CANHOTA 10

Balanço do Bauru Basket no Campeonato Paulista

Terminada a participação dos guerreiros, confira levantamento do desempenho bauruense

Larry: contusão comprometeu seu desempenho. Foto (inclusive home) de Sergio Domingues/HDR Photo/Bauru Basket

Foi aquém do que a torcida sonhava, mas guerreiro como sempre. O Itabom/Bauru fechou sua participação eliminado nas quartas por Franca, depois de cinco jogos alucinantes, de igual para igual. Ficou a sensação de que poderia ter chegado mais longe e a certeza de que o elenco tem potencial – grande prova foi o bom jogo contra Brasília, ontem (12/12), perdendo por pouco um partida que se anunciava um massacre, pelo cansaço do time, jogando menos de 48 horas depois (muitas delas na estrada).

Agora, com foco apenas no NBB, com o reforço de Pilar – e talvez de Will – e a já comprovada competitividade, espera-se vaga nos playoffs, provavelmente entre 5º e 12º (fase pré-quartas). Individualmente, Larry deve recuperar a forma física após a parada da virada do ano; Fischer precisa esfriar a cabeça; Douglas Nunes aperfeiçoar-se nos rebotes defensivos; Jeff oscilar menos entre partidas fantásticas e atuações apagadas. A boa notícia, insisto, foi o desenvolvimento de Thyago Aleo, que atuou com personalidade em momentos decisivos, sobretudos nos três últimos jogos contra Franca.

A seguir, números que ajudam a entender a campanha do time do Campeonato Paulista (as colocações em relação aos outros times e jogadores são até o final das quartas).

ITABOM/BAURU:

2º time que mais pontou na primeira fase (82,8 por jogo – 87,4 na 1ª fase), sendo:
• 32,6% em bolas de três (31,5% na 1ª fase)
• 50% em bolas de dois (52,5% na 1ª fase)
• 17,4% em lances livres (16% na 1ª fase)

E mais:
• 2ª equipe que mais pegou rebotes, com 32,1 por jogo (3ª na 1ª fase, com 32,5)
• 4º pior time em roubadas de bola, 6,9 por partida (era o 4º melhor na 1ª fase, com 7,9)
• Manteve-se como 3º melhor em tocos (3,2 por jogo)
• Também continuou sendo quem menos perde bolas, 10 por duelo (9,6 na 1ª fase)
• Time menos faltoso do campeonato, com 17,6 infrações por jogo (2º na 1ª fase, com a mesma média)
• Jeff seguiu como sexto melhor reboteiro (média de 8,17)
• Fischer passou Larry como atleta com mais tempo em quadra: ficou em média 34min04; foi apenas o 11º em aproveitamento de três (40,6%) e foi o melhor do campeonato em lances livres (91,23%)

LARRY TAYLOR:
• 3º jogador mais eficiente (era o 2º ao término da 1ª fase)
• 9º cestinha, com média de 16,7 pontos (foi o melhor da 1ª fase, com 19,6)
• Manteve a média como reboteiro (6,04) e caiu uma posição
• Seguiu como 2º melhor assistente, mas média caiu de 7,46 para 6,29
• 3º maior ladrão de bolas (2,04 por jogo), perdendo uma posição em relação à primeira fase para Will, que hoje treina em Bauru

Importante destacar que as partidas da 2ª fase e dos playoffs tiveram nível elevado, o que ajuda a explicar a queda das médias. Some o cansaço e, particularmente, a contusão de Larry, e tire suas conclusões.

Comentários

  1. Kelly disse:

    É, sabemos que nossa equipe poderia ir mais longe, tinhamos e temos potencial pra isso. Ma de modo geral o balanço foi positivo, tivemos contusão do Larry, Douglas… o GRANDE desempenho do Thyaguinho… coisa que acontecem em toda a equipe. Agora, é NBB, tentar chegar nos playoffs e quem sabe não ficar entre os primeiros.

    Parabéns Guerreiros.

  2. Canhota, me permita discordar em alguns pontos.
    Acredito que faltem opções de definição no momentos chave das partidas, vide no confronto com Franca pelo jogo 3, quando todos se esconderam atrás da marcação, deixando o Larry isolado até perder a bola e Bauru a chance de vencer o jogo. Na mesma partida, com o placar em 75 a 76 e 19 segundos de posse de bola, o time não teve uma jogada para cavar uma falta e levar o confronto para a prorrogação. No quinto jogo contra a mesma equipe francana, depois de três bolas perdidas pelos donos da casa, Bauru perdeu três contra-ataques em sequência.
    O banco bauruense, apesar das limitações financeiras, não pode ter três jogadores que pouco ou quase não atuam, como Ricardo, Renato e Julio Toledo. Por sinal, três atletas que poderiam dar lugar a jovens promessas.
    Do lado positivo, Douglas foi um achado, Aleo tem potencial e o Gui tem mostrado capacidade e deverá ter futuro glorioso.
    Desculpe se me alonguei, mas acho que devemos enxergar as falhas agora, para corrigi-las e chegar bem no NBB.

  3. Júlio Penariol disse:

    bauru fez ótimos jogos contra franca, realmente. encheu a torcida de orgulho, mostrou raça, etc etc. mas não podemos esquecer que o time só cruzou com franca porque vacilou na fase de classificação. ficar em sexto lugar no estado é mto pouco para um time como o de bauru, com o investimento que a itabom tem feito. no nbb, a equipe pode surpreender, ainda mais se todos os jogadores estiverem bem fisicamente na fase final, mas tb não será de se estranhar se o itabom\bauru ficar ali perto da oitava ou sétima posição na fase de classificação, o que o colocaria contra uma pedreira no mata-mata.

  4. Bruno Mestrinelli disse:

    BH, só complementando as opiniões por aqui, lembro que Bauru pecou, pelo segundo ano seguido, por manter jogadores que pouco atuam: Júlio Toledo, Gaspar (ficou até pouco tempo), Eddy… Por qual motivo o Pilar não veio antes? Veio o Toledo e pouco jogou. Mantivemos o Eddy e idem.
    Enfim, fiquei decepcionado sinceramente com o desempenho de Bauru no Paulista. Em relação a 2009, o atual time é bem melhor. E ficou abaixo na classificação.
    Espero que os erros sejam corrigidos para o NBB..
    Abraços