadora, não conseguiria atuar aqui. Que energia!”, confessou. Já o gerente técnico da Liga Nacional de Basquete, Lula Ferreira, elogiou o trabalho da diretoria bauruense. “O Bauru Basket se cercou de pessoas competentes, descobriu talentos. Muitos desses jogadores, que ainda buscam uma posição de destaque, já chegaram muito longe. E o principal é que não foi formado simplesmente um time de basquete, mas um time da cidade”. O time de Bauru.

Visibilidade e grana
A diretoria teve uma boa sacada para o confronto decisivo, com TV. Encomendou uniformes novos, agora com a marca Itabom nas costas, sobre os números. Maior visibilidade para a empresa que fez essa equipe acontecer – e que precisa de mais apoio financeiro. Os diretores Vitor Jacob e Joaquim Figueiredo demonstraram otimismo em fechar com mais um patrocinador master. Há conversas em andamento. Somente com mais grana o time conseguirá manter o pivô Jeff e trazer um brasileiro de renome.

Cordialidade
O ala Pilar, símbolo da raça do Bauru Basket, foi conversar com o ala Marcelinho assim que o cronômetro zerou. “Foi uma série muito tensa, de muita animosidade, muita marcação entre mim e ele. O Marcelinho é um cara que põe um desafio na quadra como o último da vida dele. Joga de forma agressiva, eu também. Houve discussão no Rio. Mas, no final, somos todos jogadores e a quadra é só uma fantasia da vida. Ele é guerreiro como a gente. Eu disse que o respeito e desejei boa sorte”, revelou à coluna. Eu tenho ou não que torcer para um time desses? Com muito orgulho.

Comentários

  1. Gabriel disse:

    Muito bom, BH. Ótimo texto!

  2. Vera Bitar disse:

    Que beleza de matéria!!
    Fiquei emocionada ao lê-la e compartilho da mesma opinião, um time de Guerreiros onde cada um deu o melhor de si pelo grupo e durante todo o campeonato.
    Parabéns aos jogadores e a essa torcida maravilhosa de Bauru, que tornaram o time e a torcida uma só identidade e uma força tão vibrante.
    Abraços a todos

  3. Sheila disse:

    Não tem como não se arrepiar lendo essa coluna, não pela arrogância do time do Flamengo, mas pela luta do time do Bauru e pelo exemplo que a torcida de lá dá a todos nós fanáticos por basquete. Como francana, tenho que reconhecer, fui em apenas um jogo na Luso e como a energia dessa quadra contagia quem está lá dentro, não só jogadores, mas torcedores tb! Espero que o trabalho que o Guerrinha e o Poli não seja jogado fora, por pura vaidade política. A cidade, a torcida e os campeonatos não merecem ver o “novo” Gigante jogado as traças! Força Bauru!!! Parabéns pelo trabalho desenvolvido nessa temporada, vcs honram o nome de Guerreiros que receberam de sua torcida!

  4. Mauro disse:

    Parabens BH, você descreveu o amor, a paixão dos torcedores por esse time, que não tem como não se arrepiar com essas palavras, e ao meu ver esse time já é CAMPEÃO.

    É assim que é o torcedor do ITABOM/BAURU BASKET que ganhou a cidade sem limites e virou patrimonio da cidade.

  5. Joaquim Pedro de Figueiredo Neto disse:

    Fernando, boa noite. Meio atrasadão para ler a sua matéria, mas confesso que le-la hoje ou daqui há alguns anos não mudará muito. Não me interprete mal, rs. Como é gostoso, emocionante e recompensador o trabalho que vem sendo desenvolvimento por todos nós (atletas, comissão técnica, diretoria, funcionários, torcedores e imprensa). Ler e perceber as opiniões aqui tão sinceras, principalmente da Sheila, torcedora de Franca. A você deixo meus sinceros agradecimentos, parabenizando-o por seu excelente trabalho a frente do esporte. Sabe, lamento o fato de muitos empresários não acreditarem na força que é o basquete e na energia do basquete do Itabom/Bauru, pois, se houvesse um pouco mais de apoio, certamente levaríamoss muito mais alegria a nossos torcedores. À todos que nos apoiam verdadeira e incondicionalmente, meu eterno muito obrigado.